Tem certeza que deseja sair da sua conta?

#Verificamos: É falso que Taleban proibiu uso de celulares no Afeganistão

Repórter (especial para a Lupa) | Rio de Janeiro | lupa@lupa.news
28.jan.2022 | 16h09 |

Circula nas redes sociais um vídeo que mostra militares destruindo equipamentos eletrônicos. Na legenda, é dito que o Afeganistão baniu o uso de celulares no país e que as pessoas teriam enviado seus aparelhos voluntariamente para que o governo pudesse destruí-los. Por meio do ​projeto de verificação de notícias​, usuários do Facebook solicitaram que esse material fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação da Lupa:

video mostra agente paquistanes pisando em celulares

“Os telefones celulares agora são proibidos no Afeganistão. Todos enviaram voluntariamente seus telefones ao *governo afegão.* Qualquer pessoa encontrada com telefone celular enfrentará pena de morte, diz a nova lei”

Texto de publicação que até às 14h29 do dia 28 de janeiro de 2022 havia sido compartilhada por 11,1 mil pessoas

FALSO

A informação analisada pela Lupa é falsa. O vídeo foi gravado no Paquistão, e não no Afeganistão, e mostra oficiais do governo paquistanês destruindo equipamentos contrabandeados. As imagens veiculadas pela publicação são de uma cerimônia realizada no dia 29 de dezembro de 2021, na cidade de Karachi — a maior do Paquistão. O evento foi organizado pela alfândega paquistanesa e faz parte de uma operação de combate ao contrabando. Na ocasião, 39.470 celulares foram destruídos. 

Como pode ser observado no vídeo, o uniforme do agente que aparece pisando nos aparelhos eletrônicos tem a bandeira do Paquistão bordada no braço. O mesmo homem pode ser visto em outros vídeos que circularam no Paquistão, como neste publicado pelo ator Adnan Siddiqui (que foi convidado para acompanhar o evento). O agente alfandegário também aparece em vídeos divulgados pelos jornais locais Karachi News 21 (15 segundos) e Daily City News Karachi (39 segundos). 

Outros jornais paquistaneses, como o Tribune Express, The News, Jasarat News, City News e News Asia, noticiaram a apreensão e a destruição dos equipamentos.

Afeganistão

O governo afegão, desde o ano passado controlado pelo grupo fundamentalista islâmico Taleban, não decretou lei proibindo o uso de celulares no país. De acordo com o jornal norte-americano New York Times, cerca de 70% da população afegã tem acesso a celulares atualmente. Apesar de não banir os aparelhos, o grupo adota um sistema de censura de mensagens e conteúdos.

Além disso, o grupo tem forte presença em redes sociais e criou um portal oficial, o Al-Emarat — que publica textos em inglês, árabe, pashto, dari/persa e urdu. Cenário diverso do observado nos anos 1990 quando veículos de informação, incluindo os estatais, foram extintos. 

Outra via usada pelo governo afegão tem sido a precarização do acesso à internet. Reportagem da rede de televisão Al Jazeera relata que 28 antenas de internet e 39 torres de transmissão de energia foram destruídas no país em julho de 2021. 

Esse boato também foi verificado pela AFP, Boom, India Today e Dfrac.

Nota:‌ ‌esta‌ ‌reportagem‌ ‌faz‌ ‌parte‌ ‌do‌ ‌‌projeto‌ ‌de‌ ‌verificação‌ ‌de‌ ‌notícias‌‌ ‌no‌ ‌Facebook.‌ ‌Dúvidas‌ sobre‌ ‌o‌ ‌projeto?‌ ‌Entre‌ ‌em‌ ‌contato‌ ‌direto‌ ‌com‌ ‌o‌ ‌‌Facebook‌.

Editado por: Chico Marés

O conteúdo produzido pela Lupa é de inteira responsabilidade da agência e não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.

A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos

A Lupa está infringindo esse código? Clique aqui e fale com a IFCN

 

Esse conteúdo foi útil?

1 2 3 4 5

Você concorda com o resultado desta checagem?

Sim Não

Leia também

SIGNATORY- International Fact-Checking Network
Etiquetas
VERDADEIRO
A informação está comprovadamente correta
VERDADEIRO, MAS
A informação está correta, mas o leitor merece mais explicações
AINDA É CEDO PARA DIZER
A informação pode vir a ser verdadeira. Ainda não é
EXAGERADO
A informação está no caminho correto, mas houve exagero
CONTRADITÓRIO
A informação contradiz outra difundida antes pela mesma fonte
SUBESTIMADO
Os dados são mais graves do que a informação
INSUSTENTÁVEL
Não há dados públicos que comprovem a informação
FALSO
A informação está comprovadamente incorreta
DE OLHO
Etiqueta de monitoramento
Seções
Arquivo