Tem certeza que deseja sair da sua conta?

Uma carta aberta dos checadores de fatos à CEO do YouTube

Rio de Janeiro | lupa@lupa.news
12.jan.2022 | 02h00 |

12 de janeiro de 2022

Sra. Susan Wojcicki,

Já se passaram quase dois anos desde o início da pandemia de COVID-19. O mundo tem visto repetidamente como a desinformação e os boatos podem ser destrutivos para a harmonia social, a democracia e a saúde pública; muitas vidas e meios de subsistência foram arruinados, e muitas pessoas perderam entes queridos por causa da desinformação. Como uma rede internacional de organizações de verificação de fatos, monitoramos a disseminação de mentiras no ambiente digital — e, todos os dias, vemos que o YouTube é um dos principais canais de desinformação e boatos on-line em todo o mundo. Esta é uma grande preocupação para a nossa comunidade global de verificação de fatos.

O que não vemos é muito esforço do YouTube para implementar políticas que resolvam esse problema. Pelo contrário, o YouTube está permitindo que sua plataforma seja transformada em uma arma por infratores inescrupulosos, que a usam para manipular e explorar outros, além de se organizarem para arrecadar fundos. As ações atuais são insuficientes. É por isso que encorajamos você a tomar medidas eficazes contra a desinformação e os boatos na plataforma e a elaborar um roteiro de políticas e intervenções de produto para melhorar o ecossistema de informações — e a convidamos a fazer isso com as organizações de verificação de fatos independentes e apartidárias no mundo.

No ano passado, vimos grupos conspiracionistas prosperando e colaborando além das fronteiras, incluindo um movimento internacional que começou na Alemanha, foi para a Espanha e se espalhou pela América Latina, tudo no YouTube. Enquanto isso, milhões de outros usuários assistiam a vídeos em grego e árabe que os encorajaram a boicotar vacinações ou tratar suas infecções por COVID-19 com curas falsas. Além da COVID-19, os vídeos do YouTube vêm promovendo curas falsas para o câncer há anos.

No Brasil, a plataforma tem sido usada para amplificar o discurso de ódio contra grupos vulneráveis, atingindo dezenas de milhares de usuários. As eleições também não estão seguras. Nas Filipinas, conteúdos falsos com mais de 2 milhões de visualizações negam abusos de direitos humanos e corrupção durante os anos da lei marcial e estão sendo usados para polir a reputação do filho do falecido ditador, um dos candidatos nas eleições de 2022. Em Taiwan, assim como no Brasil, a última eleição foi marcada por acusações infundadas de fraude. O mundo inteiro testemunhou as consequências da desinformação quando uma turba violenta atacou o Capitólio americano no início de 2021. Desde a véspera da eleição presidencial dos Estados Unidos até o dia seguinte, os vídeos do YouTube que apoiavam a narrativa de “fraude” foram assistidos mais de 33 milhões de vezes.

São muitos exemplos. Muitos desses vídeos e canais permanecem on-line hoje, e todos eles passaram pelo radar das políticas do YouTube, especialmente em países do hemisfério sul que não falam inglês. Estamos felizes que a empresa tenha tido algumas iniciativas recentes para tentar resolver esse problema, mas, com base no que vemos diariamente na plataforma, avaliamos que esses esforços não estão funcionando — nem o YouTube produziu dados de qualidade para provar sua eficácia.

A plataforma, até agora, enquadrou as discussões sobre desinformação como uma falsa dicotomia entre excluir ou não excluir conteúdo. Ao fazer isso, o YouTube está evitando a possibilidade de fazer o que está provado que funciona: nossa experiência como verificadores de fatos, juntamente com evidências acadêmicas, nos diz que exibir informações verificadas é mais eficaz do que excluir conteúdo. Isso também preserva a liberdade de expressão, ao mesmo tempo em que reconhece a necessidade de informações adicionais para mitigar os riscos de danos à vida, saúde, segurança e processos democráticos. E visto que uma grande proporção de visualizações no YouTube vem de seu próprio algoritmo de recomendação, a plataforma também deve se certificar de que não esteja promovendo ativamente a desinformação entre seus usuários ou recomendando conteúdo proveniente de canais não confiáveis. 

Com tudo isso em mente, propomos algumas soluções que fariam grande diferença para reduzir a disseminação de desinformação e boatos no YouTube. 

  1. Um compromisso com a transparência sobre a desinformação na plataforma: O YouTube deve apoiar pesquisas independentes sobre as origens das diferentes campanhas de desinformação, seu alcance e seu impacto, e as formas mais eficazes de desmascarar informações falsas. Deve também publicar sua política de moderação completa em relação à desinformação e a boatos, incluindo o uso de inteligência artificial e quais dados a alimentam.
  2. Além de remover conteúdo para fins de conformidade legal, o foco do YouTube deve ser fornecer contexto e oferecer exposição, claramente sobrepostos aos vídeos ou como conteúdo de vídeo adicional. Isso só pode acontecer se houver uma colaboração significativa e estruturada entre os checadores de fatos e o YouTube, com a plataforma assumindo a responsabilidade e investindo sistematicamente em esforços independentes de verificação de fatos em todo o mundo.
  3. Agir contra infratores reincidentes que produzem conteúdo que é constantemente sinalizado como desinformação e boato, especialmente aqueles que monetizam esse conteúdo dentro e fora da plataforma, evitando que seus algoritmos de recomendação promovam conteúdo de tais fontes de desinformação.
  4. Ampliar esforços atuais e futuros contra a desinformação e boatos em idiomas diferentes do inglês e fornecer dados específicos do país e do idioma, bem como serviços de transcrição que funcionem em qualquer idioma.

Esperamos que você considere a implementação dessas ideias para o bem público e para fazer do YouTube uma plataforma que realmente dê o seu melhor para evitar que a desinformação e os boatos sejam usados como arma contra seus usuários e a sociedade em geral. Estamos prontos e disponíveis para ajudar o YouTube. Gostaríamos de marcar uma reunião com você para discutir esses assuntos e encontrar caminhos para uma colaboração e aguardamos sua resposta a esta oferta.

Africa Check (Senegal, Nigéria, Quênia, África do Sul) / Animal Político – El Sabueso (México) / Aos Fatos (Brasil) / Bolivia Verifica (Bolívia) / BOOM (Índia, Mianmar e Bangladesh) / Check Your Fact (USA) / Code for Africa – PesaCheck (Burkina Faso, Burundi, Camarões, República Centro-Africana, Costa do Marfim, Etiópia, Gana, Guiné, Quênia, Mali, Níger, Nigéria Senegal, África do Sul, Sudão, Tanzânia, Uganda e Zimbabué) / Colombiacheck (Colômbia) / CORRECTIV (Alemanha) / Cotejo.info (Venezuela) / Chequeado (Argentina) / Delfi Lithuania (Lituânia) / Demagog Association (Polônia) / Doğruluk Payı (Turquia) / Dubawa (Nigéria, Gana, Serra Leoa, Libéria e Gâmbia) / Ecuador Chequea (Equador) / Ellinika Hoaxes (Grécia) / Fact Crescendo (Índia) / Fact-Check Ghana / FactCheck.org (EUA) / FactSpace West Africa / Facta (Itália) / Factcheck.NI (Reino Unido) / Factly (Índia) / Factual.ro (Romênia) /FactWatch (Bangladesh) / Fakenews.pl (Polônia) / Faktist.no (Noruega) / Faktograf.hr (Croácia) / Faktoje (Albânia) / Fast Check CL (Chile) / Fatabyyano (Oriente Médio e Norte da África) / Full Fact (Reino Unido) / GRASS – VerificaçãoFatos Geórgia / India Today Group (Índia) / Istinomer (Sérvia) / Istinomjer (Bósnia e Herzegovina) / Hibrid.info (Kosovo) / Knack Magazine (Bélgica) / La Silla Vacía (Colômbia) / Lead Stories (EUA) / Les Surligneurs (França) / Logically (Reino Unido) / Lupa (Brasil) / Maldita.es (Espanha) / MediaWise (EUA) / Mongolian Fact-checking Center (Mongólia) / MyGoPen (Taiwan) / Myth Detector (Geórgia) / NewsMobile (Índia) / Newschecker (Índia e Sul da Ásia) / Newtral (Espanha) / Observador – Fact Check (Portugal) / Open Fact-checking (Itália) / OŠTRO (Eslovênia) / Pagella Politica (Itália) Poligrafo (Portugal) / PolitiFact (EUA) / Pravda (Polônia) / Rappler  (Filipinas) / Raskrinkavanje (Bósnia e Herzegovina) / Re:Check/Re:Baltica (Latvia) / RMIT ABC Fact Check (Australia) Rumor Scanner (Bangladesh) / Science Feedback (França) / StopFake (Ucrânia) / Taiwan FactCheck Center (Taiwan) / Tempo (Indonésia) / Teyit (Turquia) / The Healthy Indian Project/THIP Media (Índia) / The Journal FactCheck (Irlanda) / The Logical Indian (Indiano) / The Quint (Índia) / The Washington Post Fact-checker (EUA) / The Whistle (Israel) / Univision – elDetector (EUA) / VERA Files (Filipinas) / Verificat (Espanha) / Vishvas News (Índia) / Vistinomer (Macedônia do Norte) / VoxCheck (Ucrânia) / 15min (Lituânia)

O conteúdo produzido pela Lupa é de inteira responsabilidade da agência e não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.

A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos

A Lupa está infringindo esse código? Clique aqui e fale com a IFCN

 

Esse conteúdo foi útil?

1 2 3 4 5

Você concorda com o resultado desta checagem?

Sim Não

Leia também

SIGNATORY- International Fact-Checking Network
Etiquetas
VERDADEIRO
A informação está comprovadamente correta
VERDADEIRO, MAS
A informação está correta, mas o leitor merece mais explicações
AINDA É CEDO PARA DIZER
A informação pode vir a ser verdadeira. Ainda não é
EXAGERADO
A informação está no caminho correto, mas houve exagero
CONTRADITÓRIO
A informação contradiz outra difundida antes pela mesma fonte
SUBESTIMADO
Os dados são mais graves do que a informação
INSUSTENTÁVEL
Não há dados públicos que comprovem a informação
FALSO
A informação está comprovadamente incorreta
DE OLHO
Etiqueta de monitoramento
Seções
Arquivo