Tem certeza que deseja sair da sua conta?

#Verificamos: É falso que imunização foi responsável por 2021 ter mais mortes pela Covid-19 no Brasil

Repórter | Rio de Janeiro | lupa@lupa.news
25.out.2021 | 13h05 |

Circula nas redes sociais que o número de óbitos por Covid-19 em 2021, maior do que aquele registrado em 2020, está relacionado com o avanço da imunização total da população no Brasil. A afirmação foi feita no Twitter por Rodrigo Constantino, comentarista da Jovem Pan, e passou a ser compartilhada na forma de um print do post original. Por meio do ​projeto de verificação de notícias​, usuários do Facebook solicitaram que esse material fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação da Lupa​:

Em 2020, sem vacinas, o Brasil não chegou a 200 mil mortes com Covid; em 2021, com mais de 100 milhões de pessoas vacinadas com 2 doses, até agora, mais de 400 mil pessoas morreram, ou seja, o dobro. Fatos, apenas fatos”
Frase retirada de publicação no Twitter usada em post no Facebook que, até às 12h de 25 de outubro de 2021, havia sido compartilhada por 76 pessoas

FALSO

A informação analisada pela Lupa é falsa. O avanço da imunização completa contra a Covid-19 não tem ligação com o maior número de óbitos pela doença em 2021 do que em 2020. À medida que a vacinação total avançou no segundo semestre deste ano e passou de 15% da população em julho, os dados mostram que houve uma queda expressiva tanto no total de óbitos quanto nos casos – mesmo com a circulação da variante delta, que causou surtos em países como Reino Unido e Estados Unidos. 

A campanha de imunização no Brasil começou no dia 17 de janeiro de 2021, mas progrediu de forma lenta nos primeiros meses. Foi também no início do ano que o país passou a enfrentar a segunda onda da pandemia, impulsionada pela variante gama, que possui alta capacidade de infecção. Enquanto os Estados Unidos tinham 10% da população totalmente imunizada em março, o Brasil só atingiu esse patamar em maio.

Ao contrário do que indica a frase analisada, os dados oficiais do Brasil mostram que houve queda nas mortes à medida que mais pessoas tomavam as duas doses da vacina, como é possível verificar nos gráficos do Our World in Data. Em entrevista por telefone, o médico sanitarista Gonzalo Vecina afirmou que a tendência de queda é resultante de uma combinação entre a vacinação e a imunidade adquirida, muitas vezes, por quem teve a doença. O médico alerta ainda que pessoas vacinadas podem contrair a doença, mas que há uma queda importante de mortes e casos graves. 

Segundo o Ministério da Saúde, em setembro deste ano, com quase 60% da população adulta totalmente imunizada, foi registrado o menor número de óbitos por Covid-19 em 2021 (16,3 mil). Ao se comparar esses dados com os de abril, o mês com maior número de registros (82,2 mil), a redução das mortes foi de 80%. A pasta diz, ainda, que a vacinação é a principal saída para conter a pandemia. 

Procurado pela Lupa, Rodrigo Constantino não respondeu até a publicação desta checagem.

Uma versão semelhante dessa checagem foi feita por Aos Fatos e Checamos da AFP Brasil.

Nota:‌ ‌esta‌ ‌reportagem‌ ‌faz‌ ‌parte‌ ‌do‌ ‌‌projeto‌ ‌de‌ ‌verificação‌ ‌de‌ ‌notícias‌‌ ‌no‌ ‌Facebook.‌ ‌Dúvidas‌ sobre‌ ‌o‌ ‌projeto?‌ ‌Entre‌ ‌em‌ ‌contato‌ ‌direto‌ ‌com‌ ‌o‌ ‌‌Facebook‌.

Editado por: Maurício Moraes

O conteúdo produzido pela Lupa é de inteira responsabilidade da agência e não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.

A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos

A Lupa está infringindo esse código? Clique aqui e fale com a IFCN

 

Esse conteúdo foi útil?

1 2 3 4 5

Você concorda com o resultado desta checagem?

Sim Não

Leia também

SIGNATORY- International Fact-Checking Network
Etiquetas
VERDADEIRO
A informação está comprovadamente correta
VERDADEIRO, MAS
A informação está correta, mas o leitor merece mais explicações
AINDA É CEDO PARA DIZER
A informação pode vir a ser verdadeira. Ainda não é
EXAGERADO
A informação está no caminho correto, mas houve exagero
CONTRADITÓRIO
A informação contradiz outra difundida antes pela mesma fonte
SUBESTIMADO
Os dados são mais graves do que a informação
INSUSTENTÁVEL
Não há dados públicos que comprovem a informação
FALSO
A informação está comprovadamente incorreta
DE OLHO
Etiqueta de monitoramento
Seções
Arquivo