Tem certeza que deseja sair da sua conta?

#Verificamos: É falso que motoqueiros iriam invadir igreja na Índia e foram mortos por um raio

Estagiária | Rio de Janeiro | lupa@lupa.news
30.nov.2021 | 13h27 |

Circula pelo WhatsApp um vídeo que mostra diversos cadáveres de pessoas e motocicletas queimadas. O narrador alega que as imagens foram registradas na Índia, momentos depois de um raio ter atingido e matado diversos motoqueiros – algumas versões dizem que o registro ocorreu na África. Eles estariam indo em direção a uma igreja cristã com a intenção de atear fogo e assassinar os religiosos. Foram, contudo, atingidos pelo raio e faleceram antes. Por WhatsApp, leitores da Lupa sugeriram que esse conteúdo fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação​:

“Os motoqueiros chegaram na igreja na Índia perto da África, na Igreja Cristã do Brasil, rapaz. E os irmãos tavam orando. Os motoqueiros chegaram para tocar fogo na igreja, todos cheio de armados para acabar com a igreja. Quando eles pisaram o pé no portão da igreja, Deus mandou um raio. Glória a Deus. Mandou um raio de luz do céu. Acabou com os motoqueiros”

Narração de vídeo que circula pelo WhatsApp 

FALSO

A informação analisada pela Lupa é falsa. As imagens não foram registradas na Índia depois que um raio caiu numa determinada região. O vídeo foi gravado após a explosão de um caminhão-tanque de combustível em Morogoro, uma cidade a cerca de 200 quilômetros a oeste da capital comercial Dar es Salaam, na Tanzânia, em 2019. Segundo o porta-voz do governo Hassan Abbasi, pelo menos 60 pessoas morreram e 70 ficaram feridas por causa da explosão. 

O chefe da polícia regional de Morogoro, Wilbroad Mutafungwa, disse que muitas pessoas se aglomeraram no entorno do caminhão tombado para coletar parte do combustível, até que o veículo explodiu em chamas. O acidente ocorreu por volta das 8 da manhã de sábado, no dia 10 de agosto. Algumas testemunhas atribuíram a explosão do caminhão a uma pessoa que estava saqueando combustível enquanto fumava cigarro.

O acidente ocorreu a cerca de 200 metros da estação rodoviária de Msanyu, no município de Morogoro. A estrada é regularmente transitada por caminhões com carga e petróleo procedentes da zona portuária de Dar es Salam. Naquela região é comum o serviço de táxi de motocicleta — o que explica a presença de várias motos queimadas na gravação. A maioria dos mortos eram motociclistas que estavam no local recolhendo o combustível derramado e vendedores de alimentos que conduzem negócios ao longo da Rodovia Dar-Morogoro. A maioria foi queimada sem possibilidade de reconhecimento.

Uma captura de tela aos 48 segundos da gravação que circula no WharsApp mostra o caminhão-tanque caído atrás de algumas árvores, o que condiz com os relatos do ocorrido em 2019. Os jornais Capital News e AP News publicaram fotos do acontecido na Tanzânia. Nelas é possível observar a semelhança do frame do vídeo com a fotografia do caminhão e das motocicletas queimadas, diante da mesma vegetação. 

Além disso, registros do acontecido publicados pelo jornal China Plus e um vídeo do jornal AfricaNews mostram a mesma cena do vídeo que circula pelo WhatsApp, mas de outro ângulo. As imagens se assemelham ao retratar as motocicletas queimadas, as marcas da explosão, as árvores do local e os cadáveres das pessoas.

Na época, o então presidente tanzaniano John Magufuli enviou as suas condolências às famílias das pessoas que morreram no acidente. Ele disse ter recebido a notícia da morte de mais de 62 pessoas com profundo choque. 

Esse conteúdo também foi verificado pelo Boatos.org

Esta‌ ‌verificação ‌foi sugerida por leitores através do WhatsApp da Lupa. Caso tenha alguma sugestão de verificação, entre em contato conosco pelo número +55 21 99193-3751.

Editado por: Maurício Moraes

O conteúdo produzido pela Lupa é de inteira responsabilidade da agência e não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.

A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos

A Lupa está infringindo esse código? Clique aqui e fale com a IFCN

 

Esse conteúdo foi útil?

1 2 3 4 5

Você concorda com o resultado desta checagem?

Sim Não

Leia também

SIGNATORY- International Fact-Checking Network
Etiquetas
VERDADEIRO
A informação está comprovadamente correta
VERDADEIRO, MAS
A informação está correta, mas o leitor merece mais explicações
AINDA É CEDO PARA DIZER
A informação pode vir a ser verdadeira. Ainda não é
EXAGERADO
A informação está no caminho correto, mas houve exagero
CONTRADITÓRIO
A informação contradiz outra difundida antes pela mesma fonte
SUBESTIMADO
Os dados são mais graves do que a informação
INSUSTENTÁVEL
Não há dados públicos que comprovem a informação
FALSO
A informação está comprovadamente incorreta
DE OLHO
Etiqueta de monitoramento
Seções
Arquivo