A PRIMEIRA AGÊNCIA DE FACT-CHECKING DO BRASIL

#Verificamos: É falso que diretor da Anvisa alertou para ‘riscos’ de vacinas contra Covid-19 usadas no Brasil

Repórter | Rio de Janeiro | lupa@lupa.news
19.fev.2021 | 18h11 |

Circula pelas redes sociais que a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) teria emitido um alerta sobre os riscos das vacinas contra a Covid-19 que estão sendo utilizadas no Brasil. O texto circula junto com um vídeo do diretor-presidente da agência, Antônio Barra Torres. Por meio do ​projeto de verificação de notícias​, usuários do Facebook solicitaram que esse material fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação da Lupa:

“O que fazer quando a própria ANVISA alerta sobre os riscos das vacinas utilizadas no Brasil?”
Legenda de vídeo compartilhado no Instagram que, até às 17h do dia 19 de fevereiro de 2021, tinha sido visualizado por mais de 12 mil pessoas 

FALSO

A informação analisada pela Lupa é falsa. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) não emitiu nenhum alerta sinalizando um possível risco das vacinas que estão sendo utilizadas no Brasil atualmente. O vídeo que circula pelo Instagram foi editado e a legenda que acompanha a gravação distorce a fala do diretor-presidente da agência, Antônio Barra Torres. 

No dia 10 de fevereiro, Torres concedeu uma entrevista à CNN e comentou sobre o artigo 5 da Medida Provisória (MP) 1.003/2020, que obriga a Anvisa a conceder autorização temporária de uso emergencial para a importação, a distribuição e o uso de “qualquer vacina contra a Covid-19” após cinco dias do pedido do laboratório. Essa determinação vale apenas para produtos que tenham sido aprovados por pelo menos uma de nove autoridades sanitárias estrangeiras listadas na MP. Atualmente, o prazo é de 10 dias para a análise, e não há obrigação de aprovação caso a vacina já tenha sido liberada por órgãos sanitários estrangeiros. 

Torres considerou a aprovação dessa medida seria considerada um “risco sanitário grave”. Ele disse ainda que a Anvisa tem servidores qualificados para realizar análises e conceder as autorizações necessárias para o uso seguro de vacinas para os brasileiros. Contudo, ele não se referia às duas vacinas contra Covid-19 que já estão em utilização no Brasil — a Coronavac, desenvolvida pela farmacêutica Sinovac, e a Covidshield, desenvolvida pela Universidade de Oxford com a AstraZeneca. Ambas as vacinas passaram por análises preliminares para registro dos imunizantes no Brasil e foram consideradas seguras para o uso. As bulas estão disponíveis no site da Anvisa para consulta

No dia 4 de fevereiro, a MP foi aprovada no Congresso Nacional e seguiu para sanção do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) — o que ainda não aconteceu. Durante entrevista à CNN, Torres disse também que conversou com Bolsonaro e disse para ele que o artigo 5 deveria ser vetado do texto.

Essa informação também foi desmentida pelo Estadão Verifica e pela CNN

Nota:‌ ‌esta‌ ‌reportagem‌ ‌faz‌ ‌parte‌ ‌do‌ ‌‌projeto‌ ‌de‌ ‌verificação‌ ‌de‌ ‌notícias‌‌ ‌no‌ ‌Facebook.‌ ‌Dúvidas‌ sobre‌ ‌o‌ ‌projeto?‌ ‌Entre‌ ‌em‌ ‌contato‌ ‌direto‌ ‌com‌ ‌o‌ ‌‌Facebook‌.

Editado por: Chico Marés

O conteúdo produzido pela Lupa é de inteira responsabilidade da agência e não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.

A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos

Esse conteúdo foi útil?

1 2 3 4 5

Você concorda com o resultado desta checagem?

Sim Não

Leia também

SIGNATORY- International Fact-Checking Network
Etiquetas
VERDADEIRO
A informação está comprovadamente correta
VERDADEIRO, MAS
A informação está correta, mas o leitor merece mais explicações
AINDA É CEDO PARA DIZER
A informação pode vir a ser verdadeira. Ainda não é
EXAGERADO
A informação está no caminho correto, mas houve exagero
CONTRADITÓRIO
A informação contradiz outra difundida antes pela mesma fonte
SUBESTIMADO
Os dados são mais graves do que a informação
INSUSTENTÁVEL
Não há dados públicos que comprovem a informação
FALSO
A informação está comprovadamente incorreta
DE OLHO
Etiqueta de monitoramento
Seções
Arquivo