A PRIMEIRA AGÊNCIA DE FACT-CHECKING DO BRASIL

#Verificamos: É falso que Wall Street Journal citou estatais, obras estruturais e fábrica de vacinas em reportagem sobre PIB brasileiro

Editor | Rio de Janeiro | lupa@lupa.news
07.jun.2021 | 15h01 |

Circula no WhatsApp que o jornal americano The Wall Street Journal publicou uma reportagem sobre o crescimento econômico do Brasil no último trimestre. De acordo com o texto que circula nas redes, a reportagem falava sobre “estatais dando lucros jamais vistos”, “criminalidade despencando”, “obras estruturais em pleno vapor” e construção de “fábrica de vacinas”. Por WhatsApp, leitores da Lupa sugeriram que esse conteúdo fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação​:

“Capa do Wall Street Journal (…) relata como a economia brasileira voltou ao patamar antes da Covid-19”
Texto que circula no WhatsApp

VERDADEIRO, MAS

Em 2 de junho, o jornal The Wall Street Journal publicou reportagem, com destaque na capa, sobre o crescimento econômico do Brasil no último trimestre. O texto, intitulado “Brazil’s Economy Bounce Back While Covid-19 Still Rages” (“Economia brasileira se recupera, enquanto a Covid-19 ainda devasta o país”, em português), fala sobre o crescimento de 1,2% do Produto Interno Bruto (PIB) no último trimestre e o retorno da economia a patamares pré-Covid-19 (fato que, ao contrário do que a mensagem sugere, foi noticiado por todos os principais jornais brasileiros, incluindo Folha de S.Paulo, Estado de S.Paulo, O Globo e Valor Econômico). Apesar de destacar pontos positivos sobre a economia do país, o texto também critica a má condução da pandemia por parte das autoridades, incluindo o presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

A reportagem aponta que a economia cresceu estimulada pelo desempenho no setor agrícola (5,7%) e nos investimentos (4,6%) e cita pacotes de estímulo, especialmente o auxílio emergencial, como ferramentas importantes para um desempenho melhor que o de países vizinhos. O texto diz, porém, que muito do aumento no PIB veio da “demanda represada durante a pandemia”, e que o país tem “dificuldades de diversificar a economia” para além das commodities.

O texto também critica o alto número de mortes por Covid-19 no país. “Enquanto os brasileiros enchem shoppings e bares, cerca de 77 pessoas ainda estão morrendo de Covid-19 por hora no país. Mais de 460 mil brasileiros morreram da doença até agora. Especialistas em saúde pública culpam a conduta leniente do país durante a pandemia pela criação das condições para o surgimento da variante P.1, que se espalhou para mais de 30 países e causa tragédias em toda a América Latina”, afirma a reportagem.


“Na matéria relata (…) criminalidade dispencando (sic) em níveis mais baixo da história (sic). Recordes de produção de Grãos e se tornando o maior exportador de carne do mundo. Estatais dando lucros jamais vistos. Obras estruturais de ferrovias e rodovias a pleno vapor. Além da construção no RJ da fábrica de vacinas para 600 milhões de doses anual que ficará pronta em Novembro”
Texto que circula no WhatsApp

FALSO

De todas as informações elencadas, a única que é, de fato, citada na reportagem é o recorde na produção de grãos. Nenhuma das outras afirmações que aparecem na mensagem são citadas na matéria. Algumas delas, como o Brasil ter atualmente o “nível de criminalidade mais baixo da história”, são flagrantemente falsas.

A reportagem fala que o setor agropecuário foi importante para a recuperação econômica do país. “O poderoso setor agrícola brasileiro também protegeu a economia do país do pior durante a pandemia. A moeda fraca ajudou, impulsionando exportações”, diz o texto. “Os produtores agrícolas colheram uma safra recorde de soja no primeiro trimestre, e o preço alto das commodities no mercado global também impulsionou as receitas”. Não há qualquer menção sobre a exportação de carne.

Esta‌ ‌verificação ‌foi sugerida por leitores através do WhatsApp da Lupa. Caso tenha alguma sugestão de verificação, entre em contato conosco pelo número +55 21 99193-3751.

Editado por: Marcela Duarte

O conteúdo produzido pela Lupa é de inteira responsabilidade da agência e não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.

A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos

A Lupa está infringindo esse código? Clique aqui e fale com a IFCN

 

Esse conteúdo foi útil?

1 2 3 4 5

Você concorda com o resultado desta checagem?

Sim Não

Leia também

SIGNATORY- International Fact-Checking Network
Etiquetas
VERDADEIRO
A informação está comprovadamente correta
VERDADEIRO, MAS
A informação está correta, mas o leitor merece mais explicações
AINDA É CEDO PARA DIZER
A informação pode vir a ser verdadeira. Ainda não é
EXAGERADO
A informação está no caminho correto, mas houve exagero
CONTRADITÓRIO
A informação contradiz outra difundida antes pela mesma fonte
SUBESTIMADO
Os dados são mais graves do que a informação
INSUSTENTÁVEL
Não há dados públicos que comprovem a informação
FALSO
A informação está comprovadamente incorreta
DE OLHO
Etiqueta de monitoramento
Seções
Arquivo