A PRIMEIRA AGÊNCIA DE FACT-CHECKING DO BRASIL

Tem certeza que deseja sair da sua conta?
Foto: Valter Campanato/Agência Brasil
Foto: Valter Campanato/Agência Brasil

#Verificamos: Carta que conclama exército contra STF não foi escrita por ministro-chefe da Casa Civil

Repórter (especial para a Lupa) | Rio de Janeiro | lupa@lupa.news
01.dez.2020 | 16h16 |

Circula nas redes sociais uma “carta” supostamente publicada em um site de acesso restrito do Exército pelo ministro-chefe da Casa Civil, general Walter Braga Netto. O texto acusa o  Supremo Tribunal Federal (STF) de promover uma “ditadura”, e conclama militares a agir contra a corte. Por meio do ​projeto de verificação de notícias​, usuários do Facebook solicitaram que esse material fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação da Lupa:

carta-falsa-braga-netto-general-pimentel-stf

“E AGORA CABEÇAO?*

Vai mandar prender o General Walter Braga Netto? 

*CARTA BOMBÁSTICA POSTADA NO “BRASIL PELO EXARNET”, BLOG FECHADO DO EXÉRCITO”

Trecho de publicação no Facebook, que até o dia 30 de novembro de 2020, às 20h58, tinha 2 mil compartilhamentos. 

FALSO

A informação analisada pela Lupa é falsa. A carta que circula nas redes sociais não foi escrita pelo ministro-chefe da Casa Civil, general Walter Braga Netto. Em nota, a Casa Civil informou que o texto não é de autoria do ministro, e declarou que solicitará a retirada de seu nome da publicação.

A “carta bombástica” é um texto que circula desde, pelo menos, abril de 2019. O texto critica a atuação de ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), sem citar nomes, acusando-os de “censuras a liberdade de imprensa”. Na mesma época em que o texto começou a circular, o STF abriu inquérito para investigar ameaças contra a corte. A suposta “carta” também faz apologia à ditadura militar.

Originalmente, o texto era “assinado” pelo “general de brigada” Gilberto Pimentel, presidente do Clube Militar. Contudo, Pimentel foi para a reserva como general de divisão, posto hierarquicamente superior. Ele também não presidia o Clube Militar em 2019 ou atualmente. O general exerceu esse cargo até 2018. Na versão que circula atualmente, a “assinatura” de Pimentel ainda aparece no final do texto.

Em nota, a assessoria de imprensa do Clube Militar reiterou que a carta não tem relação com seus membros e informou que seus conteúdos são publicados na seção de “Notícias e Artigos”, disponível em seu site oficial . Em abril, o Clube também negou, para o Estadão Verifica, que a carta seja de Pimentel e explicou que o militar já não está mais à frente da presidência do clube, atualmente presidido pelo general de divisão Eduardo José Barbosa.

Por fim, a Exarnet não é um “blog fechado do Exército”, e sim um site usado para a apresentação de reservistas online, que não conta com espaço para blog.

As versões que circularam anteriormente foram checadas pelo Estadão Verifica, Boatos.org e CNN Brasil

Nota:‌ ‌esta‌ ‌reportagem‌ ‌faz‌ ‌parte‌ ‌do‌ ‌‌projeto‌ ‌de‌ ‌verificação‌ ‌de‌ ‌notícias‌‌ ‌no‌ ‌Facebook.‌ ‌Dúvidas‌ sobre‌ ‌o‌ ‌projeto?‌ ‌Entre‌ ‌em‌ ‌contato‌ ‌direto‌ ‌com‌ ‌o‌ ‌‌Facebook‌.

Editado por: Chico Marés

O conteúdo produzido pela Lupa é de inteira responsabilidade da agência e não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.

A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos

A Lupa está infringindo esse código? Clique aqui e fale com a IFCN

 

Esse conteúdo foi útil?

1 2 3 4 5

Você concorda com o resultado desta checagem?

Sim Não

Leia também

SIGNATORY- International Fact-Checking Network
Etiquetas
VERDADEIRO
A informação está comprovadamente correta
VERDADEIRO, MAS
A informação está correta, mas o leitor merece mais explicações
AINDA É CEDO PARA DIZER
A informação pode vir a ser verdadeira. Ainda não é
EXAGERADO
A informação está no caminho correto, mas houve exagero
CONTRADITÓRIO
A informação contradiz outra difundida antes pela mesma fonte
SUBESTIMADO
Os dados são mais graves do que a informação
INSUSTENTÁVEL
Não há dados públicos que comprovem a informação
FALSO
A informação está comprovadamente incorreta
DE OLHO
Etiqueta de monitoramento
Seções
Arquivo