A PRIMEIRA AGÊNCIA DE FACT-CHECKING DO BRASIL

Reprodução/YouTube
Reprodução/YouTube

Lupa na Ciência: Em artigo polêmico, cientistas chineses defendem que novo coronavírus foi criado em laboratório

Repórter (especial para a Lupa) | Rio de Janeiro | lupa@lupa.news
18.set.2020 | 12h00 |

O que você precisa saber:

–  Um artigo de três cientistas chineses, ainda não publicado em revista científica, voltou a defender que o SARS-CoV-2 foi criado artificialmente

– Especialistas contestam esse novo estudo e apontam que as evidências disponíveis até agora sugerem que o vírus surgiu naturalmente, ou seja, não veio de um laboratório

– Pesquisas feitas no início do ano e simulações de computador indicam que o novo coronavírus resulta de um processo de seleção natural, que garantiu a sua alta capacidade de se ligar às células humanas

Uma das especulações mais fortes sobre o novo coronavírus – e que já havia sido refutada pela comunidade científica –, voltou aos holofotes nesta semana. A hipótese de que o SARS-CoV-2 teria sido criado em laboratório ganhou novos contornos com a divulgação de um artigo recente, escrito por um grupo de pesquisadores chineses, em que dizem haver evidências de que o vírus foi “convenientemente criado” por cientistas durante o período de seis meses. O artigo, no entanto, está disponível somente na plataforma Zenodo, que é um repositório de dados e publicações abertas ao público, e ainda não saiu em nenhuma revista científica de peso, nem foi revisado por pares – parte do processo necessário para a publicação, em que um grupo de pesquisadores independentes revisa a metodologia, as análises e os resultados para avaliar se o estudo cumpre o rigor técnico exigido. 

A pesquisa chamou a atenção logo após um de seus autores, a virologista chinesa Li-Meng Yan, conceder uma entrevista a um programa de TV no Reino Unido falando sobre o tema. Imediatamente o assunto mobilizou cientistas no mundo todo que, em sua grande maioria, refutam a hipótese apresentada por ela. Eles destacam que as evidências mais robustas disponíveis até o momento indicam que não há provas concretas de que o vírus tenha sido criado artificialmente. Em uma declaração publicada no início da semana pela comissão científica da revista The Lancet, os especialistas reconheceram que as origens do SARS-CoV-2 ainda precisam ser determinadas com mais precisão, mas que “as evidências até agora apontam para a conclusão de que é um vírus que ocorre naturalmente, e não o resultado de uma criação em laboratório”. Ainda de acordo com a comissão, a pesquisa sobre as origens do SARS-CoV-2 deve “prosseguir de forma expedita, científica e objetiva, sem ser impedida por agendas geopolíticas e desinformação”. 

Neste recente estudo chinês, os pesquisadores indicaram três evidências que embasariam a tese de o vírus ter sido criado em laboratório. Na primeira, explicam que, de modo suspeito, a sequência genômica do SARS-CoV-2 é semelhante à de um coronavírus de morcego descoberto por laboratórios militares. A semelhança com o vírus presente no mamífero voador, no entanto, foi apontada por outros pesquisadores como um dos motivos que afastariam a hipótese de o patógeno ter sido criado em laboratório. 

Em estudo publicado em março na Nature Medicine, pesquisadores compararam o genoma desse novo coronavírus com os sete outros da família Coronaviridae conhecidos por infectar seres humanos. Os estudos indicaram que a estrutura central do vírus era distinta da de outros coronavírus que afetam humanos, porém muito semelhante à de um tipo que infecta morcegos e pangolins (animais vendidos ilegalmente na China por sua carne). De acordo com os pesquisadores, se alguém estivesse tentando manipular o novo patógeno, teria feito isso à imagem e semelhança de uma cepa já conhecida por causar a doença em humanos. A tese foi reforçada por uma pesquisa publicada no final de março na mesma revista, sugerindo que os pangolins devem ser considerados hospedeiros intermediários do vírus pela similaridade genética entre os patógenos encontrados neles e nos humanos.

As outras duas evidências apontadas pelos pesquisadores chineses dizem respeito à proteína spike. Eles acreditam que a versão dessa estrutura presente no novo coronavírus tem elementos que só podem ter sido modificados e adaptados por mãos humanas. O SARS-CoV-2, assim como os outros coronavírus, tem uma estrutura muito primitiva, formada apenas por um genoma de RNA, envolto em uma camada que contém proteínas spike na sua superfície. Estas proteínas, que pelo seu formato de coroa deram nome à família, são responsáveis por se ligarem a um elemento específico do corpo humano e, assim, invadir as células do hospedeiro. 

No estudo publicado em março na Nature Medicine, os pesquisadores também analisaram as características desse componente do vírus e indicaram que ele é tão eficaz em desempenhar o papel de infectar os humanos que só poderia ter sido resultado de uma seleção natural, não de engenharia genética. Para comprovar isso, os cientistas usaram softwares avançados e simularam em computador possíveis mutações na proteína presente em outros coronavírus para ver se chegariam às mesmas alterações que as presentes no SARS-CoV-2. Nenhuma das mudanças previstas pelo programa seria tão eficiente quanto a encontrada no causador da Covid-19.

Questionados sobre o assunto em reportagem da revista americana Newsweek nesta semana, seis especialistas em biologia evolutiva e doenças infecciosas afirmaram que o estudo chinês divulgado recentemente “não oferece informações novas e faz afirmações infundadas”. Um dos cientistas, Carl Bergstrom, que é pesquisador da Universidade de Washington, apontou que “o artigo não é baseado em uma interpretação objetiva do genoma do SARS-CoV-2”. Já em uma carta aberta publicada na American Council on Science and Health, o microbiologista Alex Berezow, que também indicou que o estudo “não deve ser levado a sério”, afirmou que os autores da publicação fazem parte de uma organização chamada Rule of Law Society, que não é uma organização científica. “Isso não significa automaticamente que os autores estão errados, mas levanta dúvidas suficientes sobre sua credibilidade”, escreveu. 

Fontes:

The Lancet. Artigo Disponível em:
https://www.thelancet.com/journals/lancet/article/PIIS0140-6736(20)31927-9/fulltext

Zenodo. Artigo disponível em:
https://zenodo.org/record/4028830#.X2NfHGdKg_N

Revista Nature. Artigos disponíveis em:
https://www.nature.com/articles/s41591-020-0820-9
https://www.nature.com/articles/s41586-020-2169-0

Nota: o projeto Lupa na Ciência é uma iniciativa da Agência Lupa contra a desinformação em torno do novo coronavírus e da Covid-19 e conta com o apoio do Google News Initiative. Para saber mais, clique aqui.

Editado por: Maurício Moraes e Marcela Duarte

O conteúdo produzido pela Lupa é de inteira responsabilidade da agência e não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.

A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos

Esse conteúdo foi útil?

1 2 3 4 5

Você concorda com o resultado desta checagem?

Sim Não

Leia também

SIGNATORY- International Fact-Checking Network
Etiquetas
VERDADEIRO
A informação está comprovadamente correta
VERDADEIRO, MAS
A informação está correta, mas o leitor merece mais explicações
AINDA É CEDO PARA DIZER
A informação pode vir a ser verdadeira. Ainda não é
EXAGERADO
A informação está no caminho correto, mas houve exagero
CONTRADITÓRIO
A informação contradiz outra difundida antes pela mesma fonte
SUBESTIMADO
Os dados são mais graves do que a informação
INSUSTENTÁVEL
Não há dados públicos que comprovem a informação
FALSO
A informação está comprovadamente incorreta
DE OLHO
Etiqueta de monitoramento
Seções
Arquivo