Igualdades

Mais contagioso que o coronavírus

Amanda Rossi e Renata Buono
10fev2020_09h33

O Brasil teve 16 mil casos de sarampo em 2019, o maior número em 22 anos. Apenas três anos antes, o país recebera da Organização Mundial de Saúde o certificado de eliminação do vírus. Entre 2016 e 2017, nenhum novo caso foi registrado. Já em 2018, o sarampo voltou, e o Brasil teve 10 mil casos confirmados – 99% na região Norte, vizinha da Venezuela, que vivia um surto da doença. Em 2019, a crise migrou para o Sudeste. Entre as doenças infecciosas graves, o sarampo é a mais contagiosa – cerca de quatro vezes mais que o novo coronavírus. Para conter seu avanço, é preciso que 95% da população esteja vacinada. Mas, a partir de 2017, as taxas brasileiras caíram abaixo desse patamar. Outra virose conhecida dos brasileiros, a dengue, matou 782 pessoas em 2019 no país. O =igualdades desta semana explica o aumento de casos de sarampo no Brasil.

Ao longo de dezesseis anos, entre 2002 e 2017, o Brasil teve 1,5 mil casos de sarampo. Em 2018, o número de casos chegou a 10 mil. Em 2019, a 16 mil. Para cada caso de sarampo entre 2002 e 2016, o Brasil registrou outros sete em 2018 e onze em 2019.

A volta do sarampo ocorreu primeiro na região Norte. Em 2018, de cada 100 casos, 95 foram no Amazonas, 3 em Roraima, 1 no Pará. Em seguida, o sarampo migrou para o Sudeste. Em 2019, de cada 100 casos, 89 foram no estado de São Paulo, 4 no Paraná, 2 no Rio de Janeiro, 1 em Santa Catarina, 1 em Pernambuco, 1 em Minas Gerais.

Em uma população não vacinada, uma pessoa com sarampo é capaz de transmitir a doença para outras 13 pessoas. É um dos vírus mais contagiosos de que temos conhecimento. No caso do novo coronavírus, uma pessoa infectada pode transmitir a doença para outras duas ou três pessoas.



Para conter uma doença com o nível de contágio do sarampo, é preciso que cerca de 95% da população esteja vacinada. Entre 2002 e 2016, a cobertura da primeira dose da vacina tríplice viral, que protege contra sarampo, ficou acima desse percentual. Mas caiu para 91%, em 2017. Após a campanha de vacinação de 2019, voltou a superar 95%, segundo o Ministério da Saúde.

A primeira dose da tríplice viral só é dada a partir de 1 ano de idade. Por isso, bebês com menos de doze meses são o grupo mais vulnerável em momentos de surto de sarampo. Entre julho e dezembro de 2019, 15 de cada 100 pessoas contaminadas com sarampo tinham menos de 1 ano, de acordo com o Ministério da Saúde – apesar de serem apenas 1 de cada 100 brasileiros.

O sarampo está longe de ser a única doença infecciosa que preocupa o Brasil. Em 2019, o país teve 8 casos de sarampo para cada 100 mil pessoas; 63 casos de chikungunha para cada 100 mil pessoas; 735 casos de dengue por 100 mil pessoas. Para cada 1 pessoa com sarampo, 8 tiveram chikungunya e 92 contraíram dengue.

O sarampo é mais grave do que a chikungunya e a dengue. Proporcionalmente, mata mais. Em 2019, 15 pessoas morreram por sarampo no Brasil, o maior número em três décadas. Isso corresponde a 9 mortes a cada 10 mil casos. Já a chikungunya provocou outras 92 mortes, 7 para cada 10 mil casos. A dengue matou 782 pessoas, 5 a cada 10 mil casos.

Fontes: Johns Hopkins University; Organização Mundial da Saúde, Ministério da Saúde; professor Marc Lipsitch, da Universidade de Harvard; National Center for Biotechnology Information; Johns Hopkins School of Public Health; Center for Communicable Disease Dynamics.

Amanda Rossi (siga @amanda_rossi no Twitter)

Jornalista, trabalhou na BBC, TV Globo e Estadão, e é autora do livro Moçambique, o Brasil é aqui

Renata Buono (siga @revistapiaui no Twitter)

Renata Buono é designer e diretora do estúdio BuonoDisegno

leia mais

Últimas Mais Lidas

Vacina em causa própria

Veterinário que comanda o Departamento de Imunização do Ministério da Saúde inclui a própria categoria na fila prioritária de vacinação contra a Covid-19

A epidemia particular das prisões

No Brasil, suicídios são quatro vezes mais comuns nas cadeias do que fora delas; famílias de presos lutam para que Estado se responsabilize pelas mortes

Pesadelo em Manaus

Mais trinta mil mortos pela Covid em apenas trinta dias. Quem é o responsável por essa tragédia?

A Floresta do Camboatá resiste

Depois de quase virar um autódromo, última área plana de Mata Atlântica no Rio pode se transformar em Unidade de Conservação

O dilema do impeachment

Especialistas divergem sobre possibilidade legal de Trump ser condenado após terminar o mandato; no fim, decisão deve ser política

A guerra da soja

Ao responsabilizar a produção de soja pelo desmatamento da Amazônia, presidente Emmanuel Macron optou por uma mentira conveniente

A gastança amazônica dos militares

Na virada do ano, Ministério da Defesa comprou satélite de 179 milhões de reais e fechou 2020 gastando o triplo dos órgãos ambientais para monitorar a floresta

Mais textos
1

Romário convoca CPI para investigar a cor do cabelo de Marin

BARRACA DO PEPÊ - Decidido a colocar em pratos limpos tudo que acontece na CBF, o deputado federal Romário recolheu assinaturas para uma CPI que investigará a cor do cabelo do presidente da entidade. "Se o Marin está diante de um fundo azul, o cabelo fica acaju. Se o fundo é branco, fica tudo meio esverdeado", desconfiou o craque, enquanto fazia aquecimento para uma partida de futevôlei com Aécio Neves.

2

Uma família de poder

A imagem reproduzida nesta página não é uma foto de família, apesar de representar quatro gerações de uma mesma família. Não foi feita para ser vista apenas por seus membros mas por um público amplo e não serviu para lembrar uma reunião de parentes, mas para passar uma clara mensagem política: a perenidade da dinastia reinante sobre a Inglaterra, então a nação mais poderosa do mundo. Tirada em 1899, às vésperas do novo século que prenunciava uma nova era, mostra a Rainha Vitória, então muito mais soberana do mundo que simplesmente rainha da Inglaterra, cujo reinado completara 62 anos, cercada por seu filho e herdeiro, o futuro Edward VII, seu neto, o futuro George V e seu bisneto, o futuro Edward VIII, cujo reinado, por oposição à sua bisavó, bateria o recorde de brevidade (apenas dez meses em 1936).

3

Após esfaquear Bolsonaro, agressor disse cumprir “ordem de Deus”

Policiais Federais que prenderam Adelio Bispo de Oliveira em Juiz de Fora imediatamente após o atentado afirmaram duvidar de sua “integridade psicológica”

4

Sobrou para o PSTU

Agremiação trotskista com apenas dois vereadores não escapou da fúria contra os partidos, mas já faz planos para o pós-revolução

5

A planta inteligente

Cientistas debatem um novo modo de entender a flora

6

A semana no site da piauí

O "início do namoro" entre Mão Santa e Bolsonaro, as investidas do procurador Carlos Fernando contra os críticos da Lava Jato e outras histórias

7

How do you do, Dutra?

É mais arriscado [e divertido] ir de São Paulo ao Rio de carro do que remar da África a Salvador

10

Mentalizar pinos

Repetir uma série de movimentos antes de cada arremesso pode ser fundamental ao boliche