A PRIMEIRA AGÊNCIA DE FACT-CHECKING DO BRASIL

#Verificamos: Artigo removido da revista The Lancet não prova eficácia da hidroxicloroquina contra Covid-19

Repórter | Rio de Janeiro | lupa@lupa.news
25.jan.2021 | 18h20 |

Circula pelas redes sociais uma imagem de uma reportagem que informa que a revista científica The Lancet publicou uma retratação que anula a validade dos estudos comprovando que a cloroquina e a hidroxicloroquina são ineficazes no combate a Covid-19. Por meio do ​projeto de verificação de notícias​, usuários do Facebook solicitaram que esse material fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação da Lupa:

“Cientistas pedem desculpas por erro”
Legenda de imagem  que, até às 13h do dia 25 de janeiro de 2021, tinha sido compartilhado por 3 mil pessoas no Facebook

VERDADEIRO, MAS

A informação analisada pela Lupa é verdadeira, mas é de junho de 2020, e não prova a eficácia da hidroxicloroquina contra a Covid-19. Após a publicação e posterior remoção de artigo publicado na revista The Lancet, citado na reportagem que aparece na captura de tela, diversos outros ensaios clínicos randomizados e duplo-cegos foram publicados demonstrando a ineficácia do medicamento.

Em maio de 2020, a revista científica The Lancet publicou um estudo mostrando que o uso da cloroquina e a hidroxicloroquina no tratamento do novo coronavírus poderia ser perigoso para os pacientes infectados pelo vírus. A pesquisa foi feita a partir de dados de 96 mil pessoas que contraíram a doença e foram tratadas com o medicamento. 

Contudo, a integridade das bases de dados foi questionada por outros especialistas. Reportagem do jornal The Guardian também mostrou informações inconsistentes. O número de mortes registradas na Austrália, por exemplo, era inferior ao citado na base. Por causa disso, o estudo foi removido da The Lancet em 4 de junho, que publicou uma nota de retratação

O fato de o artigo ter sido alvo de retratação e remoção não significa, contudo, que a hidroxicloroquina é eficaz no combate à Covid-19. Após essa polêmica, vários ensaios clínicos, randomizados e duplo-cegos, com o medicamento foram concluídos, e todos eles apontam que a droga é ineficaz no tratamento da doença.

Um estudo publicado na Annals of Internal Medicine e outro no New England Journal of Medicine (NEJM) mostraram que o medicamento não é capaz de reduzir o número de internações em casos leves ou moderados da doença. Este último foi realizado por pesquisadores brasileiros. Outra pesquisa, também publicada no NEJM, mostrou que a droga também não é eficaz na profilaxia. Ou seja, de acordo com esses ensaios, o remédio não serve como “tratamento precoce”.

A hidroxicloroquina também foi considerada ineficaz como tratamento de casos graves da Covid-19 dentro do Recovery Trials, projeto da Universidade de Oxford para encontrar tratamentos contra a Covid-19. A pesquisa foi publicada no NEJM em novembro.

É importante notar que todas as pesquisas citadas são ensaios clínicos, randomizados e duplo-cegos, metodologia mais adequada para o teste de medicamentos. A pesquisa publicada e depois removida pelo The Lancet não era um ensaio, e sim uma análise feita a partir de bases de dados externas.

Nota:‌ ‌esta‌ ‌reportagem‌ ‌faz‌ ‌parte‌ ‌do‌ ‌‌projeto‌ ‌de‌ ‌verificação‌ ‌de‌ ‌notícias‌‌ ‌no‌ ‌Facebook.‌ ‌Dúvidas‌ sobre‌ ‌o‌ ‌projeto?‌ ‌Entre‌ ‌em‌ ‌contato‌ ‌direto‌ ‌com‌ ‌o‌ ‌‌Facebook‌.

Editado por: Chico Marés

O conteúdo produzido pela Lupa é de inteira responsabilidade da agência e não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.

A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos

A Lupa está infringindo esse código? Clique aqui e fale com a IFCN

 

Esse conteúdo foi útil?

1 2 3 4 5

Você concorda com o resultado desta checagem?

Sim Não

Leia também

SIGNATORY- International Fact-Checking Network
Etiquetas
VERDADEIRO
A informação está comprovadamente correta
VERDADEIRO, MAS
A informação está correta, mas o leitor merece mais explicações
AINDA É CEDO PARA DIZER
A informação pode vir a ser verdadeira. Ainda não é
EXAGERADO
A informação está no caminho correto, mas houve exagero
CONTRADITÓRIO
A informação contradiz outra difundida antes pela mesma fonte
SUBESTIMADO
Os dados são mais graves do que a informação
INSUSTENTÁVEL
Não há dados públicos que comprovem a informação
FALSO
A informação está comprovadamente incorreta
DE OLHO
Etiqueta de monitoramento
Seções
Arquivo