Tem certeza que deseja sair da sua conta?

#Verificamos: É falso que inalação de bicarbonato de sódio com água sanitária ajuda contra Covid-19

Repórter | Rio de Janeiro | lupa@lupa.news
25.mar.2021 | 15h06 |

Circula pelo WhatsApp um vídeo indicando a inalação de uma mistura de água, água sanitária e bicarbonato de sódio para auxiliar pessoas infectadas com Covid-19 a respirar. O homem responsável pela gravação afirma que a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) também estaria recomendando uma mistura semelhante para inalação. Por WhatsApp, leitores da Lupa sugeriram que esse conteúdo fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação​:

“O grande tchan da inalação é ajudar na respiração, que é o grande problema do Covid. Vou dizer aqui a receita rápida pra vocês (…) Aqui ó: 250 ml de água, muito simples. 250 ml de água filtrada ou mineral, que seja, você compra água. Duas gotas de Qboa, isso mesmo, Qboa, água sanitária. Mas são duas gotas apenas. Apenas duas gotas e uma colher rasa de café de bicarbonato de sódio. A Fiocruz tá fazendo isso com bicarbonato e com soro. O soro é bom, acaba elevando a pressão para quem faz com soro, então faça com água… Se vc tem covid você precisa fazer três vezes por dia”

Vídeo que circula pelo WhatsApp

FALSO

A informação analisada pela Lupa é falsa. A mistura de água, água sanitária e bicarbonato de sódio sinalizada no vídeo é perigosa para o organismo e não deve ser utilizada para tratar pacientes com Covid-19. O conselheiro federal do Conselho Federal de Química e superintendente do Conselho Regional de Química – CRQ IV (SP), Wagner Contrera, afirma que a água sanitária tem como principal ingrediente ativo o hipoclorito de sódio, que libera o gás cloro e pode causar sérias irritações nas vias respiratórias. Segundo o conselheiro, a água sanitária não pode ser inalada ou ingerida em nenhuma hipótese.

Em agosto do ano passado, a Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) comunicou que o uso de produtos à base de cloro como tratamentos para a Covid-19 não era recomendado. A entidade pede que “as autoridades de saúde facilitem a notificação de eventos adversos relacionados a essas substâncias e emitam os alertas e ações regulatórias necessários, incluindo possíveis sanções, a fim de evitar a recorrência de tais eventos”.

A mistura mencionada na gravação leva ainda bicarbonato de sódio e afirma que a Fiocruz estaria indicando o tratamento. Atualmente, a Universidade Federal do Acre (Ufac), em parceria com a Fiocruz, está desenvolvendo um estudo para avaliar a eficácia do uso de bicarbonato de sódio para tratar pacientes com Covid-19. Procurada, a coordenadora da pesquisa, Carolina Pontes, afirmou que o tratamento estudado não utiliza água sanitária em sua solução. O tratamento experimental contou com mais de 500 pacientes em diversas fases da Covid-19 e o resultado obtido está nas etapas finais de publicação. 

A Fiocruz também informou que não indica a inalação da mistura citada na gravação e classificou o vídeo como “fake news”. 

No ano passado, o então presidente americano, Donald Trump, disse que desinfetantes acabam com o vírus em um minuto e que uma injeção poderia auxiliar pessoas infectadas. Isso acarretou uma série de boatos sobre o uso de desinfetantes e água sanitária no tratamento de pessoas com Covid-19. Na época, empresas do setor de limpeza repudiaram a fala do presidente. Em Nova York, o número de casos de intoxicação por desinfetante aumentou depois de Trump fazer a afirmação, que não tem nenhum respaldo científico.

No início de março, circulou no WhatsApp um vídeo em que um médico ensina uma receita também ineficaz à base de bicarbonato de sódio para prevenir e tratar a Covid-19. O autor afirma que a inalação de uma fórmula feita com água mineral, bicarbonato de sódio e água oxigenada é capaz de prevenir a doença. Essa receita, no entanto, não auxilia no tratamento de pacientes com Covid-19.

Esta‌ ‌verificação ‌foi sugerida por leitores através do WhatsApp da Lupa. Caso tenha alguma sugestão de verificação, entre em contato conosco pelo número +55 21 99193-3751.

 

Editado por: Maurício Moraes

O conteúdo produzido pela Lupa é de inteira responsabilidade da agência e não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.

A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos

A Lupa está infringindo esse código? Clique aqui e fale com a IFCN

 

Esse conteúdo foi útil?

1 2 3 4 5

Você concorda com o resultado desta checagem?

Sim Não

Leia também

SIGNATORY- International Fact-Checking Network
Etiquetas
VERDADEIRO
A informação está comprovadamente correta
VERDADEIRO, MAS
A informação está correta, mas o leitor merece mais explicações
AINDA É CEDO PARA DIZER
A informação pode vir a ser verdadeira. Ainda não é
EXAGERADO
A informação está no caminho correto, mas houve exagero
CONTRADITÓRIO
A informação contradiz outra difundida antes pela mesma fonte
SUBESTIMADO
Os dados são mais graves do que a informação
INSUSTENTÁVEL
Não há dados públicos que comprovem a informação
FALSO
A informação está comprovadamente incorreta
DE OLHO
Etiqueta de monitoramento
Seções
Arquivo