=igualdades

Mais ricos do Brasil detêm o triplo de renda que os mais ricos da Noruega

Luigi Mazza, Hellen Guimarães e Renata Buono
06jan2021_09h30

A intensa desigualdade socioeconômica ainda é o principal entrave ao desenvolvimento pleno do Brasil. Prova disso é que o país é o segundo que mais perde posições no ranking do IDH quando a pontuação é ajustada a esse fator, atrás apenas de Comores, no Leste da África. A concentração de renda por aqui é o triplo da que ocorre na Noruega, líder do ranking de qualidade de vida. Enquanto o 1% mais rico da população brasileira detém 28% da renda do país, o 1% mais rico entre os noruegueses concentra 9% da riqueza nacional.

Quando a desigualdade entra na equação, o Brasil cai vinte posições no ranking do IDH e vê sua pontuação despencar de 0,765 para 0,570 — ou seja, 0,195 ponto, uma redução de 25,5%. Isso tiraria o país do grupo de desenvolvimento humano alto e levaria a sociedade brasileira à parcela das que têm desenvolvimento médio. A título de comparação, a queda da Noruega é muito menos brusca: o país, inclusive, manteria a liderança do ranking, pois sua pontuação cai de 0,957 para 0,899 — uma redução equivalente a 0,058 ou 6,1%.

Fonte: Relatório de Desenvolvimento Humano 2020, do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD).

Luigi Mazza (siga @LuigiMazzza no Twitter)

Repórter da piauí, produtor da rádio piauí e diretor do podcast Foro de Teresina

Hellen Guimarães

Repórter da piauí. Trabalhou em O Globo, Extra, Época e Agência Lupa

Renata Buono (siga @revistapiaui no Twitter)

Renata Buono é designer e diretora do estúdio BuonoDisegno

Leia também

Últimas Mais Lidas

Foro de Teresina #134: Sem vacina, sem Trump, sem nada

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Consórcio de checagem de fatos é indicado ao Nobel da Paz

Presente em 51 países, entre eles o Brasil, Rede Internacional de Verificação de Fatos (IFCN) recebeu a nomeação nesta quinta-feira (21)

A queda do padre youtuber

Marcos de Miranda é afastado da Igreja após denúncia de que infringiu o celibato e tem um filho de 2 anos. Ele nega a acusação

“O mundo em torno de mim está se desfazendo”

Jornalista que vive no Amazonas há trinta anos descreve o colapso dos hospitais manauaras durante a segunda onda da pandemia

Vacina em causa própria

Veterinário que comanda o Departamento de Imunização do Ministério da Saúde inclui a própria categoria na fila prioritária de vacinação contra a Covid-19

A epidemia particular das prisões

No Brasil, suicídios são quatro vezes mais comuns nas cadeias do que fora delas; famílias de presos lutam para que Estado se responsabilize pelas mortes

Pesadelo em Manaus

Mais trinta mil mortos pela Covid em apenas trinta dias. Quem é o responsável por essa tragédia?

Mais textos
1

O lobby da capivara

Como nasce um emoji

2

121

5

Sobrou para o PSTU

Agremiação trotskista com apenas dois vereadores não escapou da fúria contra os partidos, mas já faz planos para o pós-revolução

6

How do you do, Dutra?

É mais arriscado [e divertido] ir de São Paulo ao Rio de carro do que remar da África a Salvador

7

A semana no site da piauí

O "início do namoro" entre Mão Santa e Bolsonaro, as investidas do procurador Carlos Fernando contra os críticos da Lava Jato e outras histórias

8

Quixote venceu

Memórias e dúvidas metafísicas de um torcedor do Galo diante da glória

9

Um pierrô apaixonado

As melhores marchas do carnaval do Rio de Janeiro sucederam-se na boca do povo ao longo das décadas de 1920 a 1950, para fixar-se em seguida na memória de todos os cariocas, mesmo aqueles para quem o carnaval será sempre apenas um feriado. Repetidas ao infinito nas rádios, cantadas nas ruas e nas casas, muitas das marchinhas mais populares tornaram-se imortais.