Tem certeza que deseja sair da sua conta?
Divulgação
Divulgação

#Verificamos: É falso que Bolsonaro criou ‘fábrica da tecnologia 5G’ no Brasil

Repórter | Rio de Janeiro | lupa@lupa.news
20.abr.2021 | 18h06 |

Circula pelas redes sociais que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) “‘surpreendeu o mundo mais uma vez” ao criar uma “fábrica da tecnologia 5G” no Brasil. A execução teria ocorrido em sigilo absoluto e acabado com a “polêmica” sobre a adoção de produtos com essa tecnologia feitos pela empresa chinesa Huawei. O 5G é o padrão mais avançado de transmissão de dados móveis, muito mais veloz do que as redes atualmente disponíveis no país. Por meio do ​projeto de verificação de notícias​, usuários do Facebook solicitaram que esse material fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação da Lupa​:

“O Presidente da República, Jair Bolsonaro, SURPREENDE o mundo mais uma vez!… Primeiro foi a fábrica de vacinas construída em SIGILO ABSOLUTO… E agora, com mais uma SURPRESA FANTÁSTICA, também em sigilo, surge uma fábrica da TECNOLOGIA 5G, em solo brasileiro, frustrando e acabando com a polêmica de que o Brasil adotaria o 5G da HUAWEI Chinesa…”

Trecho de post publicado no Facebook que, até as 17h30 de 20 de abril de 2021, tinha 326 compartilhamentos

FALSO

A informação analisada pela Lupa é falsa. A multinacional Ericsson não inaugurou uma “nova fábrica de 5G” no Brasil em março deste ano. O que foi inaugurado foi uma linha de produção de equipamentos de infraestrutura para a tecnologia 5G, chamados de rádio, dentro da sua unidade em São José dos Campos (SP). Não houve “sigilo” na obra: ela foi anunciada publicamente em 2019. 

Além disso, a execução não contou com recursos do governo federal. Logo, não houve nenhuma influência do governo Bolsonaro para que o projeto saísse do papel. “Trata-se de uma iniciativa da Ericsson, sem qualquer financiamento público”, afirmou a assessoria de imprensa da companhia, em nota enviada por e-mail

A Ericsson anunciou em 2019 que investiria R$ 1 bilhão em pesquisa, desenvolvimento e produção de 5G no Brasil entre 2020 e 2025. As redes desse tipo começaram a ser instaladas em vários países naquele ano. Segundo a assessoria de imprensa da empresa, a ideia é abastecer todos os mercados da América Latina com esses equipamentos. A multinacional prevê exportar 1 milhão de rádios 5G até 2025. O Brasil também deve vir a se tornar um dos consumidores desses produtos quando a tecnologia começar a ser adotada no país, o que deve ocorrer em 2022

A implementação do 5G no país está atrasada e depende ainda da realização de um leilão das faixas de frequência disponíveis entre as operadoras de telefonia, que vão fornecer o serviço para a população. O governo federal promete fazer isso até junho deste ano. A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) aprovou o edital com as regras da disputa em fevereiro. A execução do processo, no entanto, ainda depende de uma avaliação do Tribunal de Contas da União (TCU).

Entre os itens incluídos no leilão está a criação de uma rede privativa de comunicação para o governo federal, que deve seguir critérios específicos. As restrições impedem a chinesa Huawei, uma das principais fabricantes de equipamentos 5G do mundo, de executar esse trabalho. Ao contrário do que diz o post, a empresa, no entanto, poderá fornecer equipamentos para a montagem da infraestrutura das redes comerciais oferecidas pelas operadoras de telefonia no país. A Huawei é alvo de pressão dos Estados Unidos, que tentam fazer outros países não adotarem seus produtos, alegando falta de segurança. A acusação, no entanto, nunca foi comprovada.

O post cita, ainda, uma suposta “fábrica de vacinas [contra Covid-19] construída com sigilo absoluto”. Essa afirmação é completamente fantasiosa, e foi verificada pela Lupa em março.

Nota:‌ ‌esta‌ ‌reportagem‌ ‌faz‌ ‌parte‌ ‌do‌ ‌‌projeto‌ ‌de‌ ‌verificação‌ ‌de‌ ‌notícias‌‌ ‌no‌ ‌Facebook.‌ ‌Dúvidas‌ sobre‌ ‌o‌ ‌projeto?‌ ‌Entre‌ ‌em‌ ‌contato‌ ‌direto‌ ‌com‌ ‌o‌ ‌‌Facebook‌.

Editado por: Chico Marés

O conteúdo produzido pela Lupa é de inteira responsabilidade da agência e não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.

A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos

A Lupa está infringindo esse código? Clique aqui e fale com a IFCN

 

Esse conteúdo foi útil?

1 2 3 4 5

Você concorda com o resultado desta checagem?

Sim Não

Leia também

SIGNATORY- International Fact-Checking Network
Etiquetas
VERDADEIRO
A informação está comprovadamente correta
VERDADEIRO, MAS
A informação está correta, mas o leitor merece mais explicações
AINDA É CEDO PARA DIZER
A informação pode vir a ser verdadeira. Ainda não é
EXAGERADO
A informação está no caminho correto, mas houve exagero
CONTRADITÓRIO
A informação contradiz outra difundida antes pela mesma fonte
SUBESTIMADO
Os dados são mais graves do que a informação
INSUSTENTÁVEL
Não há dados públicos que comprovem a informação
FALSO
A informação está comprovadamente incorreta
DE OLHO
Etiqueta de monitoramento
Seções
Arquivo