Tem certeza que deseja sair da sua conta?

#Verificamos: Fala de Mourão sobre solução imposta pelas Forças Armadas é de 2017

Repórter (especial para a Lupa) | Rio de Janeiro | lupa@lupa.news
10.set.2021 | 13h59 |

Circula pelas redes sociais um vídeo em que o vice-presidente da República Hamilton Mourão, de máscara, sugere uma intervenção das Forças Armadas. Por meio do ​projeto de verificação de notícias​, usuários do Facebook solicitaram que esse material fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação da Lupa​:

“Ou as instituições solucionam o problema político pela ação do Judiciário, retirando da vida pública esses elementos envolvidos em todos os ilícitos, ou então nós teremos que impor isso”
Fala do vice-presidente da República Hamilton Mourão em vídeo publicado no Facebook que, até as 20h do dia 09 de setembro de 2021, tinha sido visualizada 111 mil vezes.

FALSO

O vídeo analisada pela Lupa é uma montagem. O vice-presidente Hamilton Mourão, de fato, falou que os militares teriam de “se impor” para solucionar problema político, mas isso aconteceu em 2017, antes de sua eleição para a vice-presidência, e não tem nenhuma relação com a crise atual. Contudo, o áudio da fala de Mourão foi sobreposto a um vídeo no qual ele, de máscara, concede entrevista, gravado em julho deste ano. Por conta do equipamento de segurança, não é possível ver a boca do vice-presidente.

As declarações de Mourão foram originalmente dadas um dia após o ex-procurador-geral da República, Rodrigo Janot, denunciar o ex-presidente Michel Temer por obstrução de justiça e organização criminosa. Os trechos foram retirados de uma palestra de duas horas promovida pela maçonaria em Brasília, quando ainda era secretário de economia e finanças do Exército. Na ocasião, chegou a afirmar que “a Constituição Federal de 88 admite uma intervenção constitucional com o emprego das Forças Armadas”, conforme amplamente retratado na imprensa (aqui, aqui e aqui). Na ocasião, comandantes do Exército criticaram o posicionamento do oficial. 

Parte das declarações usadas no vídeo editado estão disponíveis no Youtube, no canal do jornal Poder 360. No momento, Mourão respondia à pergunta: “não seria o momento dessa intervenção [militar] quando o presidente da República [Michel Temer] está sendo denunciado pela segunda vez e só escapou da primeira denúncia por ter comprado membros da Câmara Federal?”

Já o vídeo usado na peça de desinformação foi gravado em julho deste ano e está disponível no canal do YouTube da CNN Brasil. É possível identificar que a máscara, a posição dos microfones da imprensa, as pessoas ao redor e a roupa do vice-presidente coincidem com as que aparecem no vídeo editado. Na ocasião, Mourão não falava de uma crise institucional, mas de uma possível aproximação do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) ao PP. “A outra parte dos eleitores que também votaram no presidente Jair por uma questão mais programática e de visão de futuro para o país, estes podem se sentir um pouco confundidos”, afirmou. 

Nota: esta reportagem faz parte do projeto de verificação de notícias no Facebook. Dúvidas sobre o projeto? Entre em contato direto com o Facebook.

Editado por: Chico Marés

O conteúdo produzido pela Lupa é de inteira responsabilidade da agência e não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.

A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos

A Lupa está infringindo esse código? Clique aqui e fale com a IFCN

 

Esse conteúdo foi útil?

1 2 3 4 5

Você concorda com o resultado desta checagem?

Sim Não

Leia também

SIGNATORY- International Fact-Checking Network
Etiquetas
VERDADEIRO
A informação está comprovadamente correta
VERDADEIRO, MAS
A informação está correta, mas o leitor merece mais explicações
AINDA É CEDO PARA DIZER
A informação pode vir a ser verdadeira. Ainda não é
EXAGERADO
A informação está no caminho correto, mas houve exagero
CONTRADITÓRIO
A informação contradiz outra difundida antes pela mesma fonte
SUBESTIMADO
Os dados são mais graves do que a informação
INSUSTENTÁVEL
Não há dados públicos que comprovem a informação
FALSO
A informação está comprovadamente incorreta
DE OLHO
Etiqueta de monitoramento
Seções
Arquivo