Tem certeza que deseja sair da sua conta?

#Verificamos: É falso que Ivete Sangalo perdeu patrocinadores e 100 mil seguidores no Instagram

Repórter (especial para a Lupa) | Rio de Janeiro | lupa@lupa.news
17.jan.2022 | 16h48 |

Circula nas redes sociais uma publicação que afirma que Ivete Sangalo perdeu patrocinadores e mais de 100 mil seguidores no Instagram. O suposto boicote teria ocorrido depois que um vídeo que mostra fãs da cantora vaiando o presidente Jair Bolsonaro (PL) durante uma apresentação em Natal (RN) viralizou nas redes sociais. Por meio do ​projeto de verificação de notícias​, usuários do Facebook solicitaram que esse material fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação da Lupa:

“Ivete mexeu com a pessoa errada. Já perdeu patrocinadores e mais de 100 mil seguidores no Instagram”

Texto de publicação que até às 15h25 do dia 12 de janeiro já havia sido compartilhada por 1,7 mil pessoas

FALSO

A informação analisada pela Lupa é falsa. A reportagem contatou 14 empresas que patrocinam a cantora, e nenhuma delas disse que encerrou contratos com a cantora. Por e-mail, a assessoria de imprensa de Ivete Sangalo negou que ela tenha perdido algum patrocínio por causa do vídeo. Além disso, após perder cerca de 20 mil seguidores nos dias imediatamente seguintes à polêmica (o equivalente a 0,05% dos seus seguidores), esse número voltou a subir no início janeiro. Hoje, ela é seguida por mais pessoas do que antes da polêmica.

A Lupa fez um levantamento de publicidades feitas pela cantora em 2021 e entrou em contato com todas as empresas para saber se o contrato era apenas para uma campanha ou se era patrocínio fixo — neste caso, foi perguntado se o acordo seguia em vigência e se havia a intenção de encerrá-lo devido à viralização do vídeo. 

No total, 20 marcas foram contactadas. Dessas, 15 responderam à reportagem e 5 não se posicionaram até o fechamento desta matéria. Os patrocínios fixos identificados foram com Vivo, Piracanjuba, Grupo Reckitt (LuftaFem), Flora (Neutrox),  Wella (Koleston), EMS (Gerovital) e Supermercados Guanabara (rede do Rio de Janeiro). Somente a companhia de supermercados não quis se posicionar sobre o assunto. Todas as outras negaram o fim dos patrocínios.

Panasonic, Lojas Pompéia (varejista do Rio Grande do Sul), GloboPlay, Nivea, CRS Brands (Cereser) e Pfizer informaram que contrataram a cantora para campanhas pontuais e, portanto, não houve rompimento de contrato. MSD Família (Bravecto), Perdigão e Banco Inter não quiseram se posicionar sobre o assunto. No entanto, as duas primeiras veicularam materiais publicitários em redes sociais com a imagem de Ivete Sangalo (aqui e aqui). MSD e Inter também seguem usando peças de publicidade com a cantora em seus sites oficiais.  

Britânia, CrediCard, Avatim (empresa de cosméticos) e Plie (marca de lingerie) não responderam à solicitação da Lupa até o fechamento desta reportagem. A Britânia, no entanto, segue usando a imagem da cantora no YouTube e Instagram. A Plie também veiculou conteúdos com a participação de Ivete em todas suas redes sociais (aqui, aqui, aqui e aqui), mesmo depois da viralização do vídeo de seu show em Natal (RN). 

A cantora tampouco perdeu mais de 100 mil seguidores no Instagram. Pelo contrário: o número atual de seguidores é ligeiramente maior do que antes da viralização do vídeo. Segundo o Crowdtangle, plataforma de monitoramento de redes sociais da Meta, a cantora chegou a perder 19.845 seguidores entre 30 de dezembro de 2021 (quando veio a público o vídeo da vaia) e 2 de janeiro de 2022. Contudo, depois do dia 3, o número de seguidores voltou a crescer. Em 16 de janeiro, ela tinha 33.808.582 seguidores na rede social 20.604 a mais do que tinha em 30 de dezembro de 2021 (33.787.978).

A polêmica

No dia 29 de dezembro, durante um show em Natal (RN), fãs da cantora começaram a xingar Bolsonaro. Ivete incentiva os gritos da multidão, e diz que, do jeito que estava, ele ia “acabar escutando de tão alto que foi”. O vídeo viralizou nas redes sociais e, desde então, apoiadores do presidente vem fazendo campanha contra a cantora.

Nota:‌ ‌esta‌ ‌reportagem‌ ‌faz‌ ‌parte‌ ‌do‌ ‌‌projeto‌ ‌de‌ ‌verificação‌ ‌de‌ ‌notícias‌‌ ‌no‌ ‌Facebook.‌ ‌Dúvidas‌ sobre‌ ‌o‌ ‌projeto?‌ ‌Entre‌ ‌em‌ ‌contato‌ ‌direto‌ ‌com‌ ‌o‌ ‌‌Facebook‌.

Editado por: Chico Marés

O conteúdo produzido pela Lupa é de inteira responsabilidade da agência e não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.

A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos

A Lupa está infringindo esse código? Clique aqui e fale com a IFCN

 

Esse conteúdo foi útil?

1 2 3 4 5

Você concorda com o resultado desta checagem?

Sim Não

Leia também

SIGNATORY- International Fact-Checking Network
Etiquetas
VERDADEIRO
A informação está comprovadamente correta
VERDADEIRO, MAS
A informação está correta, mas o leitor merece mais explicações
AINDA É CEDO PARA DIZER
A informação pode vir a ser verdadeira. Ainda não é
EXAGERADO
A informação está no caminho correto, mas houve exagero
CONTRADITÓRIO
A informação contradiz outra difundida antes pela mesma fonte
SUBESTIMADO
Os dados são mais graves do que a informação
INSUSTENTÁVEL
Não há dados públicos que comprovem a informação
FALSO
A informação está comprovadamente incorreta
DE OLHO
Etiqueta de monitoramento
Seções
Arquivo