A PRIMEIRA AGÊNCIA DE FACT-CHECKING DO BRASIL

#Verificamos: É falso que Argentina bloqueou ‘todas as contas bancárias’ da população

Repórter (especial para a Lupa) | Rio de Janeiro | lupa@lupa.news
09.jun.2021 | 14h45 |

Circula pelas redes sociais que na Argentina, todas as contas bancárias da população foram bloqueadas. A publicação sugere que isso aconteceu porque os argentinos “votaram na esquerda maldita”, em referência ao atual presidente do país, Alberto Fernández, do Partido Justicialista. Por meio do ​projeto de verificação de notícias​, usuários do Facebook solicitaram que esse material fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação da Lupa:

“Todas as contas bancárias bloqueadas!
Viva o socialismo.
Muito triste!
Não souberam votar, votaram na esquerda maldita
(…)”

Texto em post que circula no Facebook que, até as 18h de 8 de junho de 2021, tinha mais de 160 compartilhamentos

FALSO

A informação analisada pela Lupa é falsa. O governo argentino não bloqueou todas as contas bancárias da população. Na verdade, em agosto de 2020, o Banco Central da República da Argentina (BCRA) suspendeu 14.728 contas suspeitas de realizar operações de compra e venda de dólares acima do que é permitido por lei (200 dólares). Essa manobra era feita pelos chamados “coleros digitales”, que são pessoas ou mesmo organizações que usam bancos digitais para abrir novas contas e, por meio delas, receber pesos (moeda oficial da Argentina), comprar dólares e transferi-los para outra conta. A suspensão de algumas contas foi baseada na suspeita de “falsas declarações em operações de câmbio”, infração prevista na Ley Penal Cambiária (Lei Penal Cambial). Essa lei é de 1971 e não tem qualquer relação com a gestão do atual presidente Alberto Fernández. O boato circulou pela primeira vez ainda no ano passado e voltou a viralizar em maio de 2021. 

A manobra dos “coleros digitales” começou a ser detectada pelo BCRA no início de julho do ano passado, quando a organização identificou contas que receberam várias transferências de US$ 200 ou menos no mesmo mês, geralmente de contas bancárias digitais.

Vale pontuar que os argentinos têm o hábito de comprar dólares porque o peso tende a sofrer grandes desvalorizações. Em 27 de outubro de 2019 o Banco Central do país vizinho determinou um limite de compra de até US$ 200 por mês por meio de contas bancárias e de até US$ 100 por mês para a aquisição em dinheiro. Essa decisão, que foi tomada ainda durante a gestão de Maurício Macri, teve o objetivo de evitar que as reservas internacionais continuassem caindo e a moeda local se desvalorizasse ainda mais. 

Apesar de as contas suspeitas terem sido suspensas, isso não significa que o dinheiro tenha sido confiscado. Depois que as transferências são explicadas e normalizadas, as contas voltam a ficar disponíveis.

Esse conteúdo também foi verificado pelo Estadão Verifica, Boatos.org e Observador.

Nota:‌ ‌esta‌ ‌reportagem‌ ‌faz‌ ‌parte‌ ‌do‌ ‌‌projeto‌ ‌de‌ ‌verificação‌ ‌de‌ ‌notícias‌‌ ‌no‌ ‌Facebook.‌ ‌Dúvidas‌ sobre‌ ‌o‌ ‌projeto?‌ ‌Entre‌ ‌em‌ ‌contato‌ ‌direto‌ ‌com‌ ‌o‌ ‌‌Facebook‌.

Editado por: Chico Marés

O conteúdo produzido pela Lupa é de inteira responsabilidade da agência e não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.

A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos

A Lupa está infringindo esse código? Clique aqui e fale com a IFCN

 

Esse conteúdo foi útil?

1 2 3 4 5

Você concorda com o resultado desta checagem?

Sim Não

Leia também

SIGNATORY- International Fact-Checking Network
Etiquetas
VERDADEIRO
A informação está comprovadamente correta
VERDADEIRO, MAS
A informação está correta, mas o leitor merece mais explicações
AINDA É CEDO PARA DIZER
A informação pode vir a ser verdadeira. Ainda não é
EXAGERADO
A informação está no caminho correto, mas houve exagero
CONTRADITÓRIO
A informação contradiz outra difundida antes pela mesma fonte
SUBESTIMADO
Os dados são mais graves do que a informação
INSUSTENTÁVEL
Não há dados públicos que comprovem a informação
FALSO
A informação está comprovadamente incorreta
DE OLHO
Etiqueta de monitoramento
Seções
Arquivo