Tem certeza que deseja sair da sua conta?

#Verificamos: Vila Olímpica do Rio não custou 31 vezes mais que a de Tóquio

Repórter | Rio de Janeiro | lupa@lupa.news
10.ago.2021 | 19h06 |

Circula pelas redes sociais um texto segundo o qual a Vila Olímpica dos Jogos Olímpicos de 2016 no Rio de Janeiro teria custado 31 vezes mais que a de Tóquio, no Japão. O post sugere que a diferença teria sido consequência da corrupção das gestões do Partido dos Trabalhadores (PT) frente à Presidência da República. Por meio do ​projeto de verificação de notícias​, usuários do Facebook solicitaram que esse material fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação da Lupa:

“A vila olímpica de Tokio custou US$ 29 milhões. A do Rio 2016 custou US$ 900 milhões. Isso é tudo o que você precisa saber sobre a era lulopetista.”
Texto em imagem que, até 18h do dia 10 de agosto de 2021, havia sido compartilhada por 203 usuários no Facebook

FALSO

A informação analisada pela Lupa é falsa. Apesar de as estimativas sobre o custo da construção da Vila Olímpica de Tóquio variarem, o valor é bem superior a US$ 29 milhões. Além disso, em 2016, o custo de construção das acomodações dos atletas não foi pago pelo Comitê Rio-2016, mas ficou por conta de um consórcio de empreiteiras.

A construção da Vila Olímpica do Rio de Janeiro custou R$ 2,9 bilhões, aponta um relatório da Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira da Câmara dos Deputados. De fato, seria o equivalente a US$ 913,2 milhões em 5 de agosto de 2016, data de início do evento. No entanto, o valor não foi pago pelo governo federal, mas por um consórcio formado pelas construtoras Carvalho Hosken e Odebrecht, com financiamento da Caixa Econômica Federal — posteriormente, a Odebrecht deixou o negócio. O Comitê Organizador dos Jogos Olímpicos Rio-2016 pagou R$ 254,9 milhões pelo usufruto da vila por dois meses, durante a realização da Olimpíada e Paralimpíada. Depois dos eventos, os apartamentos do complexo foram colocados à venda.

Quanto à Vila Olímpica dos jogos de Tóquio, as estimativas variam. A agência Reuters, por exemplo, calculou o custo total em 54 bilhões de ienes, equivalentes a US$ 488,4 milhões em valores atuais. Esse montante incluiria as obras de mobilidade e infraestrutura necessárias para a construção da vila. Por outro lado, em julho de 2018, a assessoria de negócios imobiliários Real Estate Japan estimava que o custo total de construção da Vila Olímpica poderia atingir 207 bilhões de ienes — cerca de US$ 2 bilhões. De qualquer forma, não há evidências de que o complexo tenha custado US$ 29 milhões, como afirma a mensagem que circula pelas redes sociais.

No Brasil, a Vila dos Atletas está localizada na região da Barra da Tijuca, na zona oeste do Rio. Foram construídos 31 prédios residenciais, divididos em sete condomínios, totalizando 3.604 apartamentos. O presidente do Comitê Olímpico Internacional, Thomas Bach, declarou à época que era “uma das vilas mais bonitas que havia visto”.

Já a Vila Olímpica de Tóquio é formada por 21 prédios que podem abrigar até 11 mil pessoas. Conta com academia, refeitório, lojas, banco, centro médico, entre outras facilidades. Depois da realização da Paralimpíada, os apartamentos também estarão disponíveis para venda ou aluguel.

A estimativa oficial é de que a realização dos Jogos Olímpicos em Tóquio tenha custado cerca de US$ 15,4 bilhões. O valor é o mais alto da história, especialmente por conta do adiamento do evento que gerou gastos extras com manutenção de estádios, adaptação dos ambientes para o contexto de pandemia e remuneração de funcionários. Entretanto, especialistas apontam que esse valor pode chegar a US$ 28 bilhões.

Essa informação também foi checada pelo Estadão Verifica.

Nota:‌ ‌esta‌ ‌reportagem‌ ‌faz‌ ‌parte‌ ‌do‌ ‌‌projeto‌ ‌de‌ ‌verificação‌ ‌de‌ ‌notícias‌‌ ‌no‌ ‌Facebook.‌ ‌Dúvidas‌ sobre‌ ‌o‌ ‌projeto?‌ ‌Entre‌ ‌em‌ ‌contato‌ ‌direto‌ ‌com‌ ‌o‌ ‌‌Facebook‌.

Editado por: Maurício Moraes

O conteúdo produzido pela Lupa é de inteira responsabilidade da agência e não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.

A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos

A Lupa está infringindo esse código? Clique aqui e fale com a IFCN

 

Esse conteúdo foi útil?

1 2 3 4 5

Você concorda com o resultado desta checagem?

Sim Não

Leia também

SIGNATORY- International Fact-Checking Network
Etiquetas
VERDADEIRO
A informação está comprovadamente correta
VERDADEIRO, MAS
A informação está correta, mas o leitor merece mais explicações
AINDA É CEDO PARA DIZER
A informação pode vir a ser verdadeira. Ainda não é
EXAGERADO
A informação está no caminho correto, mas houve exagero
CONTRADITÓRIO
A informação contradiz outra difundida antes pela mesma fonte
SUBESTIMADO
Os dados são mais graves do que a informação
INSUSTENTÁVEL
Não há dados públicos que comprovem a informação
FALSO
A informação está comprovadamente incorreta
DE OLHO
Etiqueta de monitoramento
Seções
Arquivo