A PRIMEIRA AGÊNCIA DE FACT-CHECKING DO BRASIL

Foto: Igor Santos/Secom
Foto: Igor Santos/Secom

81% dos conteúdos falsos sobre vacina verificados pela Lupa circularam nos últimos seis meses

Repórter | Rio de Janeiro | lupa@lupa.news
01.abr.2021 | 08h01 |

A desinformação relacionada à pandemia de Covid-19 já teve várias ondas: ora focava na origem do vírus, ora no isolamento social. Com a evolução das pesquisas sobre a doença, o foco mudou em outubro do ano passado, quando passou a mirar nas vacinas. Das 503 verificações sobre Covid-19 feitas pela Lupa entre 24 de janeiro de 2020 e 30 de março de 2021, 103 foram sobre vacinação, sendo 101 boatos ― a grande maioria, 81%, nos últimos seis meses.

Mesmo com a proximidade das eleições, a Lupa fez 16 checagens sobre imunizantes no mês de outubro. O pico aconteceu em dezembro, com 18 verificações sobre imunizantes em um mês, o que coincide com o início da vacinação em massa em diversos países. Comparando o perfil da desinformação sobre o tema que mais circulava nesses dois meses, também é possível notar uma mudança.

Em outubro, quatro boatos afirmavam que os ensaios clínicos causaram mortes (na China, sobre adjuvantes, sobre um médico chinês e  sobre o cancelamento de pesquisas). Além de inventarem óbitos, os boatos compartilhados em dezembro passaram a questionar se realmente havia aplicação de vacina em alguns países. Uma foto de um idoso de camisa no Reino Unido foi usada como “prova” que a vacinação contra Covid-19 seria uma “farsa”. Outra publicação compartilhada dizia que o prefeito de Londres, Sadiq Khan, fingiu tomar a vacina ― o que também não estava correto.

Somente neste ano, a Lupa publicou 37 checagens desmentindo informações sobre vacinação. Entre os boatos, mortes ocasionadas pela vacina voltaram a aparecer. Um texto compartilhado no WhatsApp, por exemplo, anunciava que 30% das pessoas que tomaram a vacina contra a Covid-19 morreriam em três meses ― o que não tem qualquer embasamento científico. Também circularam calendários falsos com datas de vacinação para grupos não prioritários. Em fevereiro, um cronograma previa a aplicação de doses em pessoas de 74 anos a 55 anos. Em março, outra mensagem falsa trazia a data de vacinação de todas as faixas etárias acima de 18 anos.

Primeiros boatos

Nos primeiros meses de verificações sobre Covid-19, os boatos davam falsas esperanças para os usuários, afirmando que alguns países como Cuba e Israel já haviam desenvolvido vacinas capazes de impedir a disseminação do vírus. A partir de junho, houve uma virada de narrativa, com posts falsos contra imunizantes. Na ocasião, a CoronaVac ― desenvolvida pela farmacêutica chinesa Sinovac ― era alvo constante de desinformação. 

Dos 14 textos verificados pela Lupa nos meses de junho e julho de 2020, nove citavam a vacina chinesa. Essa onda de desinformação começou quando o governador João Doria (PSDB) anunciou, em 11 de junho, que o Instituto Butantan realizaria testes da CoronaVac no Brasil. Publicações compartilhadas no Facebook afirmavam, por exemplo, que o imunizante só havia sido testado em macacos e que a China estaria usando “9 mil paulistas como cobaias”.

Estudos

Existem estudos que buscam entender o impacto da desinformação sobre vacinas na população. Uma pesquisa da Inteligência em Pesquisa e Consultoria (Ipec) apontou que 46% dos entrevistados concordavam com pelo menos uma de seis informações falsas sobre vacinas a que foram expostos. 

Eles foram questionados sobre se é possível se infectar com o coronavírus a partir de vacinas; há tratamentos alternativos tão ou mais eficientes que os imunizantes; a vacina modifica o DNA da pessoa; a vacina carrega um microchip que será implantado nos indivíduos; as vacinas podem causar autismo, provocar câncer ou transmitir HIV; as vacinas têm na composição células de fetos abortados e tumores.

Vacinação

Segundo o site Localiza SUS, o Ministério da Saúde distribuiu 34,9 milhões de doses de vacinas contra a Covid-19 para os estados até o dia 31 de março, sendo que 18 milhões já foram aplicadas. A primeira dose já foi aplicada em 14 milhões de pessoas; a segunda, em 4 milhões.

Editado por: Marcela Duarte

O conteúdo produzido pela Lupa é de inteira responsabilidade da agência e não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.

A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos

A Lupa está infringindo esse código? Clique aqui e fale com a IFCN

 

Esse conteúdo foi útil?

1 2 3 4 5

Você concorda com o resultado desta checagem?

Sim Não

Leia também

SIGNATORY- International Fact-Checking Network
Etiquetas
VERDADEIRO
A informação está comprovadamente correta
VERDADEIRO, MAS
A informação está correta, mas o leitor merece mais explicações
AINDA É CEDO PARA DIZER
A informação pode vir a ser verdadeira. Ainda não é
EXAGERADO
A informação está no caminho correto, mas houve exagero
CONTRADITÓRIO
A informação contradiz outra difundida antes pela mesma fonte
SUBESTIMADO
Os dados são mais graves do que a informação
INSUSTENTÁVEL
Não há dados públicos que comprovem a informação
FALSO
A informação está comprovadamente incorreta
DE OLHO
Etiqueta de monitoramento
Seções
Arquivo