anais das redes

Márcio França, o ex-famoso quem

O pouco conhecido governador de São Paulo supera o rival João Doria em buscas no Google e interações no Facebook

Josette Goulart
05jul2018_16h53
ILUSTRAÇÃO: PAULA CARDOSO

Márcio Cuba? França? Márcio quem? O novo governador de São Paulo era um notório desconhecido no Google e nas redes sociais até pouco tempo atrás. Enquanto isso, João Doria, seu rival do PSDB, fazia da ostensiva presença online uma de suas marquetagens. Desde que Márcio França, do PSB, assumiu o lugar de Geraldo Alckmin no comando do governo paulista, passou a usar o cargo para aparecer. E os papéis começaram a se inverter. O tucano vem perdendo popularidade na internet há um ano. Já França, em ascensão, chegou a ultrapassá-lo em volume de buscas no Google e em interações no Facebook nos últimos três meses, como mostram dados das ferramentas Google Trends e CrowdTangle.

A curiosidade por França no Google começou no fim de março, com as primeiras notícias de que Alckmin deixaria o cargo para disputar as eleições presidenciais. Em 6 de abril, dia em que França assumiu a cadeira de governador, os dois rivais provocaram picos de curiosidade na internet. Naquele momento, as buscas pelo tucano foram 80% maiores. Mas isso estava para mudar.

De carona na popularidade do novo cargo, França conseguiu superar Doria em dezesseis ocasiões, ao longo de três meses como governador de São Paulo. Chegou a ultrapassá-lo também em interações no Facebook – mesmo com muito menos seguidores (33 mil na página de França contra 2,7 milhões na de Doria). Foi durante a greve dos caminhoneiros, quando se colocou como mediador entre a categoria e o governo federal.

A primeira vez em que França ultrapassou Doria em interesse no Google – considerando dados do Google Trends delimitados unicamente ao estado de São Paulo – foi em 11 de abril, cinco dias depois de assumir o cargo. Ele apareceu no noticiário por duas razões: ao dizer que o “número de homicídios em São Paulo é sensacional” e ao gravar vídeo com Bruno Covas, que havia assumido a Prefeitura de São Paulo no lugar de Doria. Com isso, França chegou ao dobro das buscas de Doria no Google.

Como reação ao surgimento de um rival, Doria partiu para o ataque. Em 12 de abril, referiu-se ironicamente ao socialista como “Márcio Cuba”, parte da tática de associá-lo à “extrema esquerda”, uma ligação que França rechaça. Disse ainda que o oponente não tem realizações para mostrar e usa a estrutura pública para “fazer política partidária”.

Na internet, os momentos de maior popularidade de França são justamente quando ele usa o cargo. Em 11 de maio, o socialista voltou a superar o tucano quando foi notícia por ter acelerado a liberação de verba a municípios do interior paulista. Outro exemplo foi quando presenteou com flores a policial militar que matou a tiros um assaltante na porta de uma escola em Suzano, na Grande São Paulo. Nessa ocasião, França permaneceu na frente de Doria durante três dias e, novamente, teve o dobro da popularidade do tucano, como mostra o gráfico abaixo.

O maior pico de popularidade de França viria duas semanas depois, em meio à greve dos caminhoneiros: no domingo, 27 de maio, sétimo dia da paralisação. Esse foi o maior pico de curiosidade sobre França no ano, em que ficou à frente de Doria novamente durante três dias, entre 26 e 28 de maio, nas buscas no Google. Depois disso, ao longo de todo o mês de junho e início de julho, os dois têm se alternado, com vantagem para Doria. A diferença entre os picos não voltou, porém, à proporção dos primeiros meses do ano.

A consequência do embate na rede veio em forma de processo judicial. Também no fim de maio, o PSDB paulista entrou na Justiça contra França, acusando-o de promover sua candidatura ao Palácio dos Bandeirantes por meio dos perfis oficiais do governo. A juíza Alessandra Barrea Laranjeiras  concedeu nesta segunda-feira uma liminar definindo multa para cada vez que França fizer discursos visando benefício eleitoral, por ver “fortes indícios de utilização de atos da Administração para promoção pessoal e eleitoral”. França disse que não foi ouvido “em profundidade” e que vai recorrer.

A análise do gráfico do Google Trends considerando os três principais candidatos ao governo paulista mostra também as dificuldades de Paulo Skaf, do MDB, de despertar a curiosidade dos internautas. Em seis meses, esteve atrás de Doria o tempo todo. E ultrapassou França em apenas um dia, 8 de junho, quando Skaf participou de sabatina em que negou conhecer pessoalmente Bolsonaro.

O desempenho de França ecoa o que houve no estado do Tocantins, onde houve um pleito suplementar em junho. E os efeitos na popularidade na internet com a mudança de comando do governo do Estado também ocorreram. O governador eleito foi Mauro Carlesse, do PHS, então presidente da Assembleia Legislativa estadual, que assumiu o governo do Tocantins em março depois que o ex-governador foi cassado por irregularidades na eleição de 2014.

Até a notícia de que haveria um pleito suplementar, Carlesse não tinha relevância nas buscas do Google. Quando assumiu o governo, isso mudou. As eleições suplementares aconteceram em junho, Carlesse venceu os oponentes Marcelo Miranda, do MDB, e Vicentinho Alves, do PR, e assumiu o mandato-tampão até dezembro.

Para Márcio França, o cargo de governador de São Paulo tem rendido audiência também no Facebook. As interações em sua página vêm crescendo desde maio, segundo dados do CrowdTangle, e chegaram a superar as de Doria na primeira semana de junho, também um efeito da atuação de França na greve dos caminhoneiros. Naquela semana, chegou a 43 mil interações, mais do que o dobro das 19 mil de Doria no período. Depois, o tucano voltou a ficar à frente, mas, também nessa métrica, não atingiu mais a diferença do começo do mês.

Os dados mostram também a baixa audiência de Skaf nessa rede social. Candidato nas últimas duas eleições ao governo paulista e presidente da Fiesp desde 2004 (exceto quando disputa eleições), ele ficou sempre atrás de França em volume de interações nos últimos seis meses, mesmo com um número de seguidores sete vezes maior no Facebook – 232 mil para Skaf, contra os 33 mil de França.

Para Carlos Melo, cientista político do Insper, mais do que tempo de tevê ou as redes sociais, o apoio dos prefeitos ainda é um fator que vai pesar em uma disputa para o governo do Estado. Enquanto foi vice-governador, França se aproximou dos prefeitos e tentou liberar verbas para as prefeituras, como ele aponta em seus próprios posts no Facebook, que relatam convênios e visitas. Também nessa estratégia, os dois rivais estão juntos nesta pré-campanha, já que Doria intensificou as visitas ao interior do Estado nas últimas semanas.



Josette Goulart (siga @JosetteGoulart no Twitter)

Fundadora da Lagartixa Diária, o jornal das redes sociais. Trabalhou no Valor Econômico, O Estado de S. Paulo, entre outros

Leia também

Relacionadas Últimas

Ciro Sincero morde, Ciro Ternura assopra

Presidenciável do PDT usa o Facebook para agradar dois tipos de eleitores, o genérico e o militante; tem que amaciar sem perder a dureza jamais

Lula supera Bolsonaro no Facebook após prisão

Petista soma 7,8 milhões de interações desde 7 de abril e se torna o presidenciável mais popular na mídia social, mesmo preso em Curitiba

Nascimento, vida e morte de um factoide

A entrevista de Gleisi Hoffmann à Al Jazeera: de “ameaça terrorista” ao fim de investigação por falta de o quê investigar

Cobaias ou heróis?

Cerca de 90 voluntários serão infectados por cientistas com o SARS-COV-2 para ajudar a responder perguntas vitais que permanecem sem resposta desde o começo da pandemia

A sutil arte de ligar o BBB

Com 77 milhões de menções no Twitter, programa deixou para trás Bolsonaro, Covid, vacina e futebol; Globo acolhe Karol Conká em “operação descancelamento”

Vacina atrasada, variante acelerada

Ritmo lento de imunização aumenta risco de disseminação de mutações do Sars-CoV-2

Foro de Teresina #139: Liberalismo adernado e o tsunami

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Erros em série e 250 mil mortes

Sem plano eficaz de imunização, dinheiro das vacinas paga até gasto sigiloso com operação de inteligência do Exército; governo financia campanha de tratamento precoce e mantém no ar manual para uso de cloroquina

No rastro do doleiro dos doleiros

Inquérito investiga como Dario Messer movimentou mais de 100 milhões de dólares em contas no Banco Safra no exterior - e se banco violou regras contra lavagem de dinheiro

Mais textos
1

Onze bilhões de reais e um barril de lágrimas

Luis Stuhlberger, o zero à esquerda que achava que nunca seria alguém, construiu o maior fundo multimercado fora dos Estados Unidos e, no meio da crise, deu mais uma tacada

3

A metástase

O assassinato de Marielle Franco e o avanço das milícias no Rio

5

Kadafi pede para ser julgado por Congresso Brasileiro

ATLÂNTIDA - Escondido no mesmo bunker já usado por Osama Bin Laden, Darth Vader, Hitler e José Dirceu, o ditador Muammar Kadafi fez chegar à RedeTV! uma mensagem em áudio na qual impõe uma única condição para se entregar: "Só aceito sair se for julgado pelo Congresso Brasileiro. Me comprometo a acatar todas as ásperas reprimendas e duras punições pelas quais os nobres deputados, sempre zelosos do melhor cumprimento da lei, vêm se notabilizando ao longo dos últimos anos. Na semana seguinte, já com a ficha limpa, quero me filiar ao PMDB", declarou em árabe, com leve sotaque maranhense.

6

A última moda da vida eterna

O ponto de Nova York onde ficava a megastore da Virgin vira uma loja que embrulha roupa barata com o Evangelho

7

Black Blocs anunciam lista de convocados para a Copa

AVENIDA PAULISTA - Centenas de vândalos atrapalharam o trânsito nesta manhã em São Paulo para anunciar a lista de black blocs convocados para a Copa. "Apostamos na força do nosso grupo e esperamos fazer uma boa campanha, com muita humildade, sempre respeitando os adversários", explicou um mascarado.

8

Reviravolta: FHC é pai de Strauss-Kahn

SORBONNE - Exames de DNA feitos na madrugada de ontem revelaram que Fernando Henrique é, sim, pai de Dominique Strauss-Kahn, do Real, do Cruzado, do Plano Bresser e da SUNAB, e não, como se pensava, de uma camareira da Guiné que trabalhava no hotel Sofitel de Nova York. "Recentemente, tenho ficado mais distraído e confesso que assinei o primeiro exame sem ler", festejou o ex-presidente, botando um baseado na roda. Também são seus filhos a Guarânia paraguaia, o Dólar nigeriano e o Franco senegalês.

9

Uma temporada nos confins

Lá ninguém sabia quem eu era, lá eu podia fazer o que bem entendesse

10

Facebook insere a tag “sátira” em blog de Rodrigo Constantino

BRAZIL - Ciente do risco de que o blogueiro Rodrigo Constantino seja levado a sério, o Facebook prometeu inserir automaticamente a tag "sátira" a cada vez que um texto de sua autoria for compartilhado. "Os brasileiros não sabem distinguir os blogs de humor dos sites noticiosos. Vamos intervir para acabar com essa zona nebulosa", explicou Mark Zukerberg, com um sorriso irônico de canto de boca.