A PRIMEIRA AGÊNCIA DE FACT-CHECKING DO BRASIL

Tem certeza que deseja sair da sua conta?

Editorial: Apontaremos mentiras quando as virmos

| Rio de Janeiro | lupa@lupa.news
15.jan.2021 | 21h25 |

“Mentira” é “afirmação contrária à verdade a fim de induzir a erro”. Também pode ser “ideia, opinião, juízo falso ou equivocado”. A intenção de enganar, no entanto, sempre está lá.

Até esta sexta-feira, “mentira” não era um termo que apareceria em títulos e textos da Agência Lupa, por mais que os erros flagrados por nossos checadores na boca de personalidades pudessem se assemelhar com uma mentira. Decidimos mudar.

Desde 2015, quando a Lupa foi fundada, aplicamos uma metodologia de trabalho própria que se baseia nas melhores práticas de fact-checking vistas em todo o mundo. Tanto é que a qualidade e a imparcialidade do nosso trabalho já foram reconhecidas pela International Fact-Checking Network três vezes seguidas.

Nossa metodologia estabelece que, ao identificar um conteúdo viral falso, não julguemos a intenção de quem o divulgou. Devemos analisar a informação à luz de dados públicos, informações oficiais, textos de lei e fatos históricos. E, em seguida, etiquetar o conteúdo avaliado segundo seu grau de veracidade.

Nossa metodologia também prevê que as verificações devem ser objetivas e sempre ter espaço para que os indivíduos ou entidades checados possam apresentar suas explicações a respeito da conclusão da nossa equipe.

Na Lupa, partimos da premissa de que autoridades e políticos com mandato buscam reger suas vidas públicas pelo bem servir à sociedade e, portanto, são merecedores de um voto de confiança toda vez que têm suas falas analisadas. 

Parece-nos incorreto pensar que algum desses atores públicos desinforma com dolo, intencionalmente. Custa-nos acreditar que agiriam em desfavor da sociedade.

Até esta sexta-feira, portanto, ao classificar uma fala como falsa, nós, na Lupa, jamais havíamos afirmado que alguém mentira. Mas o ano e a realidade pandêmica nos obrigam a reavaliar esta posição.

Após 10 meses de luta contra a Covid-19 e de perdas valiosas, parece-nos impossível acreditar que as informações falsas que circulam sobre o assunto no país estejam sendo proferidas sem intencionalidade por homens e mulheres que estão no poder.

A overdose de notícias e de checagens sobre o assunto nos permite dizer que, em território nacional, há — sim — quem minta deliberadamente sobre a pandemia e seus efeitos e que é hora de falar claramente sobre isso.

De forma sucessiva, nossa equipe já expôs erros e já classificou como “falsas” diversas frases que seguem sendo repetidas por indivíduos e grupos que sabem que foram alvo de verificações e se recusam a corrigir suas falas. 

O que nossa equipe mais lamenta, entretanto, é a possibilidade real de que essas mentiras estejam embasando políticas públicas— o que nos trataria consequências ainda mais nefastas do que a morte de 208 mil pessoas.

Em checagem publicada hoje na Folha de S.Paulo, usamos o verbo mentir pela primeira vez. E o fizemos de forma consciente, com o apoio da publicação. Essa terminologia não está, porém, reservada a nenhuma autoridade. 

Com base em nossos princípios éticos e em nossa metodologia, nos sentimos livres para, daqui para a frente, apontar mentiras quando as virmos.

O conteúdo produzido pela Lupa é de inteira responsabilidade da agência e não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.

A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos

A Lupa está infringindo esse código? Clique aqui e fale com a IFCN

 

Esse conteúdo foi útil?

1 2 3 4 5

Você concorda com o resultado desta checagem?

Sim Não

Leia também

SIGNATORY- International Fact-Checking Network
Etiquetas
VERDADEIRO
A informação está comprovadamente correta
VERDADEIRO, MAS
A informação está correta, mas o leitor merece mais explicações
AINDA É CEDO PARA DIZER
A informação pode vir a ser verdadeira. Ainda não é
EXAGERADO
A informação está no caminho correto, mas houve exagero
CONTRADITÓRIO
A informação contradiz outra difundida antes pela mesma fonte
SUBESTIMADO
Os dados são mais graves do que a informação
INSUSTENTÁVEL
Não há dados públicos que comprovem a informação
FALSO
A informação está comprovadamente incorreta
DE OLHO
Etiqueta de monitoramento
Seções
Arquivo