Tem certeza que deseja sair da sua conta?

#Verificamos: É falso que Exército está realizando pavimentação da BR-319

Repórter | Rio de Janeiro | lupa@lupa.news
14.out.2020 | 19h52 |

Circula pelas redes sociais que o Exército está fazendo uma obra de pavimentação na BR-319, que liga Porto Velho (RO) a Manaus (AM). A publicação vem acompanhada de uma foto de uma rodovia com asfalto novo e recém-pintado, que teria custado 40% mais barato que o valor cobrado por empreiteiras. Por meio do ​projeto de verificação de notícias​, usuários do Facebook solicitaram que esse material fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação da Lupa​:

“Meu nome é Roberto. Resido em Rondônia e tenho uma empresa em Humaitá-AM. Gostaria muito que o povo brasileiro me ajudasse a divulgar o que está sendo feita pelo Exército brasileiro na BR 319, 40% mais barato que as empreiteiras. Você que gosta do Brasil ajude a divulgar”

Texto em post publicado no Facebook que, até as 17h30 de 14 de outubro de 2020, tinha mais de 15 mil compartilhamentos

FALSO

A informação analisada pela Lupa é falsa. A assessoria de imprensa do Ministério da Infraestrutura afirmou, em nota, que o post é “totalmente inverídico”. “Não há nenhuma obra na BR-319/AM sendo executada pelo Exército Brasileiro”, diz o texto. O presidente da Associação dos Amigos e Defensores da BR-319, André Marsílio Carvalho e Pinho, também disse, em áudio enviado pelo WhatsApp, que se trata de uma notícia falsa. “O Exército asfaltou a 319 nas suas extremidades, mas tem alguns anos”, afirmou. “O trecho do meio, que corresponde a 405 quilômetros, ainda não foi repavimentado.”

As únicas referências encontradas pela Lupa sobre obras realizadas pelos militares nessa estrada são antigas – ocorreram há mais de dez anos, durante o segundo mandato do governo do presidente Luiz Inácio.Lula da Silva (PT). Uma reportagem no portal Estradas, de 7 de dezembro de 2007, fala que foi autorizada a obra de restauração, melhoramento e pavimentação da BR-319, no Amazonas, como parte do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). Na época, teriam sido repassados R$ 31 milhões para execução do serviço pelo Exército. 

Em outubro de 2009, uma reportagem da BBC citou que estava em andamento da recuperação de 190 quilômetros pelo Exército, perto de Humaitá (AM), e de mais 215 quilômetros nas proximidades de Manaus. A rodovia tem 885 quilômetros. A recuperação do trecho central dependia de autorização do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama). Um parecer do órgão, de 2009, pedia que fossem realizados novos estudos de impacto ambiental.

Uma auditoria do Tribunal de Contas da União (TCU), em 2010, identificou uma série de problemas nas obras de recuperação da BR-319. As irregularidades ocorreram nos lotes 3, executado pelo 5º Batalhão de Engenharia e Construção (BEC) do Exército, e 5, feito pelo 7º BEC. De acordo com o relatório do TCU, houve problemas na qualidade do asfalto usado no lote 3 (km 763,6 a 813,6) e também sobrepreço – a espessura do asfalto foi inferior à que estava no projeto. No lote 5 (km 655,7 até o acesso a Humaitá), a empresa contratada para fazer a fiscalização não tinha estrutura para isso.

Nota:‌ ‌esta‌ ‌reportagem‌ ‌faz‌ ‌parte‌ ‌do‌ ‌‌projeto‌ ‌de‌ ‌verificação‌ ‌de‌ ‌notícias‌‌ ‌no‌ ‌Facebook.‌ ‌Dúvidas‌ sobre‌ ‌o‌ ‌projeto?‌ ‌Entre‌ ‌em‌ ‌contato‌ ‌direto‌ ‌com‌ ‌o‌ ‌‌Facebook‌.

Editado por: Chico Marés

O conteúdo produzido pela Lupa é de inteira responsabilidade da agência e não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.

A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos

A Lupa está infringindo esse código? Clique aqui e fale com a IFCN

 

Esse conteúdo foi útil?

1 2 3 4 5

Você concorda com o resultado desta checagem?

Sim Não

Leia também

SIGNATORY- International Fact-Checking Network
Etiquetas
VERDADEIRO
A informação está comprovadamente correta
VERDADEIRO, MAS
A informação está correta, mas o leitor merece mais explicações
AINDA É CEDO PARA DIZER
A informação pode vir a ser verdadeira. Ainda não é
EXAGERADO
A informação está no caminho correto, mas houve exagero
CONTRADITÓRIO
A informação contradiz outra difundida antes pela mesma fonte
SUBESTIMADO
Os dados são mais graves do que a informação
INSUSTENTÁVEL
Não há dados públicos que comprovem a informação
FALSO
A informação está comprovadamente incorreta
DE OLHO
Etiqueta de monitoramento
Seções
Arquivo