anais da posse

“Maçãs envenenadas” assombram a posse de Bolsonaro

Repórteres foram obrigados por seguranças a morder frutas que levaram como lanche para provar que não tinham veneno ou ocultavam algum objeto

Josette Goulart
01jan2019_15h35
ILUSTRAÇÃO: ISABELA DA SILVEIRA

Maçãs e bananas não passaram incólumes nas revistas de segurança feitas para a entrada da imprensa na cobertura da posse presidencial. Quem se arriscou a levar uma fruta como lanche teve que dar uma mordida na frente do segurança ou cortá-la em pedaços. O objetivo era saber se havia veneno ou algum objeto dentro das frutas, que poderia representar alguma ameaça ao presidente Jair Bolsonaro.

Agentes do Planalto dizem que este é um procedimento padrão para qualquer evento presidencial, mas admitem que neste novo governo os padrões de segurança serão alterados. O discurso é quase sempre o mesmo: este é um presidente que já sofreu um atentado, o que justificaria os cuidados redobrados. No caso das frutas, a preocupação é de que alimentos bons sejam trocados por outros que façam mal à saúde, dentro do próprio Planalto.

Um coronel do Gabinete de Segurança Institucional, o GSI, que conversou com a reportagem mas não quis se identificar, estranhou o procedimento. Ele diz que é possível identificar elementos contagiantes pelos scanners do raio X. Mas reforçou que a segurança no governo Bolsonaro será muito diferente do que foi feito até agora. “Somos um país do Carnaval, as pessoas gostam da festa e estranham quando existe uma segurança mais rigorosa. Mas precisamos reforçar a segurança como acontece em outros países, e mostrar a todos que estamos preparados para evitar atentados”, disse o coronel.

Era preciso levar os lanches porque os jornalistas tiveram de se apresentar cedo, a partir das 7 horas, no Centro Cultural Banco do Brasil, o CCBB, onde seguiriam de ônibus para a posse no Congresso, Palácio do Planalto e no Itamaraty. E ficariam nesses lugares, em cercadinhos demarcados para a imprensa, até as 17 horas, quando seriam levados de volta ao CCBB pelos mesmos ônibus.



No Congresso Nacional, a polícia do Senado foi além. Repórteres fotográficos credenciados para as galerias disseram que foram informados que só poderiam consumir alimentos dentro dos banheiros, por ordens expressas da polícia. A segurança do Congresso é de responsabilidade da polícia do Senado e não tem relação com o GSI ou a segurança da Presidência.

O Palácio do Itamaraty é o único local onde os jornalistas não tiveram maiores restrições para comer. Um bufê foi montado no local, além de uma sala de imprensa. No Palácio do Planalto, jornalistas tiveram de sentar no chão, sem comida e sem água desde as 7 horas, horário de chegada exigido para quem fosse cobrir a posse.

Mais de 1 mil jornalistas estão cobrindo o evento nesta terça-feira em Brasília, entre eles 155 estrangeiros de 28 países diferentes. Desde a semana passada, os profissionais da imprensa foram informados que deveriam levar seu próprio alimento para consumo. Foi especificado que garrafas não seriam permitidas. Mesmo assim alguns repórteres passaram pela segurança com garrafinhas de suco sem terem que provar a bebida na frente dos policiais. Já as maçãs tiveram de chegar ao Planalto mordidas.

* Com a colaboração da repórter Consuelo Dieguez.

Josette Goulart (siga @JosetteGoulart no Twitter)

Fundadora da Lagartixa Diária, o jornal das redes sociais. Trabalhou no Valor Econômico, O Estado de S. Paulo, entre outros

Leia também

Últimas Mais Lidas

No app da inclusão

Jovens negros da periferia apostam na tecnologia como ferramenta contra o racismo

Foro de Teresina #111: A república rachada de Bolsonaro

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Álcool, pancadas na cabeça e poluição, novos riscos para o Alzheimer

Teste aponta propensão para a doença vinte anos antes de sintomas aparecerem; estudo inédito identifica três novos fatores a evitar para não desenvolver o mal

Moral religiosa é mais forte no Brasil do que em países com renda parecida 

Diretor de escola de Oxford analisa pesquisa global do Pew Research sobre moralidade e fé e explica por que a cultura brasileira faz do país um ponto fora da curva na questão

Mortes visíveis – o reencontro de Sérgio Ricardo, Dib Lutfi e Glauber Rocha

Contaminados pelo novo coronavírus, milhares de mulheres e homens perderam a vida – morreram de Brasil

De Quixeramobim a Oxford

Como um estudante do interior do Ceará se tornou um dos pesquisadores no rastro do genoma do Sars-CoV-2

Respirador dá fôlego a devedor

Ministério da Saúde contrata para fornecer ventiladores empresa que deve pelo menos 75 milhões de reais em impostos federais, estaduais e municipais

Foro de Teresina #110: Bolsonaro e o partido da boquinha

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Mais textos
2

O que é fascismo

Quando uma palavra se transforma em palavrão

3

Deus e o Diabo estão nos detalhes

Notas sobre a importância do desimportante

4

O paciente H.M.

Por trás dessas duas iniciais, a história de um filho de eletricista cujo cérebro recebe cuidados semelhantes aos de Einstein

5

Por que as crianças gostam de Valtidisnei

De como me perdi de minha família ao ver Pinocchio, fui parar num reformatório, e a reencontrei numa sessão de Bambi

6

A morte e a morte do Capitão América

Baudrillard, o franco-atirador da teoria de que tudo é ilusão, mandou o Capitão América desta para a pior

7

A baleia branca de Rodolfo Landim

O ex-executivo de Eike Batista julga ser responsável por parte considerável do sucesso empresarial do homem mais rico do Brasil. Agora, com a obstinação de quem não gosta de perder nem pelada, parte para buscar o que considera seu

8

A redenção dos cinco

Um filme sobre os rapazes presos por um estupro que não cometeram