A PRIMEIRA AGÊNCIA DE FACT-CHECKING DO BRASIL

Foto: Reprodução TV Globo
Foto: Reprodução TV Globo

#Verificamos: É antiga reportagem da Globo desaconselhando uso de máscaras

Repórter (especial para a Lupa) | Rio de Janeiro | lupa@lupa.news
15.out.2020 | 16h31 |

Circula nas redes sociais uma reportagem veiculada pela TV Globo, em Brasília, que diz que o uso de máscaras só deve ser feito por pessoas doentes ou profissionais de saúde. A legenda da publicação sugere que a reportagem é recente. “A ‘Globolixo’ passou quase o ano todo divulgando que todos deveriam usar máscara e agora muda tudo?”. Por meio do ​projeto de verificação de notícias​, usuários do Facebook solicitaram que esse material fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação da Lupa:

“Como assim?? A globolixo passou quase o ano todo divulgando que todos deveriam usar máscara e agora muda tudo? O que será que está em jogo agora? Mais uma prova da TOTAL manipulação feita sobre o vírus chinês!!!! O vídeo é do DF TV”
Legenda de vídeo publicado no Facebook que, até as 15h do dia 15 de outubro de 2020, tinha mais de 380 compartilhamentos

FALSO

A informação analisada pela Lupa é falsa. O vídeo que circula nas redes sociais é de uma reportagem veiculada no Bom Dia DF, da TV Globo, em 18 de março. Naquele momento, a recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS) era de que somente pessoas infectadas e com sintomas da doença usassem máscaras – para evitar a falta de equipamento àqueles que realmente necessitavam.

Contudo, com o surgimento de evidências científicas sobre a eficácia de máscaras caseiras na redução da taxa de contágio, as recomendações mudaram. Em abril, o Ministério da Saúde passou a recomendar seu uso pela população em geral. O mesmo também passou a ser recomendado no mesmo mês pelo Centro de Prevenção e Controle de Doenças dos Estados Unidos (da sigla em inglês, CDC) e outras organizações de nível nacional.

No mesmo mês, a OMS atualizou seu guia técnico, mas não recomendou o uso de máscaras caseiras. No documento, a entidade apenas reforçou que máscaras cirúrgicas deveriam ser usadas apenas para pessoas que apresentavam sintomas e aquelas que estavam cuidando de um paciente com Covid-19, além dos profissionais de saúde.

A instituição mudou suas orientações somente em junho. No documento é dito que as máscaras caseiras devem ser usadas pelo público em geral, incluindo pessoas saudáveis, como parte de uma estratégia abrangente de medidas para suprimir a transmissão do coronavírus. Vários estudos mostraram que, embora as máscaras caseiras não sejam totalmente eficazes na disseminação do vírus, elas ajudam a reduzir significativamente a taxa de transmissão.

A OMS e outros órgãos de saúde de todo o mundo informam ainda que somente o uso de máscaras não é suficiente. Adotar medidas como lavar as mãos e evitar contato próximo com outras pessoas ajudam a diminuir a propagação do vírus.

Estudos

Um estudo publicado em julho no periódico Physics of Fluids demonstrou que as máscaras de algodão bem ajustadas, com duas ou mais camadas de tecido e em forma de cone são as mais eficazes em reduzir o alcance das partículas respiratórias. Já aquelas no estilo bandana oferecem capacidade mínima de barrar a dispersão. Em outra pesquisa publicada em junho na revista The Lancet pesquisadores canadenses revisaram 172 estudos observacionais sobre medidas protetivas realizados a partir das características do novo coronavírus e de outras doenças respiratórias, como a síndrome respiratória no Oriente Médio (MERS). Os autores indicam que o uso de máscaras, em geral, reduz em 85% o risco de infecção.

Checagem similar foi feita por Boatos.Org e Fato ou Fake.

Nota:‌ ‌esta‌ ‌reportagem‌ ‌faz‌ ‌parte‌ ‌do‌ ‌‌projeto‌ ‌de‌ ‌verificação‌ ‌de‌ ‌notícias‌‌ ‌no‌ ‌Facebook.‌ ‌Dúvidas‌ sobre‌ ‌o‌ ‌projeto?‌ ‌Entre‌ ‌em‌ ‌contato‌ ‌direto‌ ‌com‌ ‌o‌ ‌‌Facebook‌.

Editado por: Chico Marés

O conteúdo produzido pela Lupa é de inteira responsabilidade da agência e não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.

A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos

Esse conteúdo foi útil?

1 2 3 4 5

Você concorda com o resultado desta checagem?

Sim Não

Leia também

SIGNATORY- International Fact-Checking Network
Etiquetas
VERDADEIRO
A informação está comprovadamente correta
VERDADEIRO, MAS
A informação está correta, mas o leitor merece mais explicações
AINDA É CEDO PARA DIZER
A informação pode vir a ser verdadeira. Ainda não é
EXAGERADO
A informação está no caminho correto, mas houve exagero
CONTRADITÓRIO
A informação contradiz outra difundida antes pela mesma fonte
SUBESTIMADO
Os dados são mais graves do que a informação
INSUSTENTÁVEL
Não há dados públicos que comprovem a informação
FALSO
A informação está comprovadamente incorreta
DE OLHO
Etiqueta de monitoramento
Seções
Arquivo