A PRIMEIRA AGÊNCIA DE FACT-CHECKING DO BRASIL

#Verificamos: É falso tuíte em que Freixo lamenta a morte do traficante Elias Maluco 

Repórter | Rio de Janeiro | lupa@lupa.news
23.set.2020 | 13h24 |

Circula pelas redes sociais um tuíte atribuído ao deputado federal Marcelo Freixo (PSOL-RJ) em que ele lamenta a morte do seu  “grande amigo”, o traficante Elias Maluco, em um presídio federal. De acordo com a mensagem, o parlamentar teria dito que iria cobrar uma investigação rigorosa do caso e que o seu partido providenciaria um funeral digno a “este grande líder do tráfico e da comunidade do complexo do Alemão”. Por meio do ​projeto de verificação de notícias​, usuários do Facebook solicitaram que esse material fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação da Lupa​:

“Recebi com tristeza a notícia da morte do meu grande amigo, grande ídolo, o traficante Elias Maluco. Irei cobrar uma rigorosa investigação quanto aos fatos que lavaram à sua morte numa cela de um presídio federal.
Estou sem chão. O Psol já está providenciando um funeral digno para que familiares e amigos possam prestar as última e merecidas homenagens a este grande líder do tráfico e da comunidade do complexo do Alemão.
#SomosTodosEliasMaluco”
Tuíte atribuído ao deputado federal Marcelo Freixo (PSOL-RJ) em post publicado no Facebook que, até as 13h do dia 23 de setembro, tinha sido compartilhado por 383 pessoas

FALSO

A informação analisada pela Lupa é falsa. O tuíte atribuído a Freixo é uma montagem. Além de ter erros graves de português – “lavaram à sua morte” em vez de “levaram” e falta de concordância no trecho “prestar as última e merecidas homenagens”, o texto ultrapassa o limite máximo de 280 caracteres das mensagens dessa plataforma. O suposto tuíte tem 447 caracteres, um tamanho 56% maior do que o permitido.

Não foi encontrada nenhuma manifestação do deputado federal lamentando a morte de Elias Maluco, em entrevistas ou em suas redes sociais. O corpo do criminoso foi encontrado na cela na Penitenciária Federal de Catanduvas, no Paraná, na última terça-feira (22). Os detalhes ainda são desconhecidos. O traficante cumpria pena no presídio por ter assassinado o jornalista Tim Lopes, em 2002. 

As únicas menções de Freixo a Elias Maluco no Twitter foram feitas em 2013. Na ocasião, ele usou a ação que prendeu o traficante, executada ainda em 2002, como um bom exemplo de ação policial feita com “planejamento e inteligência” e executada sem colocar os moradores da comunidade em risco. “Lembra da prisão do Nem e do Elias Maluco? Inteligência e planejamento. Nenhum morador sob risco. É isso!”, dizia uma das mensagens.

O parlamentar negou a autoria do texto nesta quarta-feira (23), em seu perfil no Twitter. Ele acusou bolsonaristas de espalharem o tuíte falso sobre Elias Maluco. Freixo disse que pediu à polícia para investigar o caso, para que os responsáveis sejam identificados e punidos. “A política NÃO deve ser feita com base em calúnia e difamação. Isso é crime”, afirmou.

Nota:‌ ‌esta‌ ‌reportagem‌ ‌faz‌ ‌parte‌ ‌do‌ ‌‌projeto‌ ‌de‌ ‌verificação‌ ‌de‌ ‌notícias‌‌ ‌no‌ ‌Facebook.‌ ‌Dúvidas‌ sobre‌ ‌o‌ ‌projeto?‌ ‌Entre‌ ‌em‌ ‌contato‌ ‌direto‌ ‌com‌ ‌o‌ ‌‌Facebook‌.

Editado por: Chico Marés

O conteúdo produzido pela Lupa é de inteira responsabilidade da agência e não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.

A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos

Esse conteúdo foi útil?

1 2 3 4 5

Você concorda com o resultado desta checagem?

Sim Não

Leia também

SIGNATORY- International Fact-Checking Network
Etiquetas
VERDADEIRO
A informação está comprovadamente correta
VERDADEIRO, MAS
A informação está correta, mas o leitor merece mais explicações
AINDA É CEDO PARA DIZER
A informação pode vir a ser verdadeira. Ainda não é
EXAGERADO
A informação está no caminho correto, mas houve exagero
CONTRADITÓRIO
A informação contradiz outra difundida antes pela mesma fonte
SUBESTIMADO
Os dados são mais graves do que a informação
INSUSTENTÁVEL
Não há dados públicos que comprovem a informação
FALSO
A informação está comprovadamente incorreta
DE OLHO
Etiqueta de monitoramento
Seções
Arquivo