Tem certeza que deseja sair da sua conta?

#Verificamos: Vídeo de acampamento em Brasília não é de concentração para protesto em 7 de setembro

Repórter | Rio de Janeiro | lupa@lupa.news
24.ago.2021 | 13h49 |

Circula pelo WhatsApp um vídeo em que um homem filma, de dentro do carro, uma série de barracas instaladas no Eixo Monumental de Brasília, dizendo ser de uma concentração de manifestantes para atos bolsonaristas que devem ocorrer em 7 de setembro. Ele comemora o tamanho do acampamento e observa a grande presença de indígenas no local. “Depois dizem que os índios não gostam do Bolsonaro”, diz. Por WhatsApp, leitores da Lupa sugeriram que esse conteúdo fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação​:

“Acampamento em frente ao congresso Nacional em Brasília pra protesto no dia 7 de setembro”
Legenda de vídeo que circula em grupos de WhatsApp

FALSO

A informação analisada pela Lupa é falsa. Na verdade, as barracas que aparecem no vídeo são parte do acampamento “Luta pela Vida”, mobilizado pela Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib). Os manifestantes pedem que o Supremo Tribunal Federal (STF) rejeite a tese do “marco temporal”, vista como um retrocesso por indígenas e ambientalistas.

Na próxima quarta-feira (25), o plenário do STF deve retomar o julgamento de uma ação movida pelo governo de Santa Catarina que, na prática, limita a demarcação de terras a territórios que povos indígenas ocupavam em 5 de outubro de 1988, data em que a atual Constituição foi promulgada. O relator da ação, ministro Edson Fachin, já votou pela inconstitucionalidade da tese.

De um lado, indígenas consideram que a imposição do marco temporal desconsidera um histórico de violações que frequentemente expulsaram esse grupo de suas terras, impedindo sua ocupação à época da promulgação da Constituição de 1988. Do outro, ruralistas estimam perdas significativas para o agronegócio com a consequente diminuição das áreas produtivas. O julgamento tem repercussão geral, ou seja, o entendimento da Corte passa a valer para outras ações semelhantes em todas as instâncias da justiça.

As atividades no acampamento começaram no domingo (22) e seguem até sábado (28). Os manifestantes ocuparam a Praça da Cidadania, no Eixo Monumental de Brasília, e devem marchar em direção à sede do STF no dia 25, data do julgamento. Apesar de ser próxima, a praça fica a 1,9 quilômetro do Congresso Nacional — portanto, o acampamento não está “em frente” ao prédio do Legislativo federal como afirma a legenda do vídeo.

Os prédios que aparecem ao fundo das imagens analisadas — entre eles o do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) e o da CNN Brasil — são compatíveis com a localização do acampamento. Além disso, imagens publicadas pela Apib e pelo Centro de Trabalho Indigenista mostram o local que aparece no vídeo, atribuindo a movimentação dos manifestantes ao acampamento.

O ato dos indígenas não têm qualquer relação com os protestos a favor do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) marcados para o dia 7 de setembro, feriado da independência. Na ocasião, manifestantes devem se reunir em diversas cidades do país para pedir, entre outras pautas, a destituição de ministros do STF e a adoção do voto impresso.

Esta‌ ‌verificação ‌foi sugerida por leitores através do WhatsApp da Lupa. Caso tenha alguma sugestão de verificação, entre em contato conosco pelo número +55 21 99193-3751.

Editado por: Chico Marés

O conteúdo produzido pela Lupa é de inteira responsabilidade da agência e não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.

A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos

A Lupa está infringindo esse código? Clique aqui e fale com a IFCN

 

Esse conteúdo foi útil?

1 2 3 4 5

Você concorda com o resultado desta checagem?

Sim Não

Leia também

SIGNATORY- International Fact-Checking Network
Etiquetas
VERDADEIRO
A informação está comprovadamente correta
VERDADEIRO, MAS
A informação está correta, mas o leitor merece mais explicações
AINDA É CEDO PARA DIZER
A informação pode vir a ser verdadeira. Ainda não é
EXAGERADO
A informação está no caminho correto, mas houve exagero
CONTRADITÓRIO
A informação contradiz outra difundida antes pela mesma fonte
SUBESTIMADO
Os dados são mais graves do que a informação
INSUSTENTÁVEL
Não há dados públicos que comprovem a informação
FALSO
A informação está comprovadamente incorreta
DE OLHO
Etiqueta de monitoramento
Seções
Arquivo