Tem certeza que deseja sair da sua conta?

#Verificamos: Vídeo em que Lula critica Bolsonaro foi manipulado para parecer que petista estava bêbado

Repórter | Rio de Janeiro | lupa@lupa.news
02.ago.2021 | 17h10 |

Circula pelo WhatsApp um vídeo em que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) aparece falando devagar e fazendo críticas ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido). Uma legenda que acompanha a gravação afirma que o petista está “completamente alcoolizado”, lamentando que um ex-presidente se exponha publicamente “nesse estado vexatório”. Por WhatsApp, leitores da Lupa sugeriram que esse conteúdo fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação​:

“Triste fim para um senhor idoso [Luiz Inácio Lula da Silva] de 75 anos, ainda mais vergonhoso para um ex-presidente se expondo nesse estado vexatório publicamente. Pelo menos a família poderia ajudar… Completamente alcoolizado! 🥃”
Legenda de vídeo que circula em grupos de WhatsApp

FALSO

A informação analisada pela Lupa é falsa. O vídeo que circula pelo WhatsApp foi editado para que o ex-presidente falasse devagar e, assim, parecesse bêbado quando fez a gravação. Na versão original, publicada nas redes sociais de Lula em 21 de julho, o político fala em ritmo normal.

O ex-presidente publicou o vídeo em suas redes sociais para rebater Bolsonaro que, no dia anterior, havia criticado as urnas eletrônicas brasileiras. O atual chefe do Executivo disse que apresentaria provas de fraude nas eleições presidenciais de 2014 — uma semana depois, porém, admitiu não ter prova alguma. “Bolsonaro fala ‘a lei do voto impresso’, ‘se não for impresso, eu fui roubado’, e também ‘se eu perder não vou entregar a faixa’. […] Pode deixar que o povo que eleger vai empossar o presidente eleito em 2022. E não será você”, declarou o petista.

A versão do vídeo que circula no WhatsApp teve sua velocidade reduzida para fazer com que o ex-presidente falasse de forma mais lenta e, com isso, parecesse “completamente alcoolizado”. Nas redes sociais, são recorrentes as ofensas dirigidas a Lula como “bêbado” ou “cachaceiro”. Em março, a Lupa checou um caso semelhante de um vídeo que também teve sua velocidade reduzida para criticar o petista.

Nesta segunda-feira (2), o próprio presidente Bolsonaro chamou Lula de “bêbado” e “cachaceiro”. “Problemas a gente tem. Agora quer trocar o motorista e botar um bêbado, incompetente e corrupto para dirigir o Brasil?”, perguntou a apoiadores no Palácio da Alvorada, em Brasília.

Essa fama de ser alguém que gosta de beber vem, ao menos, desde 2004, quando Lula ainda estava em seu primeiro mandato. À época, o jornalista Larry Rohter, correspondente no Brasil do jornal The New York Times, publicou uma reportagem afirmando que o hábito de beber do então presidente havia se tornado uma “preocupação nacional”. O petista logo se defendeu e disse que não era alcóolatra. O governo chegou a pedir o cancelamento do visto de Rohter, mas voltou atrás após receber uma carta do jornalista com um pedido de reconsideração.

Esta‌ ‌verificação ‌foi sugerida por leitores através do WhatsApp da Lupa. Caso tenha alguma sugestão de verificação, entre em contato conosco pelo número +55 21 99193-3751.

Editado por: Maurício Moraes

O conteúdo produzido pela Lupa é de inteira responsabilidade da agência e não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.

A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos

A Lupa está infringindo esse código? Clique aqui e fale com a IFCN

 

Esse conteúdo foi útil?

1 2 3 4 5

Você concorda com o resultado desta checagem?

Sim Não

Leia também

SIGNATORY- International Fact-Checking Network
Etiquetas
VERDADEIRO
A informação está comprovadamente correta
VERDADEIRO, MAS
A informação está correta, mas o leitor merece mais explicações
AINDA É CEDO PARA DIZER
A informação pode vir a ser verdadeira. Ainda não é
EXAGERADO
A informação está no caminho correto, mas houve exagero
CONTRADITÓRIO
A informação contradiz outra difundida antes pela mesma fonte
SUBESTIMADO
Os dados são mais graves do que a informação
INSUSTENTÁVEL
Não há dados públicos que comprovem a informação
FALSO
A informação está comprovadamente incorreta
DE OLHO
Etiqueta de monitoramento
Seções
Arquivo