Tem certeza que deseja sair da sua conta?

#Verificamos: Decisão do TSE de retirar comentário de Jabor do ar é de 2006, e não tem relação com texto que circula nas redes

Repórter | Rio de Janeiro | lupa@lupa.news
30.jun.2021 | 19h49 |

Circula pelas redes sociais um texto supostamente escrito pelo cineasta e jornalista Arnaldo Jabor, com críticas aos ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e Dilma Rousseff (PT). A mensagem diz que esse artigo foi censurado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), acatando um pedido do próprio Lula. Por WhatsApp, leitores da Lupa sugeriram que esse conteúdo fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação​:

URGENTE !!! Decisão do TSE determinou a retirada de comentário de ARNALDO JABOR do _site_ da CBN, a pedido do ex-presidente LULA, e feriu preceito constitucional da LIBERDADE de IMPRENSA (…) *Veja o que escreveu ARNALDO JABOR”
Texto que circula pelo WhatsApp

FALSO

Diferente do que a mensagem do WhatsApp afirma, o artigo “A verdade está na cara, mas não se impõe”, publicado por Arnaldo Jabor no jornal O Globo, e não na CBN, não foi “censurado” pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Na verdade, o TSE multou a CBN e determinou a retirada do site de um comentário feito por Jabor em outra ocasião, no mesmo ano.

Na eleição de 2006, na qual Lula foi reeleito presidente, Jabor comentou, após um debate entre os candidatos, que havia dois lados no país — um estaria na posição de “choque de capitalismo” e, do outro, um “socialismo deformado”. A Coligação A Força do Povo, chapa pela qual Lula concorria à reeleição, ingressou com uma ação pedindo a retirada desse comentário, alegando que ele feria a lei eleitoral.

Na época, o ministro Ari Pargendler entendeu que “houve uma avaliação ideológica de cada candidato, pintando de forma muito colorida um deles e denegrindo o outro” na fala de Jabor, e entendeu que a fala feriu a lei eleitoral.

Já o texto publicado por Jabor no O Globo, com duras críticas ao então presidente, não foi escrito durante o período eleitoral, e sim no mês de abril daquele ano, e tampouco foi veiculado em uma rádio, e sim escrito em um jornal. Esse texto não foi retirado do ar pelo TSE.


“O que foi que nos aconteceu?” No Brasil, estamos diante de acontecimentos inexplicáveis, ou melhor, ‘explicáveis’ até demais. Quase toda a verdade já foi descoberta, quase todos os crimes provados, quase todas as mentiras percebidas. Tudo já aconteceu e quase nada acontece.

Parte dos culpados estão catalogados, fichados, processados e condenados e quase nada rola.

A verdade está na cara, mas a verdade não se impõe, tais são as manobras de procrastinação, movidas por um sem número de agentes da quadrilha. Isto é uma situação inédita na História brasileira!!! Nunca a verdade foi tão límpida à nossa frente e, no entanto, tão inútil, impotente e desfigurada!!! Os fatos reais mostram que, com a eleição de LULA, uma quadrilha se enfiou no Governo, de cabo a rabo da máquina pública, e desviou bilhões de dinheiro público para encher as contas bancárias dos quadrilheiros e dominar o Estado Brasileiro, tendo em vista se perpetuarem no Poder, pelo menos, por 70 anos, como fizeram os outros comunas, com a extinta UNIÃO SOVIÉTICA!!! Grande parte dos culpados, já é conhecida, quase tudo está decifrado, os cheques assinados, as contas no estrangeiro, os _tapes_, as provas irrefutáveis, mas os governos psicopatas de LULA e DILMA negam e ignoram tudo!!! Questionado ou flagrado, o psicopata CHEFE não se responsabiliza por suas ações. Sempre se acha inocente ou vítima do mundo, do qual tem de se vingar. O outro não existe para ele e não sente nem remorso, nem vergonha do que fez!!! Mente, compulsivamente, acreditando na própria mentira, para conseguir o Poder. Estes governos são psicopatas!!! Seus membros riem da verdade, viram-lhe as costas, passam-lhe a mão nas nádegas. A verdade se encolhe, humilhada, num canto. E o pior, é que a dupla LULA-DILMA, amparada em sua imagem de ‘povo’, consegue transformar a Razão em vilã, as provas, em acusações ‘falsas’, a condição de Cúmplices e Comandantes, em ‘vítimas’!!! E a população, ignorante e alienada, engole tudo. Como é possível isso? Simples: o Judiciário, paralítico, entoca a maioria dos crimes, na Fortaleza da LENTIDÃO e da IMPUNIDADE, a exceção do STF, que, mp qual, só daqui a seis meses, na melhor das hipóteses, serão concluídos os julgamentos iniciais da trupe (diz o STF). Parte dos delitos é esquecida, empacotada, prescreve, com a ajuda sempre presente, dos TÓFFOLIS e dos LEVANDOWISKIS. (Some-se à estes dois: MARCO AURÉLIO, GILMAR MENDES e ROSA WEBER).

A LEI protege os crimes e regulamenta a própria desmoralização. (…)”
Texto atribuído a Arnaldo Jabor que circula pelo WhatsApp

EXAGERADO

O texto compartilhado no WhatsApp é uma versão distorcida de um artigo escrito pelo cineasta e jornalista Arnaldo Jabor em abril de 2006 para o jornal O Globo. Alguns dos trechos foram, de fato, escritos pelo jornalista. Outros, foram incluídos por terceiros — nesses, há graves erros de grafia, como o nome “Levandowiskis” para se referir ao ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Ricardo Lewandowski, e concordância, como “esse governo são psicopatas”. Outros, ainda, foram modificados para incluir ou remover palavras. O texto de Jabor pode ser lido na íntegra aqui (página 8 do segundo caderno).

O artigo publicado originalmente por Jabor, intitulado “A verdade está na cara, mas não se impõe”, critica a impunidade de Lula diante de acusações de corrupção, e também a atuação do Poder Judiciário na época. O texto que circula nas redes traz alguns trechos desse artigo, mas omite outros, incluindo um trecho no qual o autor diz “não esquecemos a supressão, a proibição da verdade na ditadura”.

Algumas partes do texto foram editadas para incluir o nome da ex-presidente Dilma Rousseff (PT), que, na época em que o texto foi publicado, era ministra-chefe da Casa Civil. Em momento algum ela é citada no texto original. Trechos também foram alterados para incluir palavras escritas inteiramente com letras maiúsculas (como LULA, DILMA e LEI), algo em desacordo com a norma culta e o manual de redação do jornal O Globo.

Outros trechos foram incluídos posteriormente, como referências aos “comunas” da extinta União Soviética e outras com ofensas aos ministros do STF Lewandowski, Marco Aurélio Mello, Gilmar Mendes, Rosa Weber e Dias Toffoli — os dois últimos não tinham sido nomeados quando o texto original foi publicado.

Boatos

A Lupa já verificou outros textos que foram atribuídos a Jabor. Em março do ano passado, por exemplo, circulou pelas redes sociais um texto falsamente atribuído ao comentarista que trazia elogios ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido). A mensagem dizia que Bolsonaro tem um jeito deselegante que incomoda “artistas, jornalistas, feministas mal amadas e complexadas, homens frágeis, covardes, oportunistas”. A Lupa mostrou que o texto não havia sido escrito por Jabor. Em vídeo negando a autoria do texto, ele classificou Bolsonaro e o vice como “dois nazistas que podem transformar o Brasil numa desgraça definitiva”.

Essa informação também foi verificada pelo Estadão Verifica

Esta‌ ‌verificação ‌foi sugerida por leitores através do WhatsApp da Lupa. Caso tenha alguma sugestão de verificação, entre em contato conosco pelo número +55 21 99193-3751.

Editado por: Chico Marés

O conteúdo produzido pela Lupa é de inteira responsabilidade da agência e não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.

A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos

A Lupa está infringindo esse código? Clique aqui e fale com a IFCN

 

Esse conteúdo foi útil?

1 2 3 4 5

Você concorda com o resultado desta checagem?

Sim Não

Leia também

SIGNATORY- International Fact-Checking Network
Etiquetas
VERDADEIRO
A informação está comprovadamente correta
VERDADEIRO, MAS
A informação está correta, mas o leitor merece mais explicações
AINDA É CEDO PARA DIZER
A informação pode vir a ser verdadeira. Ainda não é
EXAGERADO
A informação está no caminho correto, mas houve exagero
CONTRADITÓRIO
A informação contradiz outra difundida antes pela mesma fonte
SUBESTIMADO
Os dados são mais graves do que a informação
INSUSTENTÁVEL
Não há dados públicos que comprovem a informação
FALSO
A informação está comprovadamente incorreta
DE OLHO
Etiqueta de monitoramento
Seções
Arquivo