A PRIMEIRA AGÊNCIA DE FACT-CHECKING DO BRASIL

#Verificamos: Governo federal não zerou impostos de etanol e gasolina para postos de combustíveis

Repórter (especial para a Lupa) | Rio de Janeiro | lupa@lupa.news
10.mar.2021 | 19h32 |

Circula nas redes sociais a informação de que o governo federal zerou os impostos de todos os combustíveis. No vídeo, um homem narra que abasteceu R$ 150 de etanol e, ao perceber a cobrança do imposto federal no valor de R$ 37,50, reclamou com o gerente do estabelecimento, afirmando que a medida era ilegal. Por isso, o posto de gasolina, ao notar o suposto “erro”, devolveu ao consumidor o valor do tributo federal. Por WhatsApp, leitores da Lupa sugeriram que esse conteúdo fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação:

“Todo mundo que abastece aí, abasteci R$ 150, cobraram R$ 37,50. Pedi a nota fiscal, perguntei para o camarada, por que vocês estão cobrando imposto federal se o governo isentou, zerou o imposto federal? Na hora que ia chamar a polícia, o cara me devolveu R$ 37,50. Fiquem esperto.”
Trecho de vídeo compartilhado no WhatsApp

FALSO

A informação analisada pela Lupa é falsa. O governo federal não zerou os impostos de etanol e gasolina e, tampouco, o posto de combustível, citado no vídeo, devolveu o valor ao consumidor.

Em nota, o Ministério da Economia explicou que o estabelecimento não é contribuinte do PIS/Cofins (impostos federais), logo não poderia haver ressarcimento ao cidadão de qualquer forma. O órgão também negou que o governo federal tenha zerado os impostos federais da gasolina e do etanol. Por telefone, o gerente do Puma Auto Posto, localizado em Cuiabá (MT), afirmou que não houve a devolução de qualquer quantia. “Isso é fake news. Como vou devolver esse dinheiro? Até porque eu não poderia fazer isso”, diz.

Além disso, a Federação Nacional do Comércio de Combustíveis e Lubrificantes (Fecombustíveis) esclarece que os postos de combustíveis são substituídos tributariamente, ou seja, quando o posto recebe a gasolina e o diesel, o imposto já foi recolhido nas etapas anteriores da cadeia. “Nas vendas de gasolina e óleo diesel, a substituição tributária consiste na responsabilidade das refinarias em reter e recolher os impostos incidentes nas operações de venda das distribuidoras. Já o recolhimento do ICMS sobre o etanol é mais complexo, dividido entre produção e distribuição, e depende se o faturamento é estadual ou interestadual”.

A nota fiscal apresentada no vídeo mostra que o suposto consumidor abasteceu o carro com etanol. Esse tipo de combustível, assim como a gasolina, não constam no decreto e na medida provisória assinados pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido), que zeraram os impostos federais que incidem sobre a comercialização e a importação do óleo diesel durante os meses de março e abril deste ano. O gás de cozinha também teve os impostos zerados, com prazo de duração da medida indeterminado.

Por outro lado, a Fecombustíveis informa que o Decreto nº 10.638/2021 reduziu a zero a incidência do PIS/Cofins sobre o óleo diesel A, aquele vendido pelas refinarias e/ou importadores às distribuidoras. Nos postos de gasolina, é vendido o óleo diesel B, uma mistura de 87% de óleo diesel A e 13% de biodiesel, que é tributado. “Assim, na verdade, o PIS/Cofins do diesel não zerou, pois ainda continua incidindo nos 13% de biodiesel que é misturado ao diesel”, diz.

Além disso, uma outra informação inverídica é passada pelo narrador. Na nota fiscal, o valor referente ao imposto federal seria, na verdade, de R$ 24,66 (16,44%), como mostra o próprio registro. E não R$ 37,50, que corresponderia ao valor aproximado do imposto estadual, o ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços).

Esta‌ ‌verificação ‌foi sugerida por leitores através do WhatsApp da Lupa. Caso tenha alguma sugestão de verificação, entre em contato conosco pelo número +55 21 99193-3751.

Editado por: Maurício Moraes

O conteúdo produzido pela Lupa é de inteira responsabilidade da agência e não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.

A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos

A Lupa está infringindo esse código? Clique aqui e fale com a IFCN

 

Esse conteúdo foi útil?

1 2 3 4 5

Você concorda com o resultado desta checagem?

Sim Não

Leia também

SIGNATORY- International Fact-Checking Network
Etiquetas
VERDADEIRO
A informação está comprovadamente correta
VERDADEIRO, MAS
A informação está correta, mas o leitor merece mais explicações
AINDA É CEDO PARA DIZER
A informação pode vir a ser verdadeira. Ainda não é
EXAGERADO
A informação está no caminho correto, mas houve exagero
CONTRADITÓRIO
A informação contradiz outra difundida antes pela mesma fonte
SUBESTIMADO
Os dados são mais graves do que a informação
INSUSTENTÁVEL
Não há dados públicos que comprovem a informação
FALSO
A informação está comprovadamente incorreta
DE OLHO
Etiqueta de monitoramento
Seções
Arquivo