Tem certeza que deseja sair da sua conta?

#Verificamos: Vídeo não registra morte de missionárias no Afeganistão, mas performance artística na Colômbia

Repórter | Rio de Janeiro | lupa@lupa.news
01.set.2021 | 12h01 |

Circula pelas redes sociais um vídeo que mostra várias pessoas deitadas no chão e presas dentro de sacos plásticos transparentes, cercadas por um grupo que observa a cena sem fazer nada. A legenda da gravação afirma que as imagens retratam missionárias no Afeganistão que teriam sido jogadas em praça pública para morrer. Por meio do ​projeto de verificação de notícias​, usuários do Facebook solicitaram que esse material fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação da Lupa:

“São missionárias no Afeganistão jogadas em praça pública dentro de sacos plásticos para morrer por causa da palavra de Deus”
Legenda de imagem publicada no Facebook que, até às 15h do dia 31 de agosto de 2021, tinha mais de 170 compartilhamentos 

FALSO

A informação analisada pela Lupa é falsa. O vídeo compartilhado nas redes sociais não mostra missionárias no Afeganistão presas em sacos plásticos. Na realidade, as imagens são de uma performance artística que foi realizada em 26 de maio deste ano no Parque del Poblado, em Medellín, na Colômbia. Naquela época, usuários publicaram um vídeo maior, de 12 minutos, no YouTube, que mostra mais detalhes sobre o caso. 

Segundo a narradora da gravação original, a intervenção artística foi chamada de “Embalados” (Empaquetados, em espanhol) e tinha como objetivo homenagear pessoas que apareceram mortas, embrulhadas em sacos plásticos, nas lixeiras na região. “Às pessoas que apareceram mortas, ou às pessoas que não apareceram. Isso é um grito de ajuda, para saber o que está acontecendo com todas as pessoas que, até hoje, não sabemos onde estão, que foram capturadas pela polícia ou por civis acompanhados pela polícia e que, até hoje, não sabemos onde estão”, disse.

Atualmente, o vídeo está sendo tirado de contexto para indicar uma possível agressão do Talibã a missionárias cristãs. No dia 15 de agosto, o grupo extremista – que tem um histórico de violações aos direitos humanos e de violência contra as mulheres – tomou a capital daquele país.

A Lupa já verificou pelo menos quatro casos em que fotos ou vídeos de outros anos e lugares foram utilizados para retratar – de maneira incorreta – os eventos recentes no Afeganistão. Dois deles, que mostram o assassinato de uma mulher e a execução de um grupo de homens na Síria, por exemplo, circularam como se tivessem sido gravados neste mês. Contudo, ambos eram antigos. 

Essa informação já foi verificada pela AFP e Fato ou Fake

Nota:‌ ‌esta‌ ‌reportagem‌ ‌faz‌ ‌parte‌ ‌do‌ ‌‌projeto‌ ‌de‌ ‌verificação‌ ‌de‌ ‌notícias‌‌ ‌no‌ ‌Facebook.‌ ‌Dúvidas‌ sobre‌ ‌o‌ ‌projeto?‌ ‌Entre‌ ‌em‌ ‌contato‌ ‌direto‌ ‌com‌ ‌o‌ ‌‌Facebook‌.

Editado por: Maurício Moraes

O conteúdo produzido pela Lupa é de inteira responsabilidade da agência e não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.

A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos

A Lupa está infringindo esse código? Clique aqui e fale com a IFCN

 

Esse conteúdo foi útil?

1 2 3 4 5

Você concorda com o resultado desta checagem?

Sim Não

Leia também

SIGNATORY- International Fact-Checking Network
Etiquetas
VERDADEIRO
A informação está comprovadamente correta
VERDADEIRO, MAS
A informação está correta, mas o leitor merece mais explicações
AINDA É CEDO PARA DIZER
A informação pode vir a ser verdadeira. Ainda não é
EXAGERADO
A informação está no caminho correto, mas houve exagero
CONTRADITÓRIO
A informação contradiz outra difundida antes pela mesma fonte
SUBESTIMADO
Os dados são mais graves do que a informação
INSUSTENTÁVEL
Não há dados públicos que comprovem a informação
FALSO
A informação está comprovadamente incorreta
DE OLHO
Etiqueta de monitoramento
Seções
Arquivo