A PRIMEIRA AGÊNCIA DE FACT-CHECKING DO BRASIL

Foto: Reprodução Vídeo
Foto: Reprodução Vídeo

#Verificamos: É falso que enfermeira simulou aplicação de vacina em Presidente Figueiredo (AM)

Repórter (especial para a Lupa) | Rio de Janeiro | lupa@lupa.news
27.jan.2021 | 13h41 |

Circula nas redes sociais um vídeo da primeira pessoa a receber a vacina da Covid-19 no município de Presidente Figueiredo (AM). O post sugere que a aplicação do imunizante foi encenada, já que nas imagens não é possível ver a agulha, tampouco o enfermeiro pressionando o êmbolo da seringa. Por meio do ​projeto de verificação de notícias​, usuários do Facebook solicitaram que esse material fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação da Lupa:

“Vou deixar vocês assistirem o vídeo e depois comentem. Eu não sei mais o que dizer”
Legenda de post publicado no Instagram que, até as 16h de 26 de janeiro de 2021, tinha mais de 700 visualizações

FALSO

A informação analisada pela Lupa é falsa. O vídeo foi editado, e mostra só um trecho do procedimento. Cópias completas dessa gravação mostram que, primeiro, a paciente recebe a vacina. É possível ver, no vídeo, a agulha entrando na pele e o êmbolo sendo pressionado pelo enfermeiro. Logo depois, a cena é repetida. Como o espaço em que a enfermeira foi vacinada era pequeno e restrito, alguns veículos de comunicação pediram para que houvesse uma simulação para fins de registros fotográficos. O trecho que está circulando nas redes sociais mostra apenas este momento.

A primeira pessoa a receber a vacina da Covid-19 no município de Presidente Figueiredo (AM) foi a enfermeira Aline Moura, em 19 de janeiro. Em sua conta no Instagram, a profissional publicou o vídeo completo, no qual é possível perceber que, de fato, a aplicação da vacina ocorreu. “Pra quem anda falando besteiras, tá aqui! Sou uma profissional de respeito, não brinco com coisa séria”, escreveu a enfermeira no post. O fato chegou a ser noticiado em diversos veículos locais (confira aqui, aqui e aqui).

O jornalista Bosco Cordeiro, do Portal do Urubui, esteve no local e confirmou, por telefone, que os próprios fotógrafos solicitaram que a aplicação fosse simulada para fins de registro. Também por mensagem, a enfermeira Aline Moura confirmou que foi um pedido da imprensa para repetir a cena.

Não é a primeira vez que a Lupa verifica fotos e vídeos de aplicação de vacinas retirados de contexto para divulgar teorias da conspiração sobre imunizantes contra a Covid-19. Em julho, uma situação idêntica foi usada para sugerir que a vacina Coronavac, na época, em testes, seria uma “farsa”. Já em dezembro, circulou nas redes sociais uma foto que mostrava um senhor de idade supostamente recebendo uma injeção sem levantar as mangas da camisa. Na legenda, era dito que isso “provava” que a vacinação contra Covid-19 no Reino Unido era uma “farsa”. Os boatos foram desmentidos.

Nota:‌ ‌esta‌ ‌reportagem‌ ‌faz‌ ‌parte‌ ‌do‌ ‌‌projeto‌ ‌de‌ ‌verificação‌ ‌de‌ ‌notícias‌‌ ‌no‌ ‌Facebook.‌ ‌Dúvidas‌ sobre‌ ‌o‌ ‌projeto?‌ ‌Entre‌ ‌em‌ ‌contato‌ ‌direto‌ ‌com‌ ‌o‌ ‌‌Facebook‌.

Editado por: Chico Marés

O conteúdo produzido pela Lupa é de inteira responsabilidade da agência e não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.

A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos

A Lupa está infringindo esse código? Clique aqui e fale com a IFCN

 

Esse conteúdo foi útil?

1 2 3 4 5

Você concorda com o resultado desta checagem?

Sim Não

Leia também

SIGNATORY- International Fact-Checking Network
Etiquetas
VERDADEIRO
A informação está comprovadamente correta
VERDADEIRO, MAS
A informação está correta, mas o leitor merece mais explicações
AINDA É CEDO PARA DIZER
A informação pode vir a ser verdadeira. Ainda não é
EXAGERADO
A informação está no caminho correto, mas houve exagero
CONTRADITÓRIO
A informação contradiz outra difundida antes pela mesma fonte
SUBESTIMADO
Os dados são mais graves do que a informação
INSUSTENTÁVEL
Não há dados públicos que comprovem a informação
FALSO
A informação está comprovadamente incorreta
DE OLHO
Etiqueta de monitoramento
Seções
Arquivo