Tem certeza que deseja sair da sua conta?

#Verificamos: É falso que filho de Lula seja dono da Ilha das Palmeiras, em Angra dos Reis

Repórter (especial para a Lupa) | Rio de Janeiro | lupa@lupa.news
13.out.2021 | 11h44 |

Circula no WhatsApp um vídeo no qual um homem mostra uma ilha, supostamente em Angra dos Reis (RJ), e afirma que o dono do local é Fábio Luís Lula da Silva, conhecido como Lulinha, filho do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Na gravação, o narrador, que está dentro de um barco, aponta para a ilha e para um iate ancorado no local. Segundo ele, tudo é propriedade de Lulinha, que teria comprado a ilha do apresentador da TV Globo Luciano Huck. O valor da negociação, afirma o autor do vídeo, teria sido de R$ 500 milhões, pagos com dinheiro da JBS. Por WhatsApp, leitores da Lupa sugeriram que esse conteúdo fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação​:

“(…) Essa ilha pequenininha aqui. O rapaz era tratador do zoológico em São Paulo, filho do sem dedo, o Lulinha, então, é dono dessa ilha aqui. Esse iate aí que vocês estão vendo, ó aí que belezinha. É praí que está indo nosso dinheiro, ó. Simples assim. (…) Só colocar o pai dele analfabeto para ser presidente da República e fica com isso aqui, ó. Conhecida como Ilha das Palmeiras, aqui em Angra dos Reis. Era a ilha do Luciano Huck, quem comprou foi o Lulinha. com dinheiro da JBS. R$ 500 milhões.”
Conteúdo de vídeo que circula em grupos de WhatsApp

FALSO

A informação analisada pela Lupa é falsa. O filho do ex-presidente Lula não é dono da ilha das Palmeiras, localizada em Angra dos Reis, no Rio de Janeiro. De acordo com a prefeitura do município, as ilhas da região pertencem ao Patrimônio da União, e não a uma única pessoa ou empresa. Também não é verdade que Lulinha seja dono de uma mansão no local. Por e-mail, a Secretaria de Patrimônio da União (SPU) informou que existem 17 imóveis na ilha das Palmeiras e, segundo dados do Sistema Integrado de Administração Patrimonial (Siapa), nenhum deles está em nome de Fábio Luís Lula da Silva, o Lulinha.

A SPU também afirmou que as ilhas são bens inalienáveis, de propriedade da União. Por isso, explicou a nota, não há proprietários, mas sim ocupantes formalmente autorizados: “A União pode deferir Termo de Outorga de inscrição de ocupação para utilização de áreas na ilha”.   

A assessoria de imprensa do ex-presidente também desmentiu o vídeo. “Nenhum filho de Lula é dono de nenhuma propriedade rural, fazenda ou ilha”, informou, em nota enviada via WhatsApp. A assessoria também ressaltou que o petista e seus filhos já tiveram todos os sigilos quebrados durante a Operação Lava Jato.

Diferentemente do que sugere o autor do vídeo, o apresentador Luciano Huck era dono de uma mansão no local, e não da ilha inteira. O terreno onde ficava o imóvel, porém, foi vendido em 2013 para os irmãos Joesley e Wesley Batista, donos da indústria de alimentos JBS. Foram, portanto, os proprietários da JBS, e não Lulinha, que compraram o imóvel. Essa informação foi confirmada pela assessoria de imprensa do apresentador. Em nota, a assessoria informou que a ilha das Palmeiras não se resume apenas à propriedade que Luciano Huck manteve por lá. “Há cerca de 10 anos, o terreno onde sua casa estava instalada pertence à família Batista”, diz o texto. 

A Lupa também procurou a assessoria de imprensa da família Batista, que preferiu não comentar sobre o assunto. 

O vídeo que falsamente acusa o filho de Lula de ter comprado uma ilha em Angra dos Reis é antigo. Circulou pela pela primeira vez em 2015 e foi desmentido na época pelo Boatos.org. Em 2017 e em 2018, conteúdos falsos similares também alegavam que Lulinha era dono de uma outra ilha em Angra dos Reis, a Ilha dos Macacos. Essas peças de desinformação também foram desmentidas por Aos Fatos e Boatos.org

Esta‌ ‌verificação ‌foi sugerida por leitores através do WhatsApp da Lupa. Caso tenha alguma sugestão de verificação, entre em contato conosco pelo número +55 21 99193-3751.

Editado por: Maurício Moraes

O conteúdo produzido pela Lupa é de inteira responsabilidade da agência e não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.

A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos

A Lupa está infringindo esse código? Clique aqui e fale com a IFCN

 

Esse conteúdo foi útil?

1 2 3 4 5

Você concorda com o resultado desta checagem?

Sim Não

Leia também

SIGNATORY- International Fact-Checking Network
Etiquetas
VERDADEIRO
A informação está comprovadamente correta
VERDADEIRO, MAS
A informação está correta, mas o leitor merece mais explicações
AINDA É CEDO PARA DIZER
A informação pode vir a ser verdadeira. Ainda não é
EXAGERADO
A informação está no caminho correto, mas houve exagero
CONTRADITÓRIO
A informação contradiz outra difundida antes pela mesma fonte
SUBESTIMADO
Os dados são mais graves do que a informação
INSUSTENTÁVEL
Não há dados públicos que comprovem a informação
FALSO
A informação está comprovadamente incorreta
DE OLHO
Etiqueta de monitoramento
Seções
Arquivo