A PRIMEIRA AGÊNCIA DE FACT-CHECKING DO BRASIL

Tem certeza que deseja sair da sua conta?

#Verificamos: É falso que TSE anulou intencionalmente 7,2 milhões de votos em 2018

Repórter | Rio de Janeiro | lupa@lupa.news
28.jul.2021 | 16h31 |

Circula pelas redes sociais que o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) teria anulado 7,2 milhões de votos nas urnas eletrônicas no primeiro turno das eleições presidenciais de 2018. O texto indica que o órgão precisaria esclarecer o motivo desses votos terem sido anulados, uma vez que o montante seria suficiente para eleger o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) na primeira etapa da disputa. Por WhatsApp, leitores da Lupa sugeriram que esse conteúdo fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação​:

“TSE informa_ 7,2 milhões de votos anulados pelas urnas! A diferença de votos que levaria à vitória de Bolsonaro no primeiro turno foi de menos de 2 milhões .

O TSE tem obrigação de esclarecer os motivos que levaram à anulação de mais de 7,2 milhões de votos que representam 6,2% do total. A anulação só pode acontecer em voto de papel, porque permite rasuras ou ambiguidade.

Se você enviar para apenas 20 contatos em um minuto, o Brasil inteiro vai desmascarar este Bandido. NÃO quebre essa corrente. Os incautos precisam ser esclarecidos antes que seja tarde demais…”

Texto em imagem publicada no WhatsApp

FALSO

A informação analisada pela Lupa é falsa. O texto distorce informações para insinuar, incorretamente, que o presidente Jair Bolsonaro teria vencido no primeiro turno das eleições de 2018. O TSE define que o voto é nulo quando o eleitor preenche na urna eletrônica um número que não pertence a nenhum candidato. Trata-se de uma opção implementada no equipamento para permitir um tipo de escolha que existia na votação impressa.

Um eleitor pode digitar uma combinação que não existe como forma de protesto, uma vez que não apoia nenhum dos políticos que participam da disputa. Nesse caso, a urna eletrônica avisa sobre a inexistência do candidato com aquele número e dá a oportunidade para que a pessoa corrija os dados e digite novamente. O equipamento só vai identificar um voto como nulo se for confirmada a combinação errada. 

Assim como os outros tipos de votos, os nulos são somados e divulgados no final da votação. No primeiro turno das eleições de 2018, o total de votos anulados foi de 7,2 milhões, o que corresponde a 6,14% do total. Embora o número indicado no texto esteja correto, é falsa a conclusão de que 7,2 milhões de eleitores tentaram votar no Bolsonaro e não conseguiram. 

Também vale pontuar que votos nulos sempre são registrados nas eleições. No segundo turno das eleições de 2014, quando a presidente Dilma Rousseff (PT) foi eleita, por exemplo, 5,2 milhões de eleitores decidiram anular o voto. Antes disso, no segundo turno de 2010, 4,6 milhões de brasileiros anularam. Os resultados dessa e de outras eleições estão disponíveis no site do TSE.

Esta‌ ‌verificação ‌foi sugerida por leitores através do WhatsApp da Lupa. Caso tenha alguma sugestão de verificação, entre em contato conosco pelo número +55 21 99193-3751.

Editado por: Maurício Moraes e Chico Marés

O conteúdo produzido pela Lupa é de inteira responsabilidade da agência e não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.

A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos

A Lupa está infringindo esse código? Clique aqui e fale com a IFCN

 

Esse conteúdo foi útil?

1 2 3 4 5

Você concorda com o resultado desta checagem?

Sim Não

Leia também

SIGNATORY- International Fact-Checking Network
Etiquetas
VERDADEIRO
A informação está comprovadamente correta
VERDADEIRO, MAS
A informação está correta, mas o leitor merece mais explicações
AINDA É CEDO PARA DIZER
A informação pode vir a ser verdadeira. Ainda não é
EXAGERADO
A informação está no caminho correto, mas houve exagero
CONTRADITÓRIO
A informação contradiz outra difundida antes pela mesma fonte
SUBESTIMADO
Os dados são mais graves do que a informação
INSUSTENTÁVEL
Não há dados públicos que comprovem a informação
FALSO
A informação está comprovadamente incorreta
DE OLHO
Etiqueta de monitoramento
Seções
Arquivo