A PRIMEIRA AGÊNCIA DE FACT-CHECKING DO BRASIL

#Verificamos: É falso que a população de Portugal está confinada desde o começo da pandemia

Repórter (especial para a Lupa) | Rio de Janeiro | lupa@lupa.news
03.fev.2021 | 13h37 |

Uma nota publicada em um jornal de Santa Catarina afirma que as medidas de confinamento para combater a pandemia do novo coronavírus em Portugal deram errado. De acordo com o texto, publicado pelo colunista Cacau Menezes no jornal Notícias do Dia, de Florianópolis (SC), o país europeu mantém uma política de isolamento desde o começo da pandemia, ou seja, desde março de 2020. Embora tenha tido êxito no ano passado, em janeiro de 2021 Portugal passou a ser o pior país em número de casos de Covid-19 na Europa, proporcionalmente. A Lupa verificou essa informação, confira:

“Deu errado

Confinados desde o início da pandemia [os portugueses] (…)”

Nota publicada pelo colunista Cacau Menezes, do jornal Notícias do Dia, em 2 de fevereiro de 2021

FALSO

A informação analisada pela Lupa é falsa. Embora Portugal tenha adotado medidas rigorosas de isolamento social em janeiro, parecidas com as estabelecidas em março e abril do ano passado, não é verdade que a população portuguesa esteja confinada desde o começo da pandemia, ou seja, desde março do ano passado. O país declarou estado de emergência em 18 de março de 2020, quando foi publicado o primeiro decreto para conter a disseminação do novo coronavírus, incluindo a suspensão de atividades letivas e a proibição da permanência em via pública sem necessidade comprovada. Essa medida foi renovada duas vezes, em 2 de abril e depois em 17 de abril. A partir de 1º de maio, o governo local flexibilizou as regras, mas manteve a obrigatoriedade do uso de máscara e medição da temperatura, por exemplo.

Em razão dessa estratégia, em abril Portugal foi considerado o país europeu que melhor enfrentou a pandemia. Entretanto, diante de uma nova onda de contágio pelo vírus a partir de outubro, o país voltou a decretar estado de emergência em 6 de novembro. Nessa data, o governo impôs aos portugueses restrições sanitárias parciais, com proibição de circulação e toque de recolher nos municípios com nível mais elevado de risco.

O isolamento parcial foi renovado até 23 de dezembro, quando voltou a ser flexibilizado para o Natal. Diferentemente do que sugere a nota, esse afrouxamento das medidas de restrição nos dias 25 e 26 de dezembro foi visto por especialistas como uma das causas do aumento de casos de Covid-19 em janeiro. Esse aumento, por sua vez, motivou a adoção, por parte do governo, de um confinamento total e similar ao realizado nos meses de março e abril de 2020 desde 15 de janeiro deste ano.

Procurado pela Lupa, o comunicador afirmou, por e-mail, que estava no Rio de Janeiro e checou as informações publicadas. Também afirmou que a nota foi uma ironia: “o Rio tem restrições só pra inglês ver. Na zona sul tudo está aberto e ninguém fiscaliza ninguém. Na praia e bares 100% sem máscaras. Quem na Europa e EUA trancado em casa com neve e semi lockdown tá vindo para a liberdade curtir o verão carioca. Quanto a Portugal, diziam que fez tudo certo, fechou aeroportos, fez lockdown várias vezes e não adiantou nada. Hoje é a pior situação da Europa. Mandaram ontem 40 doentes para hospitais da Áustria. Entrevistei recentemente um casal português que veio para cá fugindo do risco e das restrições de lá”, escreveu.


“Portugal saiu de exemplo e passou a ser o pior em número de casos de Covid-19 na Europa, ao ver a situação pandêmica ficar descontrolada no último mês (…)”

Nota publicada pelo colunista Cacau Menezes, do jornal Notícias do Dia, em 2 de fevereiro de 2021

VERDADEIRO, MAS

A informação analisada pela Lupa foi retirada de contexto. Se levar em consideração apenas o número de casos correspondentes à segunda e terceira semanas de janeiro de 2021, Portugal teve uma taxa de notificações de 1.429,43 novos casos por cem mil habitantes e de 247,55 de óbitos por milhão de habitantes. Esses números colocaram o país no topo do ranking de 30 países europeus, segundo o Centro Europeu de Controle de Doenças (ECDC, na sigla em inglês). Esse dado, no entanto, reflete apenas um período de 14 dias e foi divulgado em 28 de janeiro.

De fato, o número de casos confirmados de Covid-19 aumentou quase 75% em apenas um mês no país — saltou de 413.678 em 31 de dezembro de 2020 para 720.516 em 31 de janeiro deste ano. Entretanto, se se levar em consideração o total de ocorrências da doença desde o começo da pandemia, Portugal ocupa atualmente a oitava posição em relação às notificações a cada 1 milhão de habitantes no continente europeu, 71,8 mil no total.

Em relação ao número de mortes, o país tem o 15º pior índice do continente, com taxa de 1,2 óbitos por 1 milhão de pessoas. Gibraltar, San Marino, Bélgica, Eslovênia e Reino Unido são os países europeus com mais falecimentos por Covid-19, proporcionalmente.


“Portugueses, venham para o Rio aprender como se resolve isso. ”

Nota publicada pelo colunista Cacau Menezes, do jornal Notícias do Dia, em 2 de fevereiro de 2021

FALSO

A informação analisada pela Lupa é falsa. Diferentemente do que sugere o texto, a cidade do Rio de Janeiro não é exemplo de combate ao coronavírus para Portugal. Com praias lotadas, desrespeito às regras de isolamento social e registro de festas em locais fechados, a capital fluminense tem mais que o dobro de mortes causadas pela Covid, proporcionalmente.

Enquanto que em Portugal o índice de mortes acumuladas desde o começo da pandemia é de 124 para cada 100 mil pessoas até 2 de fevereiro de 2021, no Rio esse índice é de 257 óbitos por 100 mil.

Editado por: Chico Marés

O conteúdo produzido pela Lupa é de inteira responsabilidade da agência e não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.

A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos

A Lupa está infringindo esse código? Clique aqui e fale com a IFCN

 

Esse conteúdo foi útil?

1 2 3 4 5

Você concorda com o resultado desta checagem?

Sim Não

Leia também

SIGNATORY- International Fact-Checking Network
Etiquetas
VERDADEIRO
A informação está comprovadamente correta
VERDADEIRO, MAS
A informação está correta, mas o leitor merece mais explicações
AINDA É CEDO PARA DIZER
A informação pode vir a ser verdadeira. Ainda não é
EXAGERADO
A informação está no caminho correto, mas houve exagero
CONTRADITÓRIO
A informação contradiz outra difundida antes pela mesma fonte
SUBESTIMADO
Os dados são mais graves do que a informação
INSUSTENTÁVEL
Não há dados públicos que comprovem a informação
FALSO
A informação está comprovadamente incorreta
DE OLHO
Etiqueta de monitoramento
Seções
Arquivo