A PRIMEIRA AGÊNCIA DE FACT-CHECKING DO BRASIL

Foto: Divulgação/PF
Foto: Divulgação/PF

#Verificamos: Vídeo de apreensão de malas de dinheiro pela PF não foi filmado em Imperatriz (MA)

Repórter (especial para a Lupa) | Rio de Janeiro | lupa@lupa.news
04.mar.2021 | 18h13 |

Circula nas redes sociais um vídeo que mostra malas e caixas de dinheiro sendo abertas por policiais federais. Segundo a publicação, o registro foi feito durante a Operação Recôndito, deflagrada na manhã de quarta-feira (3), no município de Imperatriz (MA). Por meio do ​projeto de verificação de notícias​, usuários do Facebook solicitaram que esse material fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação da Lupa:

“A Prefeitura de Imperatriz é mais uma das gestões municipais na mira da Polícia Federal por suspeita de desvio de dinheiro público destinado para o combate à Covid-19 na cidade”
Texto que acompanha vídeo publicado no Facebook que, até as 15h de 4 de março de 2021, tinha mais de 1,3 mil visualizações

FALSO

A informação analisada pela Lupa é falsa. O vídeo que aparece na publicação não foi gravado em Imperatriz (MA), mas em Sergipe. A Polícia Federal realizou na manhã de quarta-feira (3) diversas operações pelo país, inclusive na cidade de Imperatriz (MA), para investigar supostas fraudes em licitações feitas em 2020 pela Secretaria Municipal de Saúde. Entretanto, o vídeo que circula nas redes sociais, com caixas de dinheiro sendo abertas por policiais, foi filmado em Sergipe, durante a Operação Distração, no mesmo dia. Ou seja, não tem nenhuma relação com o município de Imperatriz.

Segundo a Polícia Federal de Sergipe, a Operação Distração tinha como objetivo obter provas para investigação sobre suposta prática de exploração de jogos de azar, lavagem de dinheiro, evasão de divisas e organização criminosa envolvendo um site de apostas e seus proprietários. Na operação, foram apreendidos mais de R$ 13 milhões. Os 12 mandados de busca e apreensão foram cumpridos nos municípios de Aracaju, Itabaiana, São Cristóvão e Lagarto.

Em Imperatriz (MA), as investigações da Operação Recôndito apuram supostas fraudes em procedimentos licitatórios e sobrepreço em contratos públicos firmados pela Secretaria de Saúde de Imperatriz, em 2020, com a utilização de recursos públicos federais destinados ao combate da pandemia da Covid-19. Foram cumpridos sete mandados de busca e apreensão.

Segundo a PF, há diversos indícios de fraude em processo de dispensa de licitação, com a contratação de empresa de fachada, integrada por sócios-laranja, beneficiados em contrato de fornecimento de refeições.

Em nota, a prefeitura de Imperatriz informa que procurou atuar dentro dos parâmetros legais. “Mas é possível que um ou outro fornecedor possa ter falhado, deliberadamente ou não, no fornecimento de documentos. Seria impossível auditar, sem atrasar o essencial (que era o pronto e eficaz atendimento aos doentes)”.

Checagem similar foi feita por Boatos.Org.

Nota:‌ ‌esta‌ ‌reportagem‌ ‌faz‌ ‌parte‌ ‌do‌ ‌‌projeto‌ ‌de‌ ‌verificação‌ ‌de‌ ‌notícias‌‌ ‌no‌ ‌Facebook.‌ ‌Dúvidas‌ sobre‌ ‌o‌ ‌projeto?‌ ‌Entre‌ ‌em‌ ‌contato‌ ‌direto‌ ‌com‌ ‌o‌ ‌‌Facebook‌.

Editado por: Marcela Duarte

O conteúdo produzido pela Lupa é de inteira responsabilidade da agência e não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.

A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos

A Lupa está infringindo esse código? Clique aqui e fale com a IFCN

 

Esse conteúdo foi útil?

1 2 3 4 5

Você concorda com o resultado desta checagem?

Sim Não

Leia também

SIGNATORY- International Fact-Checking Network
Etiquetas
VERDADEIRO
A informação está comprovadamente correta
VERDADEIRO, MAS
A informação está correta, mas o leitor merece mais explicações
AINDA É CEDO PARA DIZER
A informação pode vir a ser verdadeira. Ainda não é
EXAGERADO
A informação está no caminho correto, mas houve exagero
CONTRADITÓRIO
A informação contradiz outra difundida antes pela mesma fonte
SUBESTIMADO
Os dados são mais graves do que a informação
INSUSTENTÁVEL
Não há dados públicos que comprovem a informação
FALSO
A informação está comprovadamente incorreta
DE OLHO
Etiqueta de monitoramento
Seções
Arquivo