A PRIMEIRA AGÊNCIA DE FACT-CHECKING DO BRASIL

#Verificamos: É falso que Fauci disse em e-mail que coronavírus era ‘fruto da engenharia genética’

Repórter | Rio de Janeiro | lupa@lupa.news
02.jun.2021 | 17h48 |

Circula pelas redes sociais a informação de que o diretor dos Institutos Nacionais de Alergia e Doenças Infecciosas dos Estados Unidos Anthony Fauci disse que as máscaras são inúteis no combate à Covid-19 e que o vírus aparentava ser fruto da “engenharia genética”. Por meio do ​projeto de verificação de notícias​, usuários do Facebook solicitaram que esse material fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação da Lupa:

“Bomba atômica: vazam e-mails do Dr. Fauci, da Casa Branca, afirmando que o vírus chinês aparenta ser fruto de engenharia genética”

Texto de imagem publicada no Facebook que, até 17h do dia 2 de junho de 2021, havia sido visualizada por 31 mil pessoas

FALSO

A informação analisada pela Lupa é falsa. Nesta semana, o Buzzfeed News teve acesso, via Freedom of Information Act (equivalente à Lei de Acesso à Informação brasileira), a mais de 3.200 e-mails de Anthony Fauci, diretor dos Institutos Nacionais de Alergia e Doenças Infecciosas dos Estados Unidos. Em nenhum deles Fauci diz que o vírus “aparenta ser fruto da engenharia genética”.

O texto, publicado no site Politz, tem como “prova” dessa informação uma troca de e-mails de Fauci com uma pessoa chamada Kristian, provavelmente o biólogo Kristian Andersen, em 1º de fevereiro de 2020. No primeiro e-mail, Fauci recomenda a leitura de um artigo jornalístico — e não científico — publicado na revista Science intitulado “Mining coronavirus genomes for clues to the outbreak’s origins” (Minando os genomas do coronavírus para ter pistas da origem do surto, em português). O texto não sugere que o vírus seria criado em laboratório, apenas explica o trabalho que está sendo feito por cientistas para descobrir de onde o vírus surgiu.

Kristian responde dizendo que não só leu o artigo, como é citado nele. E diz ainda que ele e outros cientistas acham que o genoma do vírus é “inconsistente” com expectativas baseadas na teoria da evolução (ou seja, ele teria sido criado em laboratório), mas que uma análise muito mais detalhada precisaria ser feita para comprovar ou desmentir essa impressão. Fauci responde apenas “obrigado, conversarei contigo em breve em uma chamada”.

Em março de 2020, Kristian Andersen publicou artigo na revista Nature Medicine no qual dizia que, pelas evidências atuais, o SARS-Cov-2 não era “um vírus manipulado propositalmente”, mas que ainda não era possível concluir qual a sua origem.


 

“[Em e-mail, Dr. Fauci afirmou a] inutilidade de máscaras”

Texto de imagem publicada no Facebook que, até 17h do dia 2 de junho de 2021, havia sido visualizada por 31 mil pessoas

VERDADEIRO, MAS

De fato, em um dos e-mails, de 5 de fevereiro de 2020, Fauci disse que o uso de máscaras só era necessário para pessoas infectadas. “Máscaras são mais para pessoas infectadas evitarem espalhar a infecção do que para proteger pessoas de adquirirem a infecção. A máscara comum que você compra na farmácia não é realmente eficiente para evitar o vírus, que é pequeno o suficiente para passar pelo material. De qualquer forma, ela pode dar um pequeno benefício protegendo de partículas de saliva maiores, caso alguém tussa ou espirre em você. Eu não recomendo que você use máscara, particularmente porque você vai para um local de muito baixo risco”, escreveu Fauci.

Contudo, isso não é novidade. Ele fez essa mesma afirmação publicamente em diversas ocasiões. No início da pandemia, a orientação dada pelo governo norte-americano era de que máscaras deveriam ser usadas somente por pessoas infectadas e profissionais de saúde. Até aquele momento, ainda havia poucas informações científicas sobre as formas de transmissão da Covid-19. Nos EUA, a pandemia ganhou proporção em março daquele ano, quando o número de novos casos alcançou a casa dos milhares por dia. O governo norte-americano mudou de posição em 3 de abril de 2020, quando passou a recomendar o uso de máscaras de pano a todos os cidadãos. 

Dias antes, em 1º de abril de 2020, o uso de máscaras por “qualquer pessoa” passou a ser recomendado pelo Ministério da Saúde brasileiro. Assim como nos EUA, a indicação até então era para que apenas profissionais da saúde e pessoas com sintomas ou casos confirmados de Covid-19 usassem a proteção. O então ministro da pasta, Luiz Henrique Mandetta, disse que a mudança de posicionamento do ministério ocorria com base em estudos científicos que indicavam o uso de máscaras no combate à Covid-19.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) só oficializou a mudança de posição em 5 de junho de 2020, quando anunciou que estudos atestaram a importância do uso de máscaras. Até então, a entidade afirmava que não havia evidências suficientes para recomendar que pessoas saudáveis utilizassem-nas.

Nota:‌ ‌esta‌ ‌reportagem‌ ‌faz‌ ‌parte‌ ‌do‌ ‌‌projeto‌ ‌de‌ ‌verificação‌ ‌de‌ ‌notícias‌‌ ‌no‌ ‌Facebook.‌ ‌Dúvidas‌ sobre‌ ‌o‌ ‌projeto?‌ ‌Entre‌ ‌em‌ ‌contato‌ ‌direto‌ ‌com‌ ‌o‌ ‌‌Facebook‌.

Editado por: Chico Marés

O conteúdo produzido pela Lupa é de inteira responsabilidade da agência e não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.

A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos

A Lupa está infringindo esse código? Clique aqui e fale com a IFCN

 

Esse conteúdo foi útil?

1 2 3 4 5

Você concorda com o resultado desta checagem?

Sim Não

Leia também

SIGNATORY- International Fact-Checking Network
Etiquetas
VERDADEIRO
A informação está comprovadamente correta
VERDADEIRO, MAS
A informação está correta, mas o leitor merece mais explicações
AINDA É CEDO PARA DIZER
A informação pode vir a ser verdadeira. Ainda não é
EXAGERADO
A informação está no caminho correto, mas houve exagero
CONTRADITÓRIO
A informação contradiz outra difundida antes pela mesma fonte
SUBESTIMADO
Os dados são mais graves do que a informação
INSUSTENTÁVEL
Não há dados públicos que comprovem a informação
FALSO
A informação está comprovadamente incorreta
DE OLHO
Etiqueta de monitoramento
Seções
Arquivo