A PRIMEIRA AGÊNCIA DE FACT-CHECKING DO BRASIL

Tem certeza que deseja sair da sua conta?

#Verificamos: É golpe sorteio de Dia das Crianças do Extra que circula no WhatsApp

Estagiária | Rio de Janeiro | lupa@lupa.news
06.out.2021 | 17h31 |

Circula pelo WhatsApp uma mensagem dizendo que a rede varejista Extra estaria sorteando presentes de até R$ 3 mil em alusão ao Dia das Crianças, comemorado em 12 de outubro. Para participar, o usuário entra em um site e clica em uma roda giratória, que sorteia o brinde. Depois de exibir o “prêmio”, a página pede para a pessoa compartilhar o link com múltiplos contatos no WhatsApp até que uma barra azul se complete. Na última etapa, é solicitado que o usuário responda a um questionário em até 500 segundos (cerca de 8 minutos) para receber o suposto brinde. Por WhatsApp, leitores da Lupa sugeriram que esse conteúdo fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação​:

“Dia de Todas as Crianças do Extra ! Gire a Roda da Sorte e ganhe presentes no valor de até R$3.000!”

Texto acompanhado de link que circula pelo WhatsApp

FALSO

A informação analisada pela Lupa é falsa. O suposto sorteio é, na verdade, um golpe para roubar dados pessoais. Em nota enviada por e-mail, a assessoria de imprensa do Extra disse que a promoção apresentada não faz parte das ações da marca e que está tomando medidas de monitoramento sobre o caso. Também solicitou a retirada da página do ar. 

O site no qual o usuário é induzido a clicar não é de propriedade da Via Varejo, empresa da qual o Extra faz parte. Segundo a plataforma who.is, o site do suposto prêmio está registrado em nome de uma mulher com endereço em Moscou, capital da Rússia. Geralmente, grandes empresas são donas do seu próprio registro, como é o caso da rede varejista — cuja página está registrada em nome da Companhia Brasileira de Distribuição.

O site apresenta padrões similares a outros golpes realizados por WhatsApp. Independentemente do “prêmio” sorteado na roda giratória, o usuário é induzido a compartilhar a suposta promoção com os seus contatos no WhatsApp. Essa é a forma usada pelos golpistas para fazer o conteúdo viralizar. Depois de compartilhar, o usuário é direcionado para um questionário, no qual precisa fornecer informações pessoais.

A página do golpe também apresenta outras características que demonstram se tratar de uma fraude. O número de curtidas e a cronometragem dos comentários se mantêm os mesmos independentemente de se acessar o site em dias e horários distintos. 

Golpes semelhantes usando datas comemorativas e a pandemia da Covid-19 já foram verificados pela Lupa. Antes do Dia Internacional da Mulher, por exemplo, criminosos compartilharam a informação de que empresas como Renner, Adidas, Skol e Caixa Bank estavam realizando supostas promoções. Em abril, golpistas compartilharam um site que simulava um programa do governo federal de distribuição de um “vale-gás social” de R$ 110 por mês para pessoas de baixa renda, aposentados e beneficiários do auxílio emergencial e do Bolsa Família.

Para não cair nesse tipo de golpe, é importante prestar atenção em alguns detalhes. Em primeiro lugar, grandes empresas não costumam fazer sorteios no WhatsApp. Geralmente, elas usam seus sites próprios ou perfis oficiais em redes sociais. Também é importante reparar na procedência do link. Embora a página da promoção falsa tenha a palavra “extra”, é possível notar que o endereço na web não segue o padrão de sites nacionais, com o sufixo “.com.br”, por exemplo.

Observar detalhes como esses e conferir os canais oficiais da empresa são algumas das recomendações da Polícia Federal para evitar que internautas sejam vítimas de crimes cibernéticos. Em caso de dúvida, não clique nem compartilhe links desse tipo, e jamais forneça dados como cartão de crédito e senha.

Esta‌ ‌verificação ‌foi sugerida por leitores através do WhatsApp da Lupa. Caso tenha alguma sugestão de verificação, entre em contato conosco pelo número +55 21 99193-3751.

Editado por: Chico Marés e Maurício Moraes

O conteúdo produzido pela Lupa é de inteira responsabilidade da agência e não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.

A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos

A Lupa está infringindo esse código? Clique aqui e fale com a IFCN

 

Esse conteúdo foi útil?

1 2 3 4 5

Você concorda com o resultado desta checagem?

Sim Não

Leia também

SIGNATORY- International Fact-Checking Network
Etiquetas
VERDADEIRO
A informação está comprovadamente correta
VERDADEIRO, MAS
A informação está correta, mas o leitor merece mais explicações
AINDA É CEDO PARA DIZER
A informação pode vir a ser verdadeira. Ainda não é
EXAGERADO
A informação está no caminho correto, mas houve exagero
CONTRADITÓRIO
A informação contradiz outra difundida antes pela mesma fonte
SUBESTIMADO
Os dados são mais graves do que a informação
INSUSTENTÁVEL
Não há dados públicos que comprovem a informação
FALSO
A informação está comprovadamente incorreta
DE OLHO
Etiqueta de monitoramento
Seções
Arquivo