Tem certeza que deseja sair da sua conta?

Vitória: João Coser cita proposta que não está em seu programa de governo

| Rio de Janeiro | lupa@lupa.news
06.nov.2020 | 10h00 |

O candidato à prefeitura de Vitória João Coser (PT) ocupa a primeira posição na pesquisa de intenção de voto divulgada pelo Ibope em 13 de outubro de 2020, empatado com Fabrício Gandini (Cidadania). Em entrevistas, Coser pontua sua propostas para o município e relembra feitos como prefeito da capital. A Lupa analisou algumas de suas declarações. A checagem faz parte do projeto Democracia Digital, no qual jornalistas de todas as capitais do Brasil verificam discursos dos quatro candidatos melhores colocados nas pesquisas de intenção de voto em 2020.

Fabrício Gandini (Cidadania), que está empatado na primeira posição com João Coser, também teve falas checadas e publicadas em 6 de outubro. Neuzinha de Oliveira (PSDB), terceira colocada na disputa, e Lorenzo Pazolini (Republicanos), segundo colocado, também tiveram falas analisadas, e o resultado dessas verificações foi publicado em 28 de outubro e 30 de outubro, respectivamente.

Confira o grau de veracidade do que disse João Coser: 

“No meu programa, nós estamos discutindo uma ideia que é fazer uma integração do sistema de câmeras de monitoramento da cidade com o sistema privado”
João Coser (PT), candidato a prefeito de Vitória, em entrevista à Televisão Educativa do Espírito Santo em 13 de outubro de 2020

FALSO

Nas 26 páginas da proposta de governo de João Coser, registrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), não há menção da integração dos sistemas público e privado de câmeras de monitoramento.

O capítulo do programa destinado à segurança pública, intitulado “Vitória da paz” (página 15), aborda a integração de forma abrangente, pontuando apenas que deve estar, junto à intersetorialidade, associada às políticas de desenvolvimento urbano. No mesmo capítulo, ações e investimentos tecnológicos são citados apenas duas vezes, sem especificações. Em nenhuma parte do texto a palavra “câmera” está presente.

Procurada, a assessoria do candidato informou, pelo WhatsApp, que o plano de governo não foi elaborado pensando em expor projetos e metas. “Durante o debate, o candidato apenas demonstrou de forma mais concreta o tipo de tecnologia que pode ser implementada na área de segurança, visando a dar maior agilidade ao trabalho da Guarda Municipal.”


“[Quando foi prefeito de Vitória] fizemos um convênio com as Bandas de Congo”
João Coser (PT), candidato a prefeito de Vitória, em entrevista ao Folha Vitória em 15 de outubro de 2020

VERDADEIRO

Em agosto de 2005, a prefeitura de Vitória e a Associação de Folclore de Vitória, que representa as bandas de congo Panela de Barro, Viramundo e Amores da Lua, assinaram um convênio visando à preservação e ao incentivo do grupo no município.

Com vigência até 31 de dezembro do mesmo ano, os R$ 50 mil destinados ao acordo são autorizados pela lei 5.571 de 2002, que autoriza a criação de convênios e repasse de recursos à Associação de Bandas de Congo de Vitória.


“A rede [escolar pública] é grande, são 100 unidades”
João Coser (PT), candidato a prefeito de Vitória, em entrevista ao Gazeta Online em 21 de outubro de 2020

VERDADEIRO

Segundo dados da Secretaria de Educação (Seme), Vitória possui 49 centros municipais de Educação Infantil (CMEI) e 52 escolas municipais de Ensino Fundamental (EMEF). São, portanto, 101 escolas aos cuidados da prefeitura. As mesmas unidades também atendem demandas da Educação Especial e da Educação de Jovens e Adultos (EJA). 


“Se você lembrar, a [avenida] Fernando Ferrari e a Ponte da Passagem (…) eram apenas duas vias, (…) eu fiz três”
João Coser (PT), candidato a prefeito de Vitória, em entrevista ao Gazeta Online em 21 de outubro de 2020

VERDADEIRO, MAS

O candidato João Coser foi prefeito de Vitória por dois mandatos, ocupando o cargo de 2005 a 2012. A ampliação da Avenida Fernando Ferrari foi anunciada em 2004. No entanto, as alterações estruturais na via começaram apenas três anos depois, devido aos atrasos nas desapropriações de imóveis do local.

Em fevereiro de 2013, seis anos depois e um ano após Coser ter saído da prefeitura, a população capixaba pode usufruir das três pistas, em cada lado, da avenida. Apesar de a obra ter começado durante o mandato do candidato, a ampliação da via já era prevista desde maio de 2002 ― com a assinatura da ordem de serviço realizada pelo prefeito da época, Luiz Paulo Vellozo Lucas (PSDB).

No dia 13 de abril de 2007, conforme publicado no Diário Oficial do Espiríto Santo, o governador Paulo Hartung e João Coser, então prefeito de Vitória, assinaram a ordem de serviço autorizando as obras da Ponte da Passagem, que começaram no final do mesmo ano. Entre as principais mudanças previstas para a ponte estava a ampliação das vias, passando de duas para três em cada lado.

A obra também sofreu atrasos e foi entregue à população em agosto de 2009 ― segundo informações publicadas pela imprensa da época.

Nota da redação: O projeto Democracia Digital é uma iniciativa da Lupa, do Instituto de Tecnologia & Equidade (IT&E) e do Movimento de Combate à Corrupção Eleitoral, com apoio do WhastApp e dos Tribunais Regionais Eleitorais de todo o Brasil. As checagens produzidas são distribuídas gratuitamente a rádios universitárias do país, com apoio do Instituto Brasileiro de Ensino, Desenvolvimento e Pesquisa (IDP).

Editado por: Marcela Duarte

O conteúdo produzido pela Lupa é de inteira responsabilidade da agência e não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.

A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos

A Lupa está infringindo esse código? Clique aqui e fale com a IFCN

 

Esse conteúdo foi útil?

1 2 3 4 5

Você concorda com o resultado desta checagem?

Sim Não

Leia também

SIGNATORY- International Fact-Checking Network
Etiquetas
VERDADEIRO
A informação está comprovadamente correta
VERDADEIRO, MAS
A informação está correta, mas o leitor merece mais explicações
AINDA É CEDO PARA DIZER
A informação pode vir a ser verdadeira. Ainda não é
EXAGERADO
A informação está no caminho correto, mas houve exagero
CONTRADITÓRIO
A informação contradiz outra difundida antes pela mesma fonte
SUBESTIMADO
Os dados são mais graves do que a informação
INSUSTENTÁVEL
Não há dados públicos que comprovem a informação
FALSO
A informação está comprovadamente incorreta
DE OLHO
Etiqueta de monitoramento
Seções
Arquivo