Tem certeza que deseja sair da sua conta?

#Verificamos: É falso que Bill Gates disse que vacinação forçada é uma solução zero carbono para despovoar a Terra

Repórter | Rio de Janeiro | lupa@lupa.news
26.nov.2021 | 16h01 |

Circula nas redes sociais que Bill Gates afirmou que a vacinação forçada seria uma solução zero carbono para o despovoamento da Terra. A informação vem da manchete de uma edição de 2011 do jornal irlandês Sovereign Independent, que está sendo mostrada por uma senhora em fotografia que acompanha a publicação. Por meio doprojeto de verificação de notícias​, usuários do Facebook solicitaram que esse material fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação da Lupa​:

“Jornal de 2011, nessa matéria fica claro o intuito de Bill Gates com as suas vacinas: ‘depopulação com vacinas forçadas: a solução zero carbono’, detalhe não se encontra quase nada sobre isso registrado na Internet, mas essa senhora guardou o seu jornal de papel!” 

Texto em imagem publicada no Facebook que, até às 14h do dia 26 de novembro de 2021, havia sido compartilhada 49 vezes

FALSO

A informação analisada pela Lupa é falsa. Bill Gates não defendeu que a vacinação “forçada” seria uma solução para despovoar a Terra. A matéria do jornal Sovereign Independent distorceu uma fala do empresário em apresentação no TED2010, ocasião em que falou sobre a importância de projetos inovadores capazes de zerar as emissões de carbono. 

Na capa do jornal, uma frase de Gates no evento (a partir dos 4 minutos e 34 segundos do vídeo) aparece ao lado de sua imagem: “O mundo hoje tem 6,8 bilhões de pessoas e está indo para cerca de 9 bilhões. E se fizermos um excelente trabalho com novas vacinas, sistemas de saúde, serviços de saúde reprodutiva, nós poderíamos reduzir isso, talvez, em 10% a 15%”. Porém, foi cortada a continuação da fala, que diz: “(…) mas nós veríamos um aumento de cerca de 1,3 [bilhão de pessoas]”. Gates afirma, portanto, que seria possível reduzir o ritmo de crescimento da população mundial, mas que ainda assim ocorreria aumento – em vez de 2,2 bilhões de pessoas a mais, haveria 1,3 bilhão adicionais.

De acordo com o empresário, a redução do crescimento demográfico em todo o planeta seria um dos fatores para diminuir a emissão de carbono. Os outros seriam a melhoria dos serviços e a redução do uso de energia nesses serviços e da quantidade de carbono produzido por unidade de energia. Portanto, a frase, estampada no jornal, não sugere que a população deveria ser eliminada por meio de vacinas, mas que o acesso a serviços de saúde poderia provocar a diminuição da velocidade de crescimento da população. Isso, aliado aos outros pontos, poderia contribuir para a redução de emissão de carbono. 

Gates é conhecido por defender alternativas de controle populacional como estratégia para diminuir a pobreza. Ele e a esposa, Melinda Gates, estiveram envolvidos em projetos filantrópicos para a saúde pública focados em contracepção. Nesse processo, o casal percebeu que o foco deveria ser outro. “Os pais optam por ter filhos suficientes para lhes dar uma grande chance de que vários sobrevivam para sustentá-los à medida que envelhecem. Se aumenta o número de crianças que sobrevivem até a idade adulta, os pais podem atingir essa meta sem ter tantos filhos”, diz a carta anual da sua fundação em 2009. Quando os dois compreenderam isso, Gates disse à Forbes, também em 2011, que o foco de seus investimentos mudou para as vacinas, que poderiam então possibilitar uma vida mais longa às crianças de países em desenvolvimento.

Esse conteúdo também foi verificado por Aos Fatos, Reuters Fact Check, AFP e India Today.

Nota:‌ ‌esta‌ ‌reportagem‌ ‌faz‌ ‌parte‌ ‌do‌ ‌‌projeto‌ ‌de‌ ‌verificação‌ ‌de‌ ‌notícias‌‌no‌ ‌Facebook.‌ ‌Dúvidas‌ sobre‌ ‌o‌ ‌projeto?‌ ‌Entre‌ ‌em‌ ‌contato‌ ‌direto‌ ‌com‌ ‌o‌ ‌‌Facebook‌.

Editado por: Maurício Moraes

O conteúdo produzido pela Lupa é de inteira responsabilidade da agência e não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.

A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos

A Lupa está infringindo esse código? Clique aqui e fale com a IFCN

 

Esse conteúdo foi útil?

1 2 3 4 5

Você concorda com o resultado desta checagem?

Sim Não

Leia também

SIGNATORY- International Fact-Checking Network
Etiquetas
VERDADEIRO
A informação está comprovadamente correta
VERDADEIRO, MAS
A informação está correta, mas o leitor merece mais explicações
AINDA É CEDO PARA DIZER
A informação pode vir a ser verdadeira. Ainda não é
EXAGERADO
A informação está no caminho correto, mas houve exagero
CONTRADITÓRIO
A informação contradiz outra difundida antes pela mesma fonte
SUBESTIMADO
Os dados são mais graves do que a informação
INSUSTENTÁVEL
Não há dados públicos que comprovem a informação
FALSO
A informação está comprovadamente incorreta
DE OLHO
Etiqueta de monitoramento
Seções
Arquivo