A PRIMEIRA AGÊNCIA DE FACT-CHECKING DO BRASIL

Foto: CIJ-ICJ/UN-ONU, Capital Photos/Frank van Beek - Cortesia da Corte Internacional de Justiça. All rights reserved.
Foto: CIJ-ICJ/UN-ONU, Capital Photos/Frank van Beek - Cortesia da Corte Internacional de Justiça. All rights reserved.

#Verificamos: É falso que Índia entrou com um processo na Corte Internacional contra a China

Repórter (especial para a Lupa) | Rio de Janeiro | lupa@lupa.news
20.out.2020 | 20h25 |

Circula pelas redes sociais uma publicação que diz que o governo da Índia teria entrado com um processo no “Tribunal Internacional”, solicitando que a China pagasse multa de US$ 20 trilhões para ressarcimento dos danos provocados pelo novo coronavírus. Por meio do projeto de verificação de notícias, usuários do Facebook solicitaram que esse material fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação da Lupa:

 

Índia_China_Tribunal_Internacional_Justica

 

Índia arrasta China a Tribunal Internacional e pede indenização de U$20 trilhões por danos

Texto em post publicado no Facebook que, até as 17h de 20 de outubro de 2020, tinha mais de 1,9 mil compartilhamentos

FALSO

A informação analisada pela Lupa é falsa. Uma consulta aos processos protocolados na Corte Internacional de Justiça mostra que não há nenhuma ação em que a Índia esteja processando a China, por causa da pandemia da Covid-19 ou de qualquer motivo. Entre os casos  pendentes, também não aparece nenhum que envolva os países citados na publicação. 

Duas histórias parecem ter servido de fonte para o post que dissemina a informação falsa. Em junho, o canal Índia TV reportou que um morador de Madurai, cidade localizada no sul do país asiático, entrou com uma ação na Suprema Corte de Justiça da Índia, solicitando que a China fosse acionada na Corte Internacional. Em seu pedido, o rapaz sugeria que fosse cobrada do governo chinês uma indenização de US$ 600 bilhões por causa da disseminação do coronavírus. A Suprema Corte indiana, no entanto, rejeitou a apelação. 

O valor da indenização que aparece no post verificado pela Lupa, por sua vez, parece ter sido encontrado em uma notícia veiculada nos Estados Unidos. Em março, a CBS News informou que o ex-promotor de Justiça Larry Klayman entrou com uma queixa em um tribunal federal do Texas, pedindo que o governo chinês fosse multado em US$ 20 trilhões. A ação é assinada também pela empresa de fotografia esportiva BuzzPhotos e pelo grupo de advogados Freedom Watch, que é liderado por Klayman. No texto entregue à Justiça, o governo chinês é acusado de “imprudência” e de ter criado uma “arma biológica”. 

A Lupa também conversou com o repórter Rakesh Reddy Dubbudu, da plataforma de fact-checking indiana Boom. Dubbudu informou que não foi reportada pela imprensa local qualquer iniciativa do governo da Índia que tivesse como objetivo levar a China para o tribunal internacional. Ele também encaminhou uma reportagem que foi publicada pelo portal de notícias Business Today, da Índia, que falava sobre o processo movido por Klayman.

Nota:‌ ‌esta‌ ‌reportagem‌ ‌faz‌ ‌parte‌ ‌do‌ ‌‌projeto‌ ‌de‌ ‌verificação‌ ‌de‌ ‌notícias‌‌ ‌no‌ ‌Facebook.‌ ‌Dúvidas‌ sobre‌ ‌o‌ ‌projeto?‌ ‌Entre‌ ‌em‌ ‌contato‌ ‌direto‌ ‌com‌ ‌o‌ ‌‌Facebook‌.

Editado por: Maurício Moraes

O conteúdo produzido pela Lupa é de inteira responsabilidade da agência e não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.

A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos

Esse conteúdo foi útil?

1 2 3 4 5

Você concorda com o resultado desta checagem?

Sim Não

Leia também

SIGNATORY- International Fact-Checking Network
Etiquetas
VERDADEIRO
A informação está comprovadamente correta
VERDADEIRO, MAS
A informação está correta, mas o leitor merece mais explicações
AINDA É CEDO PARA DIZER
A informação pode vir a ser verdadeira. Ainda não é
EXAGERADO
A informação está no caminho correto, mas houve exagero
CONTRADITÓRIO
A informação contradiz outra difundida antes pela mesma fonte
SUBESTIMADO
Os dados são mais graves do que a informação
INSUSTENTÁVEL
Não há dados públicos que comprovem a informação
FALSO
A informação está comprovadamente incorreta
DE OLHO
Etiqueta de monitoramento
Seções
Arquivo