A PRIMEIRA AGÊNCIA DE FACT-CHECKING DO BRASIL

#Verificamos: Poema sobre ‘tempestade’ não foi escrito durante epidemia de 1800

Repórter (especial para a Lupa) | Rio de Janeiro | lupa@lupa.news
05.out.2020 | 18h03 |

Circula nas redes sociais um poema atribuído supostamente a uma escritora chamada K. O’Meara, feito durante uma epidemia em 1800. Os versos falam de como atravessar uma “tempestade” em meio ao caos e às turbulências da vida. Por meio do ​projeto de verificação de notícias​, usuários do Facebook solicitaram que esse material fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação da Lupa:

“OLHA QUE BELEZA DE POEMA ESCRITO HÁ 2 SÉCULOS: Quando a tempestade passar/ E se amansem as estradas/ E sejamos sobreviventes/ de um naufrágio coletivo. /Com o coração choroso/ e o destino abençoado/ Vamos nos sentir bem-aventurados/ Tão só por estar vivo. […] (K. O ‘ Meara – Poema escrito durante a epidemia de peste em 1800)” 

Legenda de imagem publicada no Facebook que, até as 13h do dia 05 de outubro de 2020, tinha mais de 2,4 mil compartilhamentos

FALSO

A informação analisada pela Lupa é falsa. O poema que está sendo compartilhado nas redes sociais não foi escrito por K. O’ Meara, em 1800, mas sim pelo artista cubano Alexis Valdés, durante a pandemia da Covid-19. O texto foi publicado originalmente em 21 de março deste ano, em sua conta pessoal no Instagram, com o título “Esperança” e também no site Periódico Cubano, em 28 de março. À agência AFP Factual, que fez uma checagem similar, Valdés confirmou a autoria.

O poema de Valdés também foi atribuído erroneamente a outros poetas na América Latina. No Uruguai, por exemplo, os versos de “Esperança” circularam em posts nas redes sociais com referências ao escritor Mario Benedetti. O jornal El País do Uruguai publicou uma reportagem desmentindo o boato. Na Argentina, por sua vez, a autoria do poema foi atribuída ao ator e humorista Luis Landriscina.

Na rede de televisão norte-americana de língua espanhola Telemundo, Valdés foi entrevistado para explicar o poema e disse que a inspiração veio de um momento de reflexão sobre a vida em tempos de pandemia. Em abril, com produção do músico cubano Yainer Horta, Valdés chegou a compor uma canção a partir do próprio poema.

Poema de K. O ‘ Meara

Pelas iniciais do nome, não é possível saber a qual escritora o poema que está circulando nas redes sociais faz referência. Em abril deste ano, agências de checagens de diversos lugares do mundo, a exemplo dos Estados Unidos e Espanha, desmentiram um boato de um outro poema escrito em 1800 atribuído a K. O’Meara. Os versos de “Em tempos de pandemia” eram, na verdade, da escritora Kitty O’Meara, publicados em um blog pessoal em 16 de março.

A assinatura poderia estar associada a Kathleen O’Meara, uma escritora do século 19 que usava o pdeudônimo Grace Ramsay para escrever. Entretanto, Kathleen nasceu em 1839, ou seja, não poderia ter escrito o poema no ano de 1800. Naquele ano, ocorreu ao menos um surto de febre amarela na Espanha, que durou entre 1800 e 1803.

Nota:‌ ‌esta‌ ‌reportagem‌ ‌faz‌ ‌parte‌ ‌do‌ ‌‌projeto‌ ‌de‌ ‌verificação‌ ‌de‌ ‌notícias‌‌ ‌no‌ ‌Facebook.‌ ‌Dúvidas‌ sobre‌ ‌o‌ ‌projeto?‌ ‌Entre‌ ‌em‌ ‌contato‌ ‌direto‌ ‌com‌ ‌o‌ ‌‌Facebook‌.

Editado por: Maurício Moraes

O conteúdo produzido pela Lupa é de inteira responsabilidade da agência e não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.

A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos

Esse conteúdo foi útil?

1 2 3 4 5

Você concorda com o resultado desta checagem?

Sim Não

Leia também

SIGNATORY- International Fact-Checking Network
Etiquetas
VERDADEIRO
A informação está comprovadamente correta
VERDADEIRO, MAS
A informação está correta, mas o leitor merece mais explicações
AINDA É CEDO PARA DIZER
A informação pode vir a ser verdadeira. Ainda não é
EXAGERADO
A informação está no caminho correto, mas houve exagero
CONTRADITÓRIO
A informação contradiz outra difundida antes pela mesma fonte
SUBESTIMADO
Os dados são mais graves do que a informação
INSUSTENTÁVEL
Não há dados públicos que comprovem a informação
FALSO
A informação está comprovadamente incorreta
DE OLHO
Etiqueta de monitoramento
Seções
Arquivo