Tem certeza que deseja sair da sua conta?
Foto: Valter Campanato/Agência Brasil
Foto: Valter Campanato/Agência Brasil

#Verificamos: Palocci não disse que urnas eletrônicas foram trazidas para o Brasil para favorecer partidos de esquerda

Repórter (especial para a Lupa) | Rio de Janeiro | lupa@lupa.news
23.nov.2020 | 22h41 |

Circula nas redes sociais que o ex-ministro da Fazenda Antonio Palocci disse, em depoimento, que as urnas eletrônicas foram trazidas para o Brasil “com o objetivo de fraudar as eleições em benefício dos partidos de esquerda”. Por meio do ​projeto de verificação de notícias​, usuários do Facebook solicitaram que esse material fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação da Lupa:

“Nós trouxemos doutor, as urnas eletrônicas para o Brasil. Com objetivo de fraudar as eleições em benefício, de todos os partidos de esquerda”

Frase atribuída ao ex-ministro Antonio Palocci em montagem publicada no Facebook que, até as 21h do dia 23 de novembro de 2020, tinha 240 compartilhamentos. 

FALSO

A informação analisada pela Lupa é falsa. Não há no termo de delação do ex-ministro da Fazenda Antonio Palocci qualquer referência a possíveis fraudes a urnas eletrônicas. Tampouco há qualquer referência a fraudes às urnas nos anexos da delação, publicados pelo jornal O Estado de S.Paulo em 2019. Esse documento lista 39 depoimentos dados pelo ex-ministro às autoridades.

As urnas eletrônicas não foram implementadas nos governos do PT, do qual Palocci fez parte. O equipamento começou a ser usado ainda nas eleições de 1996. Na época, o presidente era Fernando Henrique Cardoso (PSDB). O PT, na época, fazia oposição. Palocci foi nomeado ministro da Fazenda em 2003, pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, sendo exonerado em 2006. Ele voltou à Esplanada, como ministro-chefe da Casa Civil em 2011, na gestão de Dilma Rousseff (PT). Contudo, deixou o cargo poucos meses depois.

 A Lupa já checou outra peça de desinformação com conteúdo semelhante e que circulou pelas redes sociais em outubro de 2018, durante a eleição presidencial. 

Nota:‌ ‌esta‌ ‌reportagem‌ ‌faz‌ ‌parte‌ ‌do‌ ‌‌projeto‌ ‌de‌ ‌verificação‌ ‌de‌ ‌notícias‌‌ ‌no‌ ‌Facebook.‌ ‌Dúvidas‌ sobre‌ ‌o‌ ‌projeto?‌ ‌Entre‌ ‌em‌ ‌contato‌ ‌direto‌ ‌com‌ ‌o‌ ‌‌Facebook‌.

Editado por: Chico Marés

O conteúdo produzido pela Lupa é de inteira responsabilidade da agência e não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.

A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos

A Lupa está infringindo esse código? Clique aqui e fale com a IFCN

 

Esse conteúdo foi útil?

1 2 3 4 5

Você concorda com o resultado desta checagem?

Sim Não

Leia também

SIGNATORY- International Fact-Checking Network
Etiquetas
VERDADEIRO
A informação está comprovadamente correta
VERDADEIRO, MAS
A informação está correta, mas o leitor merece mais explicações
AINDA É CEDO PARA DIZER
A informação pode vir a ser verdadeira. Ainda não é
EXAGERADO
A informação está no caminho correto, mas houve exagero
CONTRADITÓRIO
A informação contradiz outra difundida antes pela mesma fonte
SUBESTIMADO
Os dados são mais graves do que a informação
INSUSTENTÁVEL
Não há dados públicos que comprovem a informação
FALSO
A informação está comprovadamente incorreta
DE OLHO
Etiqueta de monitoramento
Seções
Arquivo