A PRIMEIRA AGÊNCIA DE FACT-CHECKING DO BRASIL

Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

#Verificamos: Enfermeira vacinada em SP tinha recebido placebo em testes da Coronavac

Editor | Rio de Janeiro | lupa@lupa.news
18.jan.2021 | 10h06 |

Circula nas redes sociais que Mônica Calazans, enfermeira que recebeu a primeira dose da vacina Coronavac após aprovação pela Anvisa, tinha participado dos estudos do imunizante, e, portanto, já estava imunizada. Por meio do ​projeto de verificação de notícias​, usuários do Facebook solicitaram que esse material fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação da Lupa:

“Por quê (sic) Mônica Calazans tomou a ‘primeira vacina’ se teoricamente ela já estava imunizada por ter participado dos estudos da vacina experimental do Butantan?”
Imagem publicada no Facebook que, até as 9h do dia 18 de janeiro de 2021, tinha sido compartilhada por mais de 400 pessoas

FALSO

A informação analisada pela Lupa é falsa. A enfermeira Mônica Calanzans não havia sido imunizada durante os testes da Coronavac. Ela, de fato, participou como voluntária da terceira fase de estudos clínicos da vacina, mas não recebeu o imunizante naquele momento. Calazans fazia parte do grupo controle — que recebe placebo. 

Em qualquer estudo duplo-cego randomizado, um grupo de pacientes recebe o medicamento que está sendo testado e outro, chamado de grupo de controle, recebe um placebo. Nem os médicos, nem os pacientes sabem quem está em qual grupo até o fim da pesquisa. 

Com a conclusão dos testes, os pesquisadores souberam que Mônica havia recebido placebo, e ela, portanto, pôde ser a primeira pessoa imunizada contra a Covid-19 no Brasil pela vacina desenvolvida pelo Instituto Butantan e a chinesa Sinovac.

Nota:‌ ‌esta‌ ‌reportagem‌ ‌faz‌ ‌parte‌ ‌do‌ ‌‌projeto‌ ‌de‌ ‌verificação‌ ‌de‌ ‌notícias‌‌ ‌no‌ ‌Facebook.‌ ‌Dúvidas‌ sobre‌ ‌o‌ ‌projeto?‌ ‌Entre‌ ‌em‌ ‌contato‌ ‌direto‌ ‌com‌ ‌o‌ ‌‌Facebook‌.

Editado por: Natália Leal

O conteúdo produzido pela Lupa é de inteira responsabilidade da agência e não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.

A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos

A Lupa está infringindo esse código? Clique aqui e fale com a IFCN

 

Esse conteúdo foi útil?

1 2 3 4 5

Você concorda com o resultado desta checagem?

Sim Não

Leia também

SIGNATORY- International Fact-Checking Network
Etiquetas
VERDADEIRO
A informação está comprovadamente correta
VERDADEIRO, MAS
A informação está correta, mas o leitor merece mais explicações
AINDA É CEDO PARA DIZER
A informação pode vir a ser verdadeira. Ainda não é
EXAGERADO
A informação está no caminho correto, mas houve exagero
CONTRADITÓRIO
A informação contradiz outra difundida antes pela mesma fonte
SUBESTIMADO
Os dados são mais graves do que a informação
INSUSTENTÁVEL
Não há dados públicos que comprovem a informação
FALSO
A informação está comprovadamente incorreta
DE OLHO
Etiqueta de monitoramento
Seções
Arquivo