A PRIMEIRA AGÊNCIA DE FACT-CHECKING DO BRASIL

Tem certeza que deseja sair da sua conta?

#Verificamos: É falso que governo de Sergipe publicou decreto para confiscar bens da população

Repórter (especial para a Lupa) | Rio de Janeiro | lupa@lupa.news
29.mar.2021 | 18h10 |

Circula por grupos de WhatsApp a informação de que em Sergipe um decreto requisitou bens móveis e imóveis privados da população, além de serviços de propriedade particular. A publicação, acompanhada do link do decreto, sugere que essa decisão implicará a perda do direito de propriedade de imóveis e que a culpa seria das pessoas que apoiam a “esquerda” e o “lockdown”. Por WhatsApp, leitores da Lupa sugeriram que esse conteúdo fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação​:

“EM SERGIPE O DECRETO JÁ PARTIU PARA cima de bens móveis e imóveis, e serviços de propriedade privada/particular….ACORDA POVO

https://www.legisweb.com.br/legislacao/?id=411602 – Aí ??pra quem apoia a Esquerda e o Lockdown. Vai ficar sem os Imóveis! ?”

Conteúdo que circula em grupos de WhatsApp

FALSO

A informação analisada pela Lupa é falsa. O governo de Sergipe não irá confiscar imóveis ou outros bens da população, como sugere a corrente de WhatsApp. O conteúdo faz uma interpretação equivocada de um artigo do Decreto nº 40.798, publicado em 25 de março pelo governador Belivaldo Chagas (PSD). Esse decreto apenas renova por mais seis meses o estado de calamidade pública no estado, declarado pela primeira vez em 8 de abril de 2020 em razão da pandemia da Covid-19 — e não delibera sobre novas medidas para apreender bens privados. 

O artigo 3º do documento prevê que o poder público pode “requisitar bens móveis e imóveis privados, serviços pessoais e utilização temporária de propriedade particular, desde que sejam estrita e efetivamente necessários a minorar o grave e iminente perigo público, observadas as demais formalidades legais”. Isso não quer dizer, no entanto, que o governo passará a tomar os bens da população. Na verdade, afirma que, em casos de perigo público ou num cenário de calamidade, a requisição desses bens é prevista. Esse direito consta na Constituição Federal (artigo 5º, inciso XXV): “no caso de iminente perigo público, a autoridade competente poderá usar de propriedade particular, assegurada ao proprietário indenização ulterior, se houver dano.”

Esse artigo também repete um trecho da Lei Federal nº 13.979, de fevereiro de 2020, que dispõe sobre as medidas para enfrentamento da emergência de saúde pública em decorrência do novo coronavírus. De autoria do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e aprovada pelo Congresso, essa norma estabelece, entre outros pontos, a “requisição de bens e serviços de pessoas naturais e jurídicas, hipótese em que será garantido o pagamento posterior de indenização justa”. 

Em nota publicada nas redes sociais, o governo do Sergipe classificou o conteúdo como “fake news”. Segundo o texto, a previsão de requisição administrativa, em cenários de calamidade, “é mera repetição do previsto na Constituição Federal e no Art. 3, VII da Lei 13.979/20 (combate ao coronavírus), lei essa de iniciativa do presidente Jair Bolsonaro e aprovada pelo Congresso Nacional. Nem velha, nem nova, só repetição. O Decreto de Calamidade Pública em vigor é de abril de 2020, sendo apenas renovado.”

Esse conteúdo também foi verificado pelo Fato ou Fake.

Esta‌ ‌verificação ‌foi sugerida por leitores por meio do WhatsApp da Lupa. Caso tenha alguma sugestão de verificação, entre em contato conosco pelo número +55 21 99193-3751.

Editado por: Maurício Moraes

O conteúdo produzido pela Lupa é de inteira responsabilidade da agência e não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.

A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos

A Lupa está infringindo esse código? Clique aqui e fale com a IFCN

 

Esse conteúdo foi útil?

1 2 3 4 5

Você concorda com o resultado desta checagem?

Sim Não

Leia também

SIGNATORY- International Fact-Checking Network
Etiquetas
VERDADEIRO
A informação está comprovadamente correta
VERDADEIRO, MAS
A informação está correta, mas o leitor merece mais explicações
AINDA É CEDO PARA DIZER
A informação pode vir a ser verdadeira. Ainda não é
EXAGERADO
A informação está no caminho correto, mas houve exagero
CONTRADITÓRIO
A informação contradiz outra difundida antes pela mesma fonte
SUBESTIMADO
Os dados são mais graves do que a informação
INSUSTENTÁVEL
Não há dados públicos que comprovem a informação
FALSO
A informação está comprovadamente incorreta
DE OLHO
Etiqueta de monitoramento
Seções
Arquivo