Tem certeza que deseja sair da sua conta?

#Verificamos: É falso que Bolsonaro está usando as Forças Armadas para fabricar lanchas de transporte escolar

Repórter (especial para a Lupa) | Rio de Janeiro | lupa@lupa.news
12.jan.2022 | 17h19 |

Circula no WhatsApp uma reportagem sobre a fabricação de lanchas para transporte escolar na Base Naval de Natal, no Rio Grande do Norte. A filmagem é acompanhada de uma legenda que sugere que a iniciativa é do presidente Jair Bolsonaro (PL), que supostamente teria determinado que as Forças Armadas produzissem embarcações para transporte escolar. Por WhatsApp, leitores da Lupa sugeriram que esse conteúdo fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação​:

Bolsonaro usa forças armadas para fabricar lancha .
As lanchas serão usadas para levar crianças para escola.
O cara é um mito.
É Bolsonaro outra vez em 2022.

Legenda de vídeo que circula em correntes no WhatsApp

FALSO

A informação analisada pela Lupa é falsa. Não há, atualmente, nenhum projeto em andamento para fabricação de embarcações para transporte de estudantes. O vídeo que acompanha a publicação mostra um projeto realizado entre 2010 e 2012, portanto anterior à gestão do presidente Jair Bolsonaro (PL), quando a Base Naval da Marinha em Natal, no Rio Grande do Norte, fabricou barcos para transporte de alunos em regiões ribeirinhas. 

Essa iniciativa fez parte do programa Caminho da Escola de Lanchas Escolares — uma parceria entre o Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), do Ministério da Educação, e a Marinha. Por telefone, a assessoria de comunicação do Comando do 3º Distrito Naval da Marinha, na capital potiguar, informou que não há nenhum projeto similar no momento. Também confirmou que a filmagem é antiga.

O vídeo que vem sendo compartilhado como se fosse atual é, na verdade, uma reportagem de 2011 sobre uma das bases navais que fizeram parte do projeto, a Base Naval de Natal, no Rio Grande do Norte. Uma busca reversa em plataformas como o Google Images indicou que a gravação foi disponibilizada na internet pela primeira vez em 3 de outubro de 2011.

A gravação, de pouco mais de dois minutos, diz que 100 lanchas já foram entregues e mostra ainda um mapa com as cidades onde os barcos já estão sendo utilizados. A repórter ainda menciona que o projeto é parte do programa federal Caminho da Escola, financiado pelo FNDE, especialmente para crianças que moram em regiões ribeirinhas. 

O próprio vídeo informa que a fabricação das embarcações não é recente. Aos 22 segundos de vídeo, a repórter explica que a produção das lanchas na Base Naval de Natal começou em abril de 2010, portanto oito anos antes de Jair Bolsonaro (PL) ser eleito presidente. 

O projeto de fabricação das lanchas escolares foi anunciado ainda em 2009 pelo FNDE, dois anos depois que o programa Caminho na Escola foi criado, em 2007, ainda na gestão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). O termo de cooperação entre o Fundo e a Marinha foi assinado em outubro daquele ano e a fabricação dos barcos começou no ano seguinte, em 2010. Das 600 lanchas previstas, 300 foram feitas na Base Naval de Val-de-Cães, em Belém; 200 na Base Naval de Natal e 100 na Base Naval de Aratu, em Salvador.   

Esta‌ ‌verificação ‌foi sugerida por leitores através do WhatsApp da Lupa. Caso tenha alguma sugestão de verificação, entre em contato conosco pelo número +55 21 99193-3751.

Editado por: Chico Marés

O conteúdo produzido pela Lupa é de inteira responsabilidade da agência e não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.

A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos

A Lupa está infringindo esse código? Clique aqui e fale com a IFCN

 

Esse conteúdo foi útil?

1 2 3 4 5

Você concorda com o resultado desta checagem?

Sim Não

Leia também

SIGNATORY- International Fact-Checking Network
Etiquetas
VERDADEIRO
A informação está comprovadamente correta
VERDADEIRO, MAS
A informação está correta, mas o leitor merece mais explicações
AINDA É CEDO PARA DIZER
A informação pode vir a ser verdadeira. Ainda não é
EXAGERADO
A informação está no caminho correto, mas houve exagero
CONTRADITÓRIO
A informação contradiz outra difundida antes pela mesma fonte
SUBESTIMADO
Os dados são mais graves do que a informação
INSUSTENTÁVEL
Não há dados públicos que comprovem a informação
FALSO
A informação está comprovadamente incorreta
DE OLHO
Etiqueta de monitoramento
Seções
Arquivo