Tem certeza que deseja sair da sua conta?

#Verificamos: É falso que Doria barrou envio de vacinas para prefeitura de Bauru

Repórter | Rio de Janeiro | lupa@lupa.news
04.fev.2021 | 17h49 |

Circula pelas redes sociais que o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), teria se recusado a enviar vacinas contra o novo coronavírus para a prefeitura de Bauru, por questões políticas. O post compartilhado no Facebook afirma ainda que a prefeita de Bauru, Suéllen Rosim (Patriota), teria ido a Brasília e conversado com o presidente Jair Bolsonaro sobre o caso e, por isso, o presidente teria encaminhado vacinas desenvolvidas pela Oxford para a realização da vacinação no município. Por meio do ​projeto de verificação de notícias​, usuários do Facebook solicitaram que esse material fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação da Lupa:

“O Dória, que não recebe o apoio da prefeita de Bauru, avisou-lhe que não teriam vacinas para o município, nesta primeira etapa já que a prefeita não colocou o município na fase vermelha. Ela não teve dúvidas, embarcou para Brasília, se encontrou com o ministro da Ciência e Tecnologia, que é Baurense. Foram ao gabinete da ministra da Agricultura e também ao da ministra Damares. Todos juntos foram ao Palácio do Governo, falaram com Bolsonaro e ela exigiu vacinas de Oxford para Bauru, Piratininga, Arealva, Duartina, Tibiriçá, Avai e Lucianópolis. A jovem de 28 anos, Prefeita de Bauru, Suelen Rosin, defendeu seu povo com bravura e já avisou ao Dória: “aqui vai ficar tudo aberto. Bauru precisa trabalhar”
Texto em imagem que, até às 13h do dia 04 de fevereiro de 2021, tinha sido compartilhado por 100 pessoas no Facebook

FALSO

A informação analisada pela Lupa é falsa. O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), não barrou o envio de vacinas contra o novo coronavírus para a prefeitura de Bauru (SP). Até a última quarta-feira (3), a Secretaria Municipal de Saúde de Bauru recebeu 23.440 doses de vacinas do governo estadual. Esses imunizantes foram comprados pelo Ministério da Saúde e distribuídos pela Secretaria Estadual de Saúde de São Paulo. Segundo o Vacinômetro, mais de 4 mil pessoas já foram vacinadas em Bauru.

A primeira entrega de vacinas para o município aconteceu no dia 20 de janeiro, quando o governo de São Paulo encaminhou 8.680 doses da Coronavac para Bauru. Logo em seguida, no dia 26 de janeiro, a prefeitura recebeu mais 6.660 doses da vacina AstraZeneca/Oxford. Nesta semana, as autoridades sinalizaram o terceiro envio de vacinas: 8.100 doses da Coronavac.

Todas essas vacinas foram encaminhadas pelo governo de São Paulo e estão sendo utilizadas para imunizar os profissionais de saúde que estão na linha de frente da pandemia. Ou seja, Doria não barrou o envio de vacinas para o município. Em nota, a Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo também negou o boato

O post compartilhado no Facebook afirma ainda que a prefeita de Bauru, Suéllen Rosim (Patriota), teria encontrado o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) para denunciar o ocorrido e pedir para o governo federal enviar doses da vacina. A prefeita, de fato, visitou Bolsonaro em Brasília. Contudo, o encontro foi no dia 27 de janeiro, ou seja, sete dias depois das primeiras doses da vacina serem remetidas para a cidade.

Segundo a assessoria de imprensa da prefeitura de Bauru, a visita da prefeita Suéllen estava agendada desde o início do ano e não tinha relação direta com a suposta ausência de vacinas no município. “Na conversa com o presidente Jair Bolsonaro, falamos sobre a necessidade de investimentos na saúde de Bauru, pois o nosso município é um polo regional. Também mantivemos a disposição em manter um contato permanente com os ministérios. Levamos muitos projetos, e vamos continuar dialogando com os ministros e secretários para que saiam do papel, beneficiando a população de Bauru”, disse Suéllen

Nos últimos dias, a prefeita se posicionou publicamente contra a fase vermelha do Plano São Paulo. Nesta semana, ela sancionou uma lei que transforma qualquer atividade comercial como “atividade essencial” — uma forma de burlar medidas do governo do estado que visam reduzir a propagação da Covid-19.

Esse conteúdo também foi verificado pelo Fato ou Fake.

Nota:‌ ‌esta‌ ‌reportagem‌ ‌faz‌ ‌parte‌ ‌do‌ ‌‌projeto‌ ‌de‌ ‌verificação‌ ‌de‌ ‌notícias‌‌ ‌no‌ ‌Facebook.‌ ‌Dúvidas‌ sobre‌ ‌o‌ ‌projeto?‌ ‌Entre‌ ‌em‌ ‌contato‌ ‌direto‌ ‌com‌ ‌o‌ ‌‌Facebook‌.

Editado por: Chico Marés

O conteúdo produzido pela Lupa é de inteira responsabilidade da agência e não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.

A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos

A Lupa está infringindo esse código? Clique aqui e fale com a IFCN

 

Esse conteúdo foi útil?

1 2 3 4 5

Você concorda com o resultado desta checagem?

Sim Não

Leia também

SIGNATORY- International Fact-Checking Network
Etiquetas
VERDADEIRO
A informação está comprovadamente correta
VERDADEIRO, MAS
A informação está correta, mas o leitor merece mais explicações
AINDA É CEDO PARA DIZER
A informação pode vir a ser verdadeira. Ainda não é
EXAGERADO
A informação está no caminho correto, mas houve exagero
CONTRADITÓRIO
A informação contradiz outra difundida antes pela mesma fonte
SUBESTIMADO
Os dados são mais graves do que a informação
INSUSTENTÁVEL
Não há dados públicos que comprovem a informação
FALSO
A informação está comprovadamente incorreta
DE OLHO
Etiqueta de monitoramento
Seções
Arquivo