A PRIMEIRA AGÊNCIA DE FACT-CHECKING DO BRASIL

Lupa na Ciência: Obesidade, hipertensão e diabetes agravam risco da Covid-19 também em jovens

Repórter (especial para a Lupa) | Rio de Janeiro | lupa@lupa.news
02.out.2020 | 12h00 |

O que você precisa saber?

– Uma pesquisa analisou mais de três mil pacientes jovens internados por Covid-19 nos Estados Unidos e indicou que um número significativo (2,7%) acabou morrendo

– Os pesquisadores identificaram que obesidade, diabetes e hipertensão são as três condições que mais impactaram na evolução negativa dos casos

– De acordo com o estudo, pacientes jovens (18 a 34 anos) que sofrem com as três comorbidades apresentaram o mesmo risco de morte ou intubação de pacientes de meia-idade (35-64) sem essas condições. 

– Em uma carta publicada após a divulgação do estudo sobre os jovens pacientes, um dos editores do periódico JAMA, Dr. Mitchell H. Katz, alertou que as novas evidências indicam que “a Covid-19 não poupa os mais jovens”, como muitos acreditavam

Um estudo publicado recentemente no Journal of the American Medical Association (JAMA) trouxe novas evidências sobre o impacto do novo coronavírus entre os jovens, e constatou que ele pode ser mais severo do que se imaginava. De acordo com a pesquisa, que analisou mais de três mil casos de pacientes entre 18 e 34 anos infectados pelo Sars-CoV-2 que necessitaram de hospitalização, um número significativo apresentou complicações graves e 2,7% deles acabaram falecendo. Os pesquisadores identificaram que três comorbidades estavam relacionadas ao aumento no risco de morte: obesidade, hipertensão e diabetes. 

Os resultados da pesquisa surpreendem e preocupam a comunidade científica, já que centros de monitoramento vêm registrando um aumento exponencial no número de jovens infectados pelo novo coronavírus em várias partes do mundo. De acordo com um relatório publicado pelo Centers for Disease Control and Prevention, dos Estados Unidos, no final de setembro, a incidência de novos casos de junho a agosto foi significativamente maior entre jovens de 20 a 29 anos do que em outras faixas etárias. Os jovens representaram mais de 20% de todos os casos confirmados no período. Na Europa o cenário é semelhante. Dados coletados de países como França, Alemanha, Espanha, Holanda e Bélgica apontam que cerca de 40% dos novos casos foram de pessoas entre 20 e 39 anos. 

Para chegar às conclusões, os pesquisadores coletaram dados de 3.222 pacientes jovens internados em 400 hospitais nos Estados Unidos entre abril e junho. Do total, 21% precisaram ser transferidos para unidade de tratamento intensivo, 10% precisaram de ventilação mecânica e 2,7% morreram (88 pacientes). Entre os que sobreviveram, 3% (99 pacientes) não puderam ser mandados para casa e tiveram que ser transferidos para outras instalações para tratamento contínuo ou reabilitação, devido às sequelas da doença, como problemas respiratórios crônicos. Como foi visto em outras faixas etárias, os homens jovens apresentaram maior risco do que as mulheres. Entre os hospitalizados, eles representaram 58%. Também foram maioria entre os que morreram ou necessitaram de ventilação mecânica: 65%.   

Os pesquisadores também concluíram que a obesidade é a comorbidade que aumenta mais o risco de morte entre os pacientes jovens. Os que tinham obesidade mórbida (quando o índice de massa corporal é de 40 ou mais) corresponderam a 41% dos que precisaram de ventilação ou morreram. A segunda foi a pressão alta: 31% dos pacientes entubados ou mortos tinham esse problema. A diabetes aparece em terceiro – 27% dos pacientes com complicações severas tinham a doença. 

De acordo com os pesquisadores, é possível concluir que jovens com obesidade mórbida ou hipertensão tinham até duas vezes mais probabilidade de necessitar ventilação ou morrer do que pacientes adultos jovens com Covid-19 sem essas condições. Os autores do estudo alertaram, ainda, que aqueles com as três comorbidades tinham o mesmo risco de morte ou intubação de pacientes de meia-idade (35 a 64 anos) sem essas condições. 

Obesidade agrava quadros em todas idades

Além de trazer dados relevantes sobre a forma como o novo coronavírus afeta os mais jovens, o estudo se somou a vários outros que alertam para os riscos que obesos correm ao serem infectados pelo SARS-Cov-2. Em agosto, uma metanálise que reuniu os resultados de vários estudos sobre o tema envolvendo milhares de pacientes, publicada na revista Obesity Reviews, estimou que pessoas obesas tinham duas vezes mais chances de serem hospitalizadas após contrair o novo coronavírus, em comparação com pessoas que não são obesas. Os motivos que levam a um aumento tão significativo no risco ainda são especulativos, mas pesquisadores acreditam que isso pode estar associado à maior chance de obesos desenvolverem disfunções respiratórias e aos processos inflamatórios crônicos causados pelo excesso de peso, que podem prejudicar a resposta imune do corpo.

Em uma carta publicada no Journal of the American Medical Association (JAMA) após a divulgação do estudo sobre os jovens pacientes, um dos editores do periódico alertou que as novas evidências indicam que “a Covid-19 não poupa os mais jovens”, como muitos acreditavam. O Dr. Mitchell H. Katz explica que, embora os adultos jovens tenham muito menos probabilidade de ficarem gravemente doentes do que os idosos, se eles chegam ao ponto de hospitalização, seus riscos são substanciais. Além disso, aponta que o alto índice de jovens obesos e hipertensos (doenças evitáveis ​​e tratáveis) identificados entre os que desenvolveram quadros graves da Covid-19 acendem um alerta para que autoridades de saúde pública aumentem os esforços em promover hábitos de vida saudáveis. Por último, Katz explica que as novas evidências reforçam o risco atrelado à Covid-19, uma doença que preocupa em pessoas de todas as idades, e lembra que as medidas de distanciamento social e uso de máscara devem ser praticadas por todos. 

Fontes:

Journal of the American Medical Association (JAMA). Artigos disponíveis em:
https://jamanetwork.com/journals/jamainternalmedicine/fullarticle/2770541
https://jamanetwork.com/journals/jamainternalmedicine/fullarticle/2770542?guestAccessKey=87e8344a-8e2f-4ca8-8e1a-95be53bbf71e&utm_source=silverchair&utm_medium=email&utm_campaign=article_alert-jamainternalmedicine&utm_content=olf&utm_term=090920

The Lancet. Artigo disponível em:
https://www.thelancet.com/pdfs/journals/lancet/PIIS0140-6736(20)31024-2.pdf

Obesity A Research Journal. Artigo disponível em:
https://onlinelibrary.wiley.com/doi/abs/10.1002/oby.22831

Obesity Reviews. Artigo disponível em:
https://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1111/obr.13128

Nota: o projeto Lupa na Ciência é uma iniciativa da Agência Lupa contra  a desinformação em torno do novo coronavírus e da Covid-19 e conta com o apoio do Google News Initiative. Para saber mais, clique aqui.

Editado por: Natália Leal e Chico Marés

O conteúdo produzido pela Lupa é de inteira responsabilidade da agência e não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.

A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos

A Lupa está infringindo esse código? Clique aqui e fale com a IFCN

 

Esse conteúdo foi útil?

1 2 3 4 5

Você concorda com o resultado desta checagem?

Sim Não

Leia também

SIGNATORY- International Fact-Checking Network
Etiquetas
VERDADEIRO
A informação está comprovadamente correta
VERDADEIRO, MAS
A informação está correta, mas o leitor merece mais explicações
AINDA É CEDO PARA DIZER
A informação pode vir a ser verdadeira. Ainda não é
EXAGERADO
A informação está no caminho correto, mas houve exagero
CONTRADITÓRIO
A informação contradiz outra difundida antes pela mesma fonte
SUBESTIMADO
Os dados são mais graves do que a informação
INSUSTENTÁVEL
Não há dados públicos que comprovem a informação
FALSO
A informação está comprovadamente incorreta
DE OLHO
Etiqueta de monitoramento
Seções
Arquivo