A PRIMEIRA AGÊNCIA DE FACT-CHECKING DO BRASIL

Foto: Divulgação/ Governo do Estado de São Paulo
Foto: Divulgação/ Governo do Estado de São Paulo

#Verificamos: É falso que China comprou Sabesp, CPTM, Comgás, TV Band e CNN durante pandemia

Repórter (especial para a Lupa) | Rio de Janeiro | lupa@lupa.news
22.set.2020 | 17h41 |

Circula nas redes sociais um post que diz que a China, por meio do governador de São Paulo, João Doria (PSDB), comprou diversas empresas brasileiras durante a pandemia da Covid-19, a exemplo da Sabesp, CPTM, Comgás, TV Band, CNN Brasil e parte das operações de containers do Porto de Paranaguá. Por meio do ​projeto de verificação de notícias​, usuários do Facebook solicitaram que esse material fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação da Lupa:

“Enquanto o povo se preocupa só com o covi19, vendo na globo, esquecem da China que já comprou SABESP – CPTM – COMGAZ – ANEL – MINERADORA DE EXTRAÇÃO DE FERRO EM MINAS GERAIS – TV BAND – CNN. No Paraná compraram toda a operação de containers do Porto de Paranaguá”
Legenda de imagem publicada no Facebook que, até as 16h do dia 22 de setembro de 2020, tinha mais de 24 mil compartilhamentos

FALSO

A informação analisada pela Lupa é falsa. As empresas Sabesp, CPTM, Comgás, TV Band e CNN Brasil, citadas no post, não foram adquiridas por empresas chinesas. No Paraná, a empresa China Merchants Port adquiriu 90% do Terminal de Contêineres do porto de Paranaguá. Contudo, o acordo foi oficializado em 2018 e não tem relação com a pandemia da Covid-19.

A Assessoria do governo de São Paulo, por meio de uma nota, informou que a Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) e a Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) não foram vendidas.

A Sabesp é uma empresa de economia mista fundada em 1973, sendo o governo do Estado de São Paulo o maior acionista. Atualmente, é responsável pelo fornecimento de água, coleta e tratamento de esgotos em 375 municípios paulistas. Já a CPTM, companhia pública que também pertence ao governo paulista, teve sua criação autorizada pela Lei nº 7.861, de 28 de maio de 1992. Em fevereiro, chegou a abrir consulta pública para a concessão à iniciativa privada das Linhas 8-Diamante e 9-Esmeralda. Devido à pandemia da Covid-19, o processo foi paralisado.

Já a distribuidora de gás natural Comgás foi uma empresa estatal controlada pelo governo do Estado de São Paulo e privatizada em 1999. É atualmente administrada pelo grupo brasileiro Cosan. Por nota, a assessoria da empresa disse que a informação que está circulando nas redes sociais é falsa.

O post também cita uma empresa supostamente chamada “Anel”. Isso pode ser uma referência à Enel, empresa que adquiriu antigas estatais de distribuição em São Paulo, Rio de Janeiro, Ceará e Goiás. 99% das ações da subsidiária brasileira da companhia são de propriedade do próprio grupo Enel, com sede na Itália. Também é possível que essa referência seja à Aneel, Agência Nacional de Energia Elétrica. Como o nome sugere, a Aneel não é uma empresa, e sim uma agência reguladora do governo federal.

Empresas de mídia

Sobre a TV Band, a assessoria do Grupo Bandeirantes informou em nota que a informação se trata de “fake news”. No e-mail enviado à reportagem, a assessoria envia um texto sobre o acordo de cooperação de conteúdo entre o Grupo Bandeirantes e a China Media Group, empresa estatal chinesa de mídia, em novembro de 2019. A Lei 10.610, de 20 de dezembro de 2002, que trata da participação de capital estrangeiro nas empresas jornalísticas e de radiodifusão sonora e de sons e imagens no Brasil, limita a participação de capital estrangeiro em até 30% do capital total e votante.

O contrato, segundo a nota, prevê produções conjuntas e compartilhamento de conteúdo com o objetivo de promover o desenvolvimento das relações entre os dois países. O acordo ainda prevê parceria em produtos de entretenimento – como novelas, programas e documentários – e intercâmbio de tecnologias de rádio e televisão. O China Media Group reúne os principais veículos de comunicação chineses, como a rede de televisão aberta CCTV e o canal internacional de notícias CGTN. Um acordo semelhante foi assinado pelo grupo com a Empresa Brasil de Comunicação (EBC), em novembro de 2019.

Em seu site, a CNN Brasil informa que é uma empresa brasileira licenciada da marca CNN, em acordo assinado em janeiro de 2019 com a CNN International Commercial (CNNIC). O empresário brasileiro Rubens Menin detém 65% do capital da empresa, conforme reportagem publicada na Folha de São Paulo.

Porto de Paranaguá

A operadora de terminais China Merchants Port (CMPort) oficializou em fevereiro de 2018 a compra de 90% do Terminal de Contêineres do porto de Paranaguá (PR), por R$ 2,9 bilhões. Entretanto, o negócio foi oficializado dois anos antes da pandemia da Covid-19 no Brasil, e tampouco tem qualquer relação com o governador de São Paulo, João Doria.

Checagem similar foi feita por Aos Fatos e Boatos.Org.

Nota:‌ ‌esta‌ ‌reportagem‌ ‌faz‌ ‌parte‌ ‌do‌ ‌‌projeto‌ ‌de‌ ‌verificação‌ ‌de‌ ‌notícias‌‌ ‌no‌ ‌Facebook.‌ ‌Dúvidas‌ sobre‌ ‌o‌ ‌projeto?‌ ‌Entre‌ ‌em‌ ‌contato‌ ‌direto‌ ‌com‌ ‌o‌ ‌‌Facebook‌.

Editado por: Chico Marés

O conteúdo produzido pela Lupa é de inteira responsabilidade da agência e não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.

A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos

Esse conteúdo foi útil?

1 2 3 4 5

Você concorda com o resultado desta checagem?

Sim Não

Leia também

SIGNATORY- International Fact-Checking Network
Etiquetas
VERDADEIRO
A informação está comprovadamente correta
VERDADEIRO, MAS
A informação está correta, mas o leitor merece mais explicações
AINDA É CEDO PARA DIZER
A informação pode vir a ser verdadeira. Ainda não é
EXAGERADO
A informação está no caminho correto, mas houve exagero
CONTRADITÓRIO
A informação contradiz outra difundida antes pela mesma fonte
SUBESTIMADO
Os dados são mais graves do que a informação
INSUSTENTÁVEL
Não há dados públicos que comprovem a informação
FALSO
A informação está comprovadamente incorreta
DE OLHO
Etiqueta de monitoramento
Seções
Arquivo