Tem certeza que deseja sair da sua conta?
Pedro França/Agência Senado
Pedro França/Agência Senado

Na CPI, deputado denunciante diz que não responde a ações penais, mas omite processos cíveis

Rio de Janeiro | lupa@lupa.news
28.jun.2021 | 12h00 |

Nesta sexta-feira (25), os irmãos Luis Ricardo Fernandes Miranda, servidor do Ministério da Saúde, e Luis Miranda (DEM-DF), deputado federal, prestaram depoimento na CPI da Covid. Eles detalharam as negociações da vacina Covaxin, produzida pelo laboratório indiano Bharat Biotech. Luis Ricardo depôs como convidado após a CPI ter tido acesso ao depoimento dele ao Ministério Público Federal (MPF), em investigações sobre supostas irregularidades na importação do imunizante indiano intermediado pela brasileira Precisa Medicamentos.

Outros depoentes na CPI da Covid foram Osmar Terra (MDB-RS), deputado federal; Elcio Franco, ex-secretário-executivo do Ministério da Saúde; Marcelo Queiroga, atual ministro da Saúde; a médica Nise Yamaguchi; Dimas Covas, diretor do Instituto Butantan; Mayra Pinheiro, secretária de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde do Ministério da Saúde; Eduardo Pazuello, Luiz Henrique Mandetta e Nelson Teich, ex-ministros da Saúde, além de Ernesto Araújo, ex-chanceler.

A Lupa verificou algumas das declarações de Luis Miranda. Confira a seguir o trabalho de verificação:

“Não respondo em um processo criminal e não tenho nenhuma condenação”
Luis Miranda (DEM-DF), deputado federal, em depoimento na CPI da Covid no Senado no dia 25 de junho de 2021

VERDADEIRO, MAS

O deputado federal Luis Miranda (DEM-DF) não responde, atualmente, a nenhum processo criminal, e não tem condenação nessa esfera. Contudo, ele já respondeu a várias ações, incluindo uma na esfera criminal por estelionato, e há processos em andamento na esfera cível. Na esfera eleitoral, ele foi alvo de quatro ações no Tribunal Regional Eleitoral (TRE) do Distrito Federal relacionadas a compra de votos e abuso de poder econômico durante a campanha de 2018.

Ele também respondeu a uma ação trabalhista envolvendo a Fitcorpus, clínica de estética que criou em 2008. A venda de franquias dessa clínica também gerou processos contra o parlamentar. Em uma consulta ao Tribunal de Justiça do Distrito Federal, ele é citado em 16 processos de primeira instância. Somente em duas dessas 16 ações Miranda não é a parte executada, ou seja, a parte que está sendo processada. 

Em 2019, uma denúncia feita ao TRE-DF alegava que o então pré-candidato tinha realizado o sorteio de celulares aos seguidores que mais interagissem em uma live transmitida em 14 de agosto de 2018, dois dias antes do começo oficial da campanha. O resultado do sorteio foi divulgado em 18 de agosto, quando a campanha já havia começado. O TRE-DF rejeitou as acusações e decidiu manter o mandato do parlamentar por entender que não havia provas que configurassem compra de votos. 

No mesmo ano, o Ministério Público acusou o parlamentar e outras duas pessoas de apresentarem um cheque falso para pagar dívida de um aluguel de imóvel realizado em 2010. Também em 2019, a Justiça do Trabalho mandou penhorar 30% do salário de Miranda para pagar uma dívida trabalhista de 2012 a uma ex-funcionária da clínica de estética Fitcorpus. 

Ainda em 2019, uma reportagem do Fantástico, da TV Globo, mostrou 25 pessoas que afirmaram ter sido vítimas de promessas de investimentos (ele vendia franquias da clínica Fitcorpus) não cumpridas pelo ex-youtuber e empresário. Miranda sofreu pelo menos 26 ações na Justiça de franqueados, sócios, pacientes e ex-funcionários. 

Em 2020, o parlamentar foi processado por não pagar um carro de luxo, um Porsche Cayenne. A proprietária alegou que vendeu o veículo por meio de procuração e que ele não teria pagado pelo bem. Em fevereiro deste ano, o juiz titular da 25ª Vara Cível de Brasília negou um pedido para revogar a liminar que o obrigou a devolver o Porsche, bem como seu requerimento para substituir a entrega do carro por um equipamento de depilação. De acordo com a determinação, o parlamentar deve pagar à autora multa por litigância de má-fé.

Em nota, a assessoria do deputado disse apenas que “reafirma o posicionamento do parlamentar”. 


E que, diga-se de passagem, está envolvida [Precisa Medicamentos] também em um recente escândalo aqui no Distrito Federal.”
Luis Miranda (DEM-DF), deputado federal, em depoimento na CPI da Covid no Senado no dia 25 de junho de 2021

VERDADEIRO

Além de ser alvo da CPI da Covid por supostas irregularidades na compra de 20 milhões de doses da vacina Covaxin pelo governo federal, a Precisa Medicamentos é investigada como parte de um processo do Tribunal de Contas do Distrito Federal (TCDF) que apura problemas na aquisição de 150 mil testes rápidos de Covid pelo governo local.

O TCDF chegou a restringir os pagamentos feitos pelo DF à empresa em dezembro do ano passado. Além disso, a Precisa foi citada no âmbito da operação Falso Negativo, que terminou com a prisão do ex-secretário de Saúde Francisco Araújo. Segundo os investigadores, há indícios de que a empresa foi beneficiada em processos de compra dos testes.

Editado por: Chico Marés

O conteúdo produzido pela Lupa é de inteira responsabilidade da agência e não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.

A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos

A Lupa está infringindo esse código? Clique aqui e fale com a IFCN

 

Esse conteúdo foi útil?

1 2 3 4 5

Você concorda com o resultado desta checagem?

Sim Não

Leia também

SIGNATORY- International Fact-Checking Network
Etiquetas
VERDADEIRO
A informação está comprovadamente correta
VERDADEIRO, MAS
A informação está correta, mas o leitor merece mais explicações
AINDA É CEDO PARA DIZER
A informação pode vir a ser verdadeira. Ainda não é
EXAGERADO
A informação está no caminho correto, mas houve exagero
CONTRADITÓRIO
A informação contradiz outra difundida antes pela mesma fonte
SUBESTIMADO
Os dados são mais graves do que a informação
INSUSTENTÁVEL
Não há dados públicos que comprovem a informação
FALSO
A informação está comprovadamente incorreta
DE OLHO
Etiqueta de monitoramento
Seções
Arquivo