A PRIMEIRA AGÊNCIA DE FACT-CHECKING DO BRASIL

Tem certeza que deseja sair da sua conta?

#Verificamos: Vídeo de oficiais do Exército e da PRF cantando o hino nacional com caminhoneiros é de 2018

Repórter (especial para a Lupa) | Rio de Janeiro | lupa@lupa.news
06.set.2021 | 15h34 |

Circula no WhatsApp um vídeo que mostra motoristas ajoelhados e cantando o hino nacional no meio de uma estrada bloqueada por caminhões. Além dos caminhoneiros, oficiais do Exército e da Polícia Rodoviária Federal (PRF) também cantam o hino brasileiro. A legenda sugere que a cena foi registrada recentemente. O texto que acompanha a gravação faz ainda menção a Marcos Antônio Pereira Gomes, caminhoneiro conhecido como Zé Trovão, que teve sua prisão decretada pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes por ser suspeito de articular atos antidemocráticos programados para 7 de setembro. Por WhatsApp, leitores da Lupa sugeriram que esse conteúdo fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação​:

“Caminhoneiros bloqueiam estrada e olha o que acontece quando chega a PRF E EXERCITO.

Ontem o excelentíssimo bandido Moraes decretou a prisão do caminhoneiro Zé Trovão, um dos organizadores da passeata do dia 7 de setembro.”

Conteúdo de vídeo que circula em grupos de WhatsApp

FALSO

A informação analisada pela Lupa é falsa. O vídeo é antigo e não tem qualquer relação com os atos programados para 7 de setembro e nem com o decreto de prisão do caminhoneiro  catarinense conhecido como Zé Trovão, emitido no dia 3 de setembro. A gravação foi feita em 28 de maio de 2018, e não em 2021, num trecho da BR-174 em Boa Vista, capital de Roraima. Naquele ano, ainda na gestão do ex-presidente Michel Temer (MDB), caminhoneiros de todo o país fizeram uma greve que durou 10 dias. Na época, motoristas autônomos protestavam contra reajustes nos preços dos combustíveis e pelo fim do PIS/Cofins sobre o diesel

Por meio de uma busca reversa do vídeo, chega-se ao registro original, feito no dia 28 de maio de 2018 e publicado em um canal no YouTube dois dias depois. A cena mostra o momento em que militares e policiais chegaram ao local para desbloquear a pista — as Forças Armadas foram acionadas, na época, para desinterditar estradas — e, em solidariedade aos grevistas, cantaram o hino. Essa história foi contada recentemente no Jornal do Caminhoneiro. Depois que foi publicada no site, em 3 de setembro, passou a ser compartilhada como se fosse atual. 

Vale pontuar que durante a greve de 2018, caminhoneiros tinham como rotina cantar o hino em diferentes partes do país. O jornal Folha Boa Vista, por exemplo, relatou que motoristas entoavam a canção todas as tardes, sempre às 18h. Em Sergipe, o jornal local Balanço Geral também mostrou manifestantes reunidos para cantar o hino brasileiro.

Esse conteúdo também foi verificado pelo Boatos.org

Esta‌ ‌verificação ‌foi sugerida por leitores através do WhatsApp da Lupa. Caso tenha alguma sugestão de verificação, entre em contato conosco pelo número +55 21 99193-3751.

Editado por: Chico Marés

O conteúdo produzido pela Lupa é de inteira responsabilidade da agência e não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.

A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos

A Lupa está infringindo esse código? Clique aqui e fale com a IFCN

 

Esse conteúdo foi útil?

1 2 3 4 5

Você concorda com o resultado desta checagem?

Sim Não

Leia também

SIGNATORY- International Fact-Checking Network
Etiquetas
VERDADEIRO
A informação está comprovadamente correta
VERDADEIRO, MAS
A informação está correta, mas o leitor merece mais explicações
AINDA É CEDO PARA DIZER
A informação pode vir a ser verdadeira. Ainda não é
EXAGERADO
A informação está no caminho correto, mas houve exagero
CONTRADITÓRIO
A informação contradiz outra difundida antes pela mesma fonte
SUBESTIMADO
Os dados são mais graves do que a informação
INSUSTENTÁVEL
Não há dados públicos que comprovem a informação
FALSO
A informação está comprovadamente incorreta
DE OLHO
Etiqueta de monitoramento
Seções
Arquivo