A PRIMEIRA AGÊNCIA DE FACT-CHECKING DO BRASIL

Tem certeza que deseja sair da sua conta?

#Verificamos: Prefeituras não recebem R$ 8 mil por cada diagnóstico de Covid registrado

Repórter (especial para a Lupa) | Rio de Janeiro | lupa@lupa.news
15.abr.2021 | 14h15 |

Circula no Whatsapp um vídeo de um homem, que se diz morador do Rio Grande do Sul, em que ele afirma que a prefeitura de sua cidade recebe do governo federal R$ 8 mil por diagnóstico e R$ 18 mil por registro de óbito provocado pela Covid-19. Além disso, ele alega que o Rio Grande do Sul recebeu do governo federal R$ 80 bilhões para ações contra a pandemia e que São Paulo teria sido agraciado com 145 bilhões de dólares. Por WhatsApp, leitores da Lupa sugeriram que esse conteúdo fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação​:

“Aqui na cidade que a gente mora para cada diagnóstico de Covid-19, a prefeitura embolsa R$ 8 mil e R$ 1 mil para o médico que dá o diagnóstico. Porque se o médico, que é a ponta do iceberg, não realizar o diagnóstico, não tem como a prefeitura receber R$ 8 mil do governo federal e para cada óbito, e geralmente o óbito também é assinado por esse mesmo médico, a prefeitura recebe R$ 18 mil”
Trecho de vídeo que circula no WhatsApp

FALSO

A informação analisada pela Lupa é falsa. De acordo com o Ministério da Saúde, não existe correlação entre o repasse de verbas para as administrações locais (estados e municípios) e o número de registros de óbito ou diagnóstico de Covid-19. Em nota encaminhada à reportagem, a pasta explicou que “os requisitos de repasse consideram, entre outros fatores, a faixa populacional, os valores de produção de Média e Alta Complexidade registrados nos Sistema de Informação Ambulatorial e Hospitalar do SUS pelos entes, além do número de leitos de UTI cadastrados”. A Frente Nacional de Prefeitos também reforçou e disse que “não há qualquer veracidade nas informações” do vídeo. 

Não é a primeira vez que esse tipo de informação falsa circula nas redes sociais. Em julho, o deputado estadual matogrossense Silvio Fávero (PSL) acusou, em plenário, o Governo Federal de fazer esses repasses. Na época, a Lupa constatou que essa informação era falsa.


“Só aqui no Rio Grande do Sul, o governo estadual pegou R$ 80 bilhões (…). O governo do seu João Dória, que mais persegue o Bolsonaro, pegou 145 bilhões de dólares”
Trecho de vídeo que circula no WhatsApp

FALSO

A informação analisada pela Lupa é falsa. De acordo com a Controladoria-Geral da União (CGU), os governos dos estados do Rio Grande do Sul e de São Paulo receberam, no ano passado, R$ 660,5 milhões e R$ 2,1 bilhões para gastos com a pandemia, respectivamente. Os dados da CGU consideram as verbas dos ministérios da Saúde, Cidadania e Economia. O Ministério da Saúde, especificamente, declarou em seu Painel Financeiro que encaminhou para a contenção da pandemia, em 2020, R$ 570,9 milhões à Secretaria Estadual de Saúde gaúcha e R$ 1,8 bilhões, para a administração paulista. 

Nos quatro primeiros meses de 2021, consta em ambos os portais da transparência (CGU e Ministério da Saúde) que foram repassados R$ 39,4 milhões, para o Rio Grande do Sul, e R$ 126,5 milhões, para São Paulo. 

Esta‌ ‌verificação ‌foi sugerida por leitores através do WhatsApp da Lupa. Caso tenha alguma sugestão de verificação, entre em contato conosco pelo número +55 21 99193-3751.

Editado por: Chico Marés

O conteúdo produzido pela Lupa é de inteira responsabilidade da agência e não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.

A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos

A Lupa está infringindo esse código? Clique aqui e fale com a IFCN

 

Esse conteúdo foi útil?

1 2 3 4 5

Você concorda com o resultado desta checagem?

Sim Não

Leia também

SIGNATORY- International Fact-Checking Network
Etiquetas
VERDADEIRO
A informação está comprovadamente correta
VERDADEIRO, MAS
A informação está correta, mas o leitor merece mais explicações
AINDA É CEDO PARA DIZER
A informação pode vir a ser verdadeira. Ainda não é
EXAGERADO
A informação está no caminho correto, mas houve exagero
CONTRADITÓRIO
A informação contradiz outra difundida antes pela mesma fonte
SUBESTIMADO
Os dados são mais graves do que a informação
INSUSTENTÁVEL
Não há dados públicos que comprovem a informação
FALSO
A informação está comprovadamente incorreta
DE OLHO
Etiqueta de monitoramento
Seções
Arquivo